Banner itaipulândia julho

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Janela do presídio de Guantánamo
  Data/Hora: 27.mai.2013 - 11h 32 - Colunista: Bruno Peron  
 
 
clique para ampliar

Bruno Peron - Desenhemos uma cena atual de barbárie: um grupo de patriotas, por defender seus países (e consequentemente seus povos, suas culturas, seus modos de vida, seus bens patrimoniais, etc.) contra a invasão estrangeira, é agredido, agrilhoado e transferido a um presídio localizado numa ilha caribenha, que está bem longe de seus países de origem. Algo não muito diferente passou-se séculos atrás com os africanos que sofriam de banzo (saudade da terra natal), desnutrição e humilhações enquanto eram desterrados em direção ao solo americano para o trabalho escravo.

 

A maioria dos 166 detentos atuais do presídio de Guantánamo são de origem afegã e paquistanesa. Foram aprisionados na missão bélica invasora, ilegítima e unilateral dos Estados Unidos no Oriente Médio por suspeita de ligação com a organização Al Qaeda. Desde que chegaram a Guantánamo, não se lhes tem dado nenhuma garantia de quanto tempo permanecerão encarcerados e em que situação.

 

Em meados de maio de 2013, 100 destes 166 presidiários cumpriram 100 dias fazendo greve de fome em protesto aos abusos, maus-tratos, condições insalubres das instalações, roubo de seus pertences por carcereiros e atos de desprezo do Alcorão (livro sagrado dos muçulmanos) por soldados EUAnos.

 

O presídio de Guantánamo (Guantanamo Bay Detention Camp, que contém os espaços Camp Delta, Camp Iguana e Camp X-Ray de tortura a asiáticos) construiu-se numa base militar dos Estados Unidos no sudeste de Cuba. Projetou-se como um espaço de detenção temporária, embora tenha tomado outro rumo. Lá foram levados, noutros períodos históricos, detentos de origem japonesa e vietnamita, quase todos após guerras (respectivamente II Guerra "Mundial" e Guerra do Vietnã).

 

O governo da ilha ofende-se pela presença militar EUAna em seu quintal, cuja porção territorial de 116 quilômetros quadrados foi tomada pelos Estados Unidos em 1903 - em acordo com o governo cubano daquela época - para fins de exploração mineira e naval. A posse EUAna da Baía de Guantánamo é uma herança pré-Revolução Cubana que levou à patrulha ostensiva da área a partir de início da década de 1960 e à proibição de soldados EUAnos de cruzar o limite com Cuba.

 

Algo sério está passando na Baía de Guantánamo e a greve de fome dos encarcerados tenta despertar atenção mundial sobre o tema. Nas vizinhanças de praias caribenhas paradisíacas, ecoa o martírio de 166 enjaulados por um país em desacordo com normas internacionais. Estão lá sem terem sido competentemente julgados e sentenciados por uma corte legítima. Há um desequilíbrio de forças nas relações internacionais que mantém a impunidade dos atos unilaterais e silencia os mais fracos.

 

América Latina é uma região de contrastes. A Marinha EUAna intensificou a patrulha da costa da Flórida, aonde milhares de cubanos chegavam em embarcações precárias e superlotadas para tentar a vida nos Estados Unidos. Poucos obtinham êxito. A distância das águas entre Flórida e Cuba, para eles, era menor que a dos desertos escaldantes na fronteira entre Estados Unidos e México.

 

Instituições que se inspiram no modelo de direitos humanos do Velho Continente, da Organização das Nações Unidas e da União de Nações Sul-Americanas são as que mais pressionam a favor do fechamento do presídio de Guantánamo. Elas reivindicam que somente a transferência dos detentos a outro presídio não é garantia de resolução dos problemas que instituições como a Cruz Vermelha Internacional reconheceram. Algumas delas tiraram suas conclusões após visita de seus profissionais e técnicos a Guantánamo.

 

Embora uma das promessas da primeira campanha do presidente EUAno Barack Obama tenha sido o fechamento do presídio de Guantánamo, o espaço continua funcionando normalmente. Uma medida paliativa que muitos esperavam era pelo menos a transferência dos detentos a outros cárceres, mas isto tampouco ocorreu. A entrada dos presidiários de Guantánamo ao território estadunidense poderá prescindir de visto, mas eles continuarão espiando o mundo por uma janela que é pior que a maior parte dos programas da televisão sempre que esta é vista como janela para o mundo.



http://www.brunoperon.com.br

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Einstein
Bassani
Banner emprego
Banner Mirante
Banner pedrão 2018
Rose Bueno Acessórios
Banner violência se limite