banner dengue SMI

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
CHAPEUZINHO E A LOBOMANIA
  Data/Hora: 24.jun.2013 - 9h 24 - Colunista: Bruno Peron  
 
 
clique para ampliar

Bruno Peron – Tudo indica que os brasileiros reescrevem o capítulo da malversação de dinheiro público que causa prurido na enciclopédia da democracia no Brasil. Em sua sociedade altamente patriarcal e de troca de favores, o sistema equilibra-se através de um pacto que institucionaliza a corrupção, justifica o acúmulo de riquezas e prorroga qualquer forma de protesto. Esta via de manifestação não é a favorita dos brasileiros, que preferem a resignação e a zombaria, porém a mobilização de junho de 2013 traz uma lição de democracia para o país. Descobrimos que, quando provocados até o limite, a nossa fera interior fica indomável.

 

Os protestos que soergueram o Brasil em uníssono compõem as linhas de um novo capítulo na história da democracia e dos movimentos sociais na América do Sul. Seus irmãos próximos são a luta pela reforma educativa no Chile e a continuidade dos avanços sociais na Venezuela. O fator em comum é que o povo cansou das vias tradicionais de luta política: obrigatoriedade das eleições, crença nos partidos políticos e conformidade com a imprensa hegemônica. Os brasileiros organizaram-se nas redes sociais da Internet e foram às ruas.

 

A aparência de ingenuidade acendeu a labareda da carência profunda dos brasileiros.

 

A particularidade dos protestos no Brasil é que seus Lobos Maus deixaram cair moedas no valor total de R$ 0,20 no caminho à casa da Vovozinha. É a pista. Pensaram que R$ 0,20 não fizessem diferença. Mas Chapeuzinho coletou-as "pela estrada afora" que seguiu sozinha e começou a desconfiar da muito boa vontade do Lobo Mau de indicar-lhe um caminho alternativo. Embora estas moedas não prejudiquem o orçamento do Lobo Mau, elas moveram todo o país a cobrar-lhe prestação de outras contas. Caiu a ficha dos brasileiros.

 

Depois de uma jornada longa, Chapeuzinho bate na porta da casa da Vozozinha. Até então, tudo parecia normal. A Vovozinha espera sua neta, Chapeuzinho entra e faz algumas perguntas. A Vovozinha responde que seus olhos grandes são para enxergá-la melhor. Em seguida, a Vovozinha retruca que suas orelhas grandes são para escutá-la melhor.

 

E assim as Prefeituras baixam as tarifas de ônibus, legisladores prometem rever seus projetos polêmicos de lei, a presidente Dilma propõe um pacto com os governadores dos estados para atender as reivindicações populares, gestores da Copa das Confederações hesitam sobre a continuidade ou não dos jogos, e a imprensa mundial revê sua posição sobre o Brasil "emergente". A culpa não é só de uma pessoa senão de uma matilha de Lobos Maus que corrompem a esperança dos brasileiros. O povo para as ruas em todo o Brasil. Só assim.

 

Outra particularidade dos protestos no Brasil é a sensação generalizada de que todos têm alguma reivindicação e, portanto, seu caráter apartidário e inclusivo. Todo brasileiro - inclusive integrantes da Polícia Militar que se escondem atrás dos escudos - sente-se parte dos protestos independentemente de qual foi seu candidato nas eleições últimas e dos transtornos que enfrenta (como o atraso em voos de Cumbica devido ao fechamento das avenidas em Guarulhos, a queima de pneus em Brasília e o saque de lojas no Rio de Janeiro).

 

A cultura política do brasileiro revela que a desconfiança acumulou até a paciência estourar numa manifestação autêntica de seus direitos democráticos. Esta rajada de reivindicações em todo o país orgulha o ser brasileiro malgrado os desvios minoritários de conduta que maculam os protestos, praticam a violência e destroem patrimônios públicos e privados. Estes não fazem mais que dificultar a tarefa dos lutadores dignos da democracia no país.

 

No entanto, só o enaltecimento da democracia não atende a demanda dos brasileiros. Os governos municipais concentraram suas medidas na redução das tarifas de ônibus, o governo federal enfatizou o avanço democrático e a televisão focalizou os atos de vandalismo. É preciso tomar cuidado para que nenhuma bandeira sectária se alce destes protestos. Não desviemos o rumo das mudanças vindouras. Não queremos só o almoço porque, mais tarde, teremos que jantar. Tampouco queremos que o governo nos faça aquilo que depende de nós.

 

Os brasileiros despertam-se depois de perguntar ao Lobo Mau para que serve sua boca.

Solicitamos uma prestação de contas sobre a estrada ínvia que o Lobo Mau nos sugeriu.



http://www.brunoperon.com.br

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner violência se limite
Banner emprego
Banner Mirante
Banner pedrão 2018
Banner Einstein
Rose Bueno Acessórios
Bassani