Banner dengue 2021

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
VAGIDO DE UM PAÍS PÓS-DEMOCRÁTICO
  Data/Hora: 15.jul.2013 - 5h 54 - Colunista: Bruno Peron  
 
 
clique para ampliar

Bruno Peron – Os protestos no Brasil têm mais a ver com o subdesenvolvimento da meia-cidadania dos brasileiros que com o sobredesenvolvimento das instituições democráticas. O que entendemos como avanços democráticos (ou falta de democracia, nalgumas situações) tem menos a ver com este regime político (a democracia) e mais com a estagnação de nossa formação cidadã.

 

Isto se deve a que temos dificuldades ingentes no uso dos canais institucionais que o regime político democrático nos oferece. Destarte, o grito do "gigante" que "acorda" é uma alusão ao reconhecimento dos direitos e deveres dos cidadãos através dos canais democráticos existentes. No entanto, há divergências entre os que dirigem o "gigante" e os que estão no banco de passageiros. A proposta mais ambiciosa do governo é a reforma política, enquanto os manifestantes organizam-se para uma revolução social.

 

Assim, a presidente Dilma Rousseff cogitou um plebiscito para repartir o banquete do poder com o povo. Esta intenção super-democrática logo se arrefeceu pelo freio do Congresso Nacional, que não o proporá para votação popular antes das eleições de 2014. O calor das revoltas, contudo, perturba a presidente Dilma e os governadores dos estados onde se bloqueiam rodovias e se pratica a violência. Eles não querem nenhum ato que prejudique quem não protesta. Portanto, o direito de protesto entra em conflito com o de ir e vir. Para citar um exemplo, manifestantes queimaram todas as cabines de pedágio da rodovia de Cosmópolis (interior de São Paulo) que está sob concessão.

 

O impacto nacional e global dos protestos, a pressa parlamentar de tomar decisões e a reviravolta na imagem exterior do Brasil contribuem para uma reflexão sobre o papel dos cidadãos nas instituições. Até meados de junho de 2013, acreditou-se na sobrevalorização dos modelos institucionais de nossa democracia. Este é um efeito psicossocial que os brasileiros herdaram das lutas pelas Diretas Já e da sensação de liberdade devido ao incentivo ao consumismo.

 

Porém, o mapeamento dos protestos dá resultados surpreendentes para os que depositaram sua confiança unicamente no cofre da democracia. A sucessão de eventos de junho e julho de 2013 desperta a população e não o país.

 

Não é o país que se levanta porque quem está fora - e observa os cartazes contra a Copa e os políticos de modo geral - nota a mácula da imagem de Brasil emergente e paraíso de oportunidades. Enquanto isto, nem todos os que estão dentro compartilham uma luta anti-sistêmica (por exemplo: o pedido de ciclovias para incentivar as pedaladas, e a crítica aos termos do Ato Médico).

 

Portanto, a população brasileira brinca com o quebra-cabeça da democracia e procura canais através dos quais erupte o fogo que arde dentro de cada um. Este efeito pirotécnico tem nos meios de comunicação seu maior amparo intelectual, embora o extintor que eles usam tem dono e prazo de validade.

 

Aconteceu um pouco daquilo que eu esperava. Os manifestantes perderam gradualmente o controle da situação. Do mesmo jeito que tudo começou pelos meios de comunicação (redes sociais da Internet com sede na Califórnia), tudo tende a terminar pelos meios de comunicação através das denúncias de espionagem EUAna no Brasil. Os olhos do Tio Sam não piscam uma só vez.

 

Ainda bem que o subsolo brasileiro é generoso porque, só assim, os ministros e os parlamentares discutem se melhoram ou não a educação e a saúde. Aloízio Mercadante - Ministro da Educação - defende a divisão dos royalties do petróleo da Bacia de Santos em 75% para a educação e 25% para a saúde. Do contrário, teríamos mais um ponto favorável aos Brasileiros pocotó que Luciano Pires lamenta. A divisão de bonificações que vêm da exploração do petróleo é a forma mais recente como se discute a entrega deste nosso recurso natural.

 

A fumaça dos ânimos que se acalmam pelos extintores dos meios de comunicação é a ferramenta que a população possui neste país pós-democrático. Enquanto quase sempre botamos a culpa das desgraças no outro, pouco fazemos para desenvolver uma sensibilidade política que efetivamente transforme o país num lugar justo e bom para todos. Portanto, os protestos trazem mais uma chance de juntar os escombros para um recomeço feliz.

 

Assim espero que a greve sindicalista de 11 de julho tenha contribuído para as lutas gerais dos brasileiros. Neste episódio, trabalhadores de vários setores (bancos, construção civil, magistério, metalurgia, servidores públicos, transporte, etc.) uniram-se para reivindicar algo mais que aumento salarial.

 

O grito das massas nas ruas enseja o vagido de um país pós-democrático.



http://www.brunoperon.com.br

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Einstein
Banner pedrão 2018
Banner violência se limite
Banner Mirante
Bassani
Banner emprego
Rose Bueno Acessórios