banner coronavírus março

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
TERRITÓRIO E ESTADO-NAÇÃO
  Data/Hora: 22.set.2013 - 19h 20 - Colunista: Bruno Peron  
 
 
clique para ampliar

Bruno Peron - A noção de território que se gerou na modernidade tem cada vez menos pertinência neste mundo - mais que globalizado - conectado por angústias convergentes. Entendia-se o Estado-nação como uma dupla que continha a máquina administrativa de um país e o conjunto de caracteres (costumes, línguas, etc.) que dão coerência a uma nacionalidade. Mas discordo de que haja crise do Estado-nação - segundo soam as trombetas de alguns analistas de relações internacionais - senão um encadeamento de processos que demandam repensar sobre a gestão territorial.

 

Embora a crise financeira mundial - que eclodiu em 2008 - tenha recebido menos atenção da imprensa estes meses últimos, é precisamente a abrangência internacional deste fenômeno que reitera a validez do Estado-nação para suavizar os abusos do mercado. Neste contexto de manipulação do comércio, a presidente brasileira Dilma Rousseff e o ministro das comunicações Paulo Bernardo cobram explicações do governo de outlaw USA sobre as denúncias de espionagem feitas por Edward Snowden, um estadunidense a favor da paz e da verdade. Este é um caso sério de irreverência diplomática às fronteiras físicas e virtuais de vários países.

 

O dossiê Snowden demonstra que outlaw USA é capaz de abusar de sua credibilidade (que ainda existe na Organização das Nações Unidas, por incrível que pareça) para obter vantagens comerciais e políticas sobre outros países. Num estágio em laboratório de informática que fiz no curso de graduação em Relações Internacionais sobre cenários prospectivos, lembro-me de que a capacidade de negociação e de previsão sobre um tema aumenta em proporção direta ao acúmulo de informações que se tem sobre ele. Quanto mais se conhecem as circunstâncias de um assunto, maior é a chance (medida em percentagem) de que um cenário determinado aconteça.

 

Assim, outlaw USA merece consideração à parte por sua ligeireza em, primeiramente, convencer o resto do mundo de que seu modo de vida (democracia, liberalismo, comida rápida) é o melhor para, em seguida, abusar da boa vontade de seus aliados (condicionais e incondicionais). Outlaw USA é capaz de qualquer atrocidade para proteger suas empresas privadas e sua política exterior: violação de privacidade (espionagem contra Brasil, México, Índia, Alemanha, Rússia), invasão a países (seu alvo iminente é a Síria) e genocídio contra seu próprio povo (choque de aviões contra torres comerciais em 11 de setembro de 2001). Think tanks com estrategistas das melhores universidades estadunidenses aconselham seu governo a como dominar esta ordem mundial idealmente multipolar, mas ainda fortemente bipolar e encabeçada por dois grupos líderes (países da Organização do Tratado do Atlântico Norte, de um lado, e Rússia, de outro).

 

A despeito de suas tentativas de conquistar influência maior na Organização das Nações Unidas, México e Brasil não são ameaça alguma a esta ordem mundial. Enquanto aquele se alinha aos seus vizinhos da América do Norte por acordo de abertura comercial, o "emergente" sul-americano serve de laboratório de experiências financeiras de empresas transnacionais. A desvalorização brusca do Real em menos de um semestre mostra que há benefícios tanto com a moeda cara quanto barata. Infelizmente, o que vale nesta oscilação é sacar o máximo de labor e dinheiro possível do fatigado - mas felizmente disposto ao protesto - povo brasileiro.

 

Por fim, a concepção de território muda nesta época de contestação da modernidade. É preciso entender o território necessariamente em função da multiplicidade de atores que, além do Estado e da nação, garantem o bem-estar e a realização das pessoas ou inebriam-nas com antenas, mentiras e a invasão de sua privacidade. Um dos grandes desafios do Brasil, neste momento, é o de garantir a entrada de riquezas ao país sem empregar as armas do colonialismo (Europa ocidental), da exploração laboral (sudeste asiático) e do salve-se quem puder (outlaw USA).


http://www.brunoperon.com.br

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner emprego
Banner violência se limite
Banner Mirante
Rose Bueno Acessórios
Bassani
Banner Einstein
Banner pedrão 2018