Banner março Itaipulândia

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Instintos da espécie humana
  Data/Hora: 28.abr.2014 - 14h 41 - Colunista: Bruno Peron  
 
 
clique para ampliar

Bruno Peron

 

Nas linhas seguintes, proponho duas interpretações sobre a espécie humana: 1) eu desafio o status privilegiado que nos diferencia de outras espécies animais como seres dotados de inteligência e razão; 2) argumento que algumas atividades humanas nos situam abaixo de outros animais e caracterizam nosso papel colonizador-predatório na Terra.

 

Antes de desenvolver estas ideias, cujo conteúdo é um tanto desafiador para uma espécie que há poucos séculos acreditou que fosse a mais importante a habitar o planeta central do universo, exponho a definição de animal que encontrei num dicionário. De três acepções listadas, parafraseio a primeira que o situa como um ser vivo que tem células múltiplas, alimenta-se de outros seres vivos, tem capacidade de movimento e responde a estímulos. Até este ponto, tal definição cabe a uma infinidade de criaturas, inclusive humanas.

 

Porém meu questionamento diz respeito à segunda acepção de animal de acordo com o dicionário. Ela define-o como um ser irracional e que, por isso, opõe-se ao homem.

 

De acordo com esta linha que diferencia os seres humanos de outros animais, de fato contamos com atributos mais sofisticados (a razão) e mais complexos (a inteligência) que neles. Quantos exemplos temos de criação e manipulação de técnicas para facilitar nossa sobrevivência! O desequilíbrio entre o uso de instinto e de inteligência é o que dá à espécie humana um ar de superioridade no reino das coisas vivas deste planeta.

 

Entretanto, há que levar em conta que instinto é também um tipo de inteligência pelo qual os animais (incluindo-nos, de acordo com meu argumento) satisfazem suas necessidades de sobrevivência. O ser humano possui resquícios desta inteligência rudimentar quando suas paixões, vícios e más inclinações prevalecem sobre suas virtudes.

 

Deste modo, temos um clima de animalização do ser humano e de humanização dos outros animais, se tomarmo-nos como parâmetro para comparação. Isto significa que nosso instinto de preservação faz-nos cobiçar, invejar e matar seres da mesma espécie quando não houver impedimentos normativos (as leis, as morais, os costumes); frequentemente a razão se põe de lado para que humanos saciem seus apetites carnais.

 

Noutro relato, menciono que a organização laboral das abelhas e das formigas nos dá exemplos que nosso orgulho nos impede de observar, enquanto cachorros muitas vezes são de fato “o melhor amigo do homem” devido à sua companhia e fidelidade.

 

Estamos, assim, abaixo de outros animais no uso de nossa inteligência instintiva. Portanto, não somos uma espécie privilegiada, ainda que façamos uso da razão.

 

A segunda interpretação que gostaria de propor sobre a espécie humana é de que temos exercido um papel colonizador-predatório na Terra. E há os que já estão de olho na possibilidade de viver em estações espaciais, na Lua e em Marte.

 

Junto da pretensão de superioridade da espécie humana sobre os outros animais, há também um desejo frenético de controle, expansão e exploração. A história da humanidade tem exemplos de impérios influentes, de diásporas e migrações entre continentes, e de construção de estações científicas no Polo Norte e na Antártica.

 

O ser humano é sedento de território (daí a origem da globalização através das conquistas de além-mar), ainda que não possa estar de corpo em todos os lugares que conquista. É notável, porém, que temos escravizado as outras espécies para saciar nossas necessidades e temos construído abundâncias que põem o planeta em risco de extinção.

 

Está sempre conosco a decisão sobre se queremos aprimorar nossa inteligência ou disseminar no lodo da Terra os elementos de nossos instintos rudimentares.

 

http://www.brunoperon.com.br

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner a dieta perfeita
Otica PetriU
Banner militares
Banner Bertold Brecher
Banner pedrão 2018
Bassani
Banner brasil
Banner Psicologia
Banner Mães Fortes
Banner guilherme almeida