Banner Campanha maio de 2019

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Achamos que não é conosco
  Data/Hora: 16.jun.2014 - 10h 28 - Colunista: Bruno Peron  
 
 
clique para ampliar

Bruno Peron

 

Algumas bocas sinceras dizem que um dos motivos pelos quais Estados Unidos não ratificou o Protocolo de Quioto (que prescreve metas de redução de gases que prejudicam o meio ambiente) é o receio de entravar alguns setores de sua economia. Talvez se refiram às indústrias estadunidenses que poluem o ar, a água e o solo. Por analogia, é possível deduzir que o Brasil só não acaba com o desmatamento de uma vez por causa da expansão descontrolada da agricultura e da pecuária no interior.

No entanto, a Organização das Nações Unidas (ONU) declarou recentemente que tais setores agrícolas e pecuários no Brasil encontraram maneiras de prosperar sem desmatar. Este ritmo de sustentabilidade une-se ao elogio da ONU, durante uma reunião sobre mudanças climáticas em 5 de junho de 2014, aos esforços do Brasil no combate ao desmatamento e na redução da emissão de gases que causam efeito estufa.

O Brasil é um caso emblemático para a ONU devido à extensão territorial colossal da Amazônia e do papel “emergente” que algumas lideranças brasileiras creem que o país tem nas relações internacionais. A ONU comparou o caso do Brasil com os de países africanos, asiáticos e sul-americanos.

É verdade que algumas situações de desmatamento se devem a mudanças climáticas que prolongam o período de secas. No Brasil, porém, está claro que nosso desmatamento tem origem num modelo de desenvolvimento econômico corrosivo e predador. Sustentabilidade é uma roupa nova que esconde um corpo sujo. Desse modo, os que mais falam de sustentabilidade são os que menos fazem para conquistá-la.

O pronunciamento da ONU de que a intensidade do desmatamento tem diminuído no Brasil é alentador, mas digo que o cenário ambiental ainda é preocupantemente grave neste país. Matas extensas transformam-se em glebas para agricultura e pastos para pecuária. Mas não num passe de mágica. Logo, a diminuição do ritmo de desmatamento não é um convite à comemoração porque árvores continuam sendo derrubadas.

Não há dúvida de que duas medidas governamentais têm tido efeitos positivos: demarcação de terras de proteção ambiental e punição a empresas que desmatam para explorar tais áreas. As advertências, leis e medidas do governo fortalecem-se, mas dependem também do consentimento de empreendedores e neo-bandeirantes.

É necessário que os brasileiros nos desenvolvamos com todo respeito à natureza e ao próximo. E não é só porque a ONU se pronunciou ou pela mensagem de outro organismo internacional que o Brasil segue nos Twits do desenvolvimento. Basta observar que mais tiramos que repomos, poucas cidades brasileiras têm planos de reciclagem de lixo, e nossas metrópoles expandem-se com pouca arborização.

Temos assim santuários florestais virgens, de um lado, e zonas urbanas sedentas de expansão descontrolada, de outro. O encontro entre estas duas entidades (a natural e a humana), cedo ou tarde, ocorre através de uma sustentabilidade fraudulenta.

Por fim, aproveito para finalizar este artigo recordando ao leitor que o Brasil se impõe metas ambiciosas. Uma delas é a de reduzir o desmatamento em 80% nos próximos seis anos. As florestas suspiram de alívio. A ONU regozija-se. Agricultores e pecuaristas são lançados contra a parede. E nós meio-cidadãos achamos que não é conosco.

 

http://www.brunoperon.com.br

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Rose Bueno Acessórios
Banner Teori
Banner brasil
Banner a dieta perfeita
Banner Notre Dame
Otica PetriU
Banner militares
Banner guilherme almeida
Banner Mães Fortes
Banner Bertold Brecher