Lindas Reflexões

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Estudo realizado com 12.000 mulheres mostra que 11% dos homens não assume a paternidade no Brasil
  Data/Hora: 31.jul.2017 - 14h 44 - Categoria: Brasil  
 
 
clique para ampliar

Na região Sul, a taxa de rejeição é a menor, com 7% e maior na região Norte, com 16%

 

De quem é a responsabilidade do cuidado com os filhos? Ainda por influência patriarcal e machista, a resposta da maioria da população a essa pergunta será: da mulher. Mas essa visão em relação aos cuidados com as crianças tem sido discutida com foco em desconstrução de preconceitos nas últimas duas décadas, por esse motivo, tem se falado tanto em paternidade e na importância desse papel social na mesma medida que a maternidade no Brasil.

 

Em novembro de 2016, foi lançado o primeiro relatório Situação da Paternidade no Brasil pelo Promundo, o foco era reunir os principais estudos realizados nas últimas duas décadas para expor as evidências do impacto positivo do envolvimento do homem no papel do cuidado, principalmente no que se refere à saúde materno-infantil. Apesar de estudos significativos sobre o assunto, não há dados concretos sobre a situação da paternidade no Brasil.

 

 

Este relatório visa promover a discussão de que quando o público masculino se responsabiliza de forma igualitária pelo trabalho doméstico e de cuidado não-remunerado, abre espaço para que as mulheres possam desenvolver seu papel profissional, que de acordo com dados de 2012 do Banco Mundial, representa 40% da força de trabalho no mundo.

 

Paternidade com a mesma importância da maternidade

 

A flexibilização de horário, os momentos para a amamentação, consultas pré-natal, comparecimento em consultas médicas, entre outros, estão entre as ações que precisam ser adotadas pelos empregadores/as, mas o mais importante é que essas ações também compreendam o público masculino para que o cuidado com os filhos possa ser compartilhado com as mulheres.

 

A Pesquisa Gravidez Indesejada no Brasil – Estatísticas, Motivos e Consequências, realizada pelo portal Trocando Fraldas com 12.000 brasileiras mostra que em casos de gravidez não-planejada, 11% dos pais não assumiram a paternidade. Na região Sul, a taxa de rejeição é a menor, com 7% e maior na região Norte, com 16%.

 

Nos estados Maranhão e Rondônia, com 20% e 19% respectivamente, ocorre maior fuga da responsabilidade paterna. No Rio Grande do Norte e Santa Catarina a taxa de rejeição é a menor, mal chega a 7%.

 

Em São Paulo e Rio de Janeiro, 90% e 91%, respectivamente, os homens assumem a paternidade.

 

A discussão não está encerrada, a abordagem sobre o tema paternidade no Brasil tem ganhado força e já há evidências o bastante de que o cuidado com os filhos não é atividade exclusiva feminina, porque o papel do cuidado e educação não está limitado a apenas um gênero.

 

Fonte

Situação da Paternidade no Brasil. 1ª edição Rio de Janeiro. Instituto Promundo, 2016.

 

Att

 

--

Daiana Barasa - Assessora de Comunicação 
(11) 98799-8426/Skype: daiana.barasa

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Alquimia
Auditoria da Dívida Publica
Cerâmica Zanoni
Banner esporte é vida
comercial advogado
Transmorgan
Laticinios
Rose Bueno Acessórios
Banner pedrão
Pesqueiro das Irmãs