Banner Hospital Mãe de Deus novo

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Itaipu e Estado vão adotar ações do Cultivando Água Boa no Rio Iguaçu
  Data/Hora: 9.ago.2017 - 6h 54 - Categoria: Itaipu Binacional  
 
 
clique para ampliar

Anúncio foi feito nesta terça-feira, 8, em Curitiba

 

Da Assessoria - Metodologia reconhecida mundialmente com o prêmio ONU-Water em reconhecimento ao trabalho socioambiental de recuperação de microbacia desenvolvido pela Itaipu Binacional, o Cultivando Água Boa vai ser adotada também na recuperação do Rio Iguaçu. O anúncio foi feito nesta terça-feira, 8, no gabinete do governador Beto Richa, no Palácio Iguaçu. Numa primeira etapa, 49 municípios lindeiros deverão participar das ações de conscientização ambiental em prol do rio.
Itaipu adota uma política voltada à sustentabilidade, que começa na própria usina e seu entorno e vai além dos limites do seu reservatório. Ela busca incentivar os poderes públicos, a iniciativa privada e a população em geral a utilizarem o que está na natureza com os cuidados que se exige de bens finitos, se mal explorados.

 

O Cultivando Água Boa  é um programa fundamentado em documentos nacionais e planetários que contempla diversas ações socioambientais relacionadas com a conservação dos recursos naturais e da biodiversidade, e com a promoção da qualidade de vida nas comunidades da Bacia Hidrográfica do Paraná 3.

 

Além do governador, da vice-governadora, Cida Borghetti, e do diretor-geral brasileiro de Itaipu, Luiz Fernando Leone Vianna, participaram da solenidade os secretários da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara; da Cultura, João Luiz Fiani; da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, Artagão Júnior; e para Assuntos Estratégicos, Edgar Bueno, os presidentes da Sanepar, Mounir Chaowiche; da Copel, Antonio Guetter; e da Adapar, Ignácio Kroest. Cida Borghetti coordena o comitê de revitalização do rio.



Experiência exemplar

Segundo Richa, a experiência da Itaipu (replicada no Brasil todo e em vários países do mundo) vai ajudar a ampliar o trabalho de educação ambiental nos municípios já desenvolvido em parceria com gestores locais, prefeitos, vereadores e sociedade civil. “Agora a Itaipu também participa desse esforço conjunto em prol da maior bacia hidrográfica do Paraná”, ressaltou.

 

A vice-governadora lembrou que a iniciativa do Governo do Paraná será apresentada no Congresso Mundial de Águas, que acontecerá em março de 2018, em Brasília. “Em breve entregaremos à população do Paraná esse rio limpo, revitalizado e com a recomposição de sua mata ciliar”, disse.

 

Desenvolvido desde 2003 na Bacia do Rio Paraná, onde está instalada a Hidrelétrica de Itaipu, o programa CAB inclui ações como a recuperação de microbacias, proteção das matas ciliares e projetos de educação ambiental que envolvem escolas, ONGs, prefeituras e grupos da sociedade civil.

 

A bacia do Rio Iguaçu é a maior do Paraná, com 1.320 quilômetros de extensão e abrange 113 municípios. Além de ser utilizado para a agricultura, abastecimento de água, o rio é também responsável por 70% da energia gerada pela Copel. “Os cuidados preconizados pelo Cultivando Água Boa podem ser replicados no projeto do Rio Iguaçu. São ações educativas voltadas à conscientização da população com relação ao esgoto e os cuidados com as águas fluviais”, disse o diretor-geral da Itaipu.

 

Para o secretário estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Antonio Carlos Bonetti, a educação ambiental é imprescindível para que a preservação do rio se mantenha ao longo dos anos. “Toda a ação de recuperação é válida, mas precisamos fazer com que as pessoas não contaminem os rios. Precisamos ter a consciência de que toda a conservação é necessária, do solo, das matas e das nascentes, para que rios grandes, como o Iguaçu, não sejam contaminados”.

 

AVANÇOS - Em pouco mais de dois anos, 400 mil mudas de árvores nativas foram plantadas nas três bacias que compõem o rio – Alto, Médio e Baixo Iguaçu. Também foram estabelecidos 600 pontos de monitoramento da qualidade da água ao longo da extensão do rio e recolhidos 500 mil toneladas de lixo do Rio Pequeno, um dos afluentes do Iguaçu, localizado em São José dos Pinhais.

 

Com informações do governo do Estado

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Auditoria da Dívida Publica
Transmorgan
Grandinox
Otica PetriU
Banner lixamento
Banner esporte é vida
Bassani
Pesqueiro das Irmãs
Laticinios
Banner pedrão