Prefeito é suspeito de comprar terras

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Projeto da UNILA usa criatividade como fator de desenvolvimento e renda
  Data/Hora: 9.ago.2017 - 12h 3 - Categoria: Educação  
 
 
clique para ampliar

Da Assessoria - Transformar o resultado do descaminho – produtos apreendidos – em novos caminhos é a proposta de um projeto de pesquisa que está sendo desenvolvido por professores e estudantes da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), em parceria com o Conselho Comunitário da Vila C de Foz do Iguaçu e a Receita Federal. Batizado de “10Caminhos”, o projeto recebeu o reconhecimento não só da comunidade, mas de instituições que incentivam esse tipo de iniciativa. O mais recente é a certificação recebida pelo Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social.


A certificação é uma das etapas da premiação e garante a inclusão do projeto no Banco de Tecnologias Sociais da Fundação. Os finalistas serão anunciados em 15 de agosto. Esse é um passo importante para o coletivo de mulheres que se reúne há cerca de dois anos no Centro Comunitário da Vila C para trocar saberes, pois permite a ampliação das atividades, por meio de parcerias com empresas, e o recebimento de doações de parcela do Imposto de Renda devido por empresas e pessoas físicas.


Design participativo


“O que pretendemos com esse projeto é criar núcleos de design participativo – que são coletivos organizados ou em via de organização – aliados à economia solidária”, explica Karine Queiroz, professora do curso de Arquitetura e Urbanismo da UNILA e coordenadora do projeto. O Coletivo 10Caminhos da Vila C é o primeiro deles. Na criação dos núcleos, professores e estudantes orientam não só a produção, mas a organização formal. “O problema do artesanato nunca é a produção. Há capacidade criativa inconteste e capacidade produtiva. O problema é fazer girar, vender”, diz a docente. “Mais do que tudo a iniciativa prioriza o empoderamento feminino através da potencialização da capacidade criativa e do saber local”, completa.


 

A criação aliada à economia solidária transforma-se também em fonte de renda, com o estabelecimento de relações produtivas pela e na comunidade. “É um modo de trabalhar e sair da crise. É importante ter ambições porque isso cria nas pessoas desejo de sair do lugar”, afirma a professora.


A condição para as doações feitas pela Receita Federal é a descaracterização dos produtos. Um relógio não pode ser vendido como relógio, tem de ser transformado. No Coletivo 10Caminhos, esses produtos são base para pulseiras, colares, brincos. De acordo com Karine, a descaracterização do produto e sua transformação em outros geram ocupação, renda, impostos que ficam na cidade e estimulam a economia local. “Saímos de uma economia social, que é a da caridade e tem um relação vertical, para uma economia solidária, que é horizontal. O paradigma da economia social é o desperdício, o da economia solidária é a criatividade.”


 

O projeto, que começou com uma parceria importante com a Receita Federal, hoje também recebe doações de materiais dos projetos Ñandeva e do Parque Tecnológico Itaipu (PTI).


Vínculos


Na Vila C, bairro localizado entre duas unidades acadêmicas da UNILA (PTI e Jardim Universitário), a ação envolve um grupo de costureiras que se reúne no prédio do Conselho Comunitário, onde há 19 máquinas de costura em operação e um espaço para a criação e produção. “Eu buscava tentar ajudar no que eu sei e aprender o que os outros sabem. Para mim está sendo muito bom porque conheci novas pessoas, fiz novas amizades. Fazer crochê, criar coisas. Isso é muito bom. Minhas ideias vão lá longe”, diz Maria Aparecida de Oliveira, resumindo a opinião do grupo, formado ainda por Maria Pereira da Silva, Leonice Menger, Noeli Locks e Kelly Baldessar. “Cada dia que passa a gente inventa uma coisa. Qualquer bolso de uma roupa que você criar diferente, qualquer bolsinha de crochê ou malha, pra gente é maravilhoso.”


Karine destaca o que ela chama de característica mais importante da Vila C: um bairro criativo. “A Vila C é  território do saber fazer. Tem costureiras, bordadeiras, tricoteiras, sapateiros, marceneiros. Existe muito potencial humano aqui”, comenta, explicando que o projeto busca, em longo prazo, transformar o local no primeiro distrito criativo da Tríplice Fronteira.


Numa região com três países e diferenças culturais riquíssimas, a ideia é sensibilizar as pessoas para as possibilidades de trabalho com objetos que antes seriam destruídos e iriam para o lixo. “É um espaço de caça-talentos não só de iniciação às noções de design e novas tecnologias, mas de pessoas que se autodescobrem nesses processos”, explica a docente.


Uma etapa fundamental no processo de criação foram as oficinas de ecodesign ministradas pela professora Celine Veríssimo, também do curso de Arquitetura e Urbanismo da UNILA. “A ideia é mostrar que há outras possibilidades para além do design de elite, [cujas peças] vão para o mercado com preços altíssimos. Entendemos com essa ideia que qualquer um pode ser um designer artesão”, comenta Celine.


Depois das oficinas, o grupo participou de um “passeio criativo” para a observação de elementos característicos da cidade. Desse passeio saiu o “fio condutor” para as peças a serem produzidas: as cataratas, a produção e transmissão de energia e a terra vermelha. Foi com base nessa experiência que a coleção “Força das Águas” ganhou cores e padrões.


No grupo, uma ensina a outra e, de orientação em orientação, de conversa em conversa, elas vão transformando pedaços de muitos materiais apreendidos em um exemplar único, exclusivo, e vão aprendendo que podem gerir um negócio, crescer, agregar conhecimento. E vão criando vínculos. “Artesanato não é só produção de renda. É produção de relações, possibilidade de bem viver. O que a gente produz mesmo é bem viver. Existe um aspecto mais alargado de economia dentro do artesanato que é a possibilidade de participação em feiras, de viajar e conhecer outros grupos. Isso é uma economia que conta. Não é só a renda gerada, mas as experiências geradas. Isso é um retorno que tem que ser economicamente mensurado.” afirma Karine.


Festival


Uma parte dos produtos desenvolvidos até agora poderão ser vistos e adquiridos no dia 12 de agosto, quando acontece o 1º Festival Comunitário da Vila C. O evento, que terá ainda apresentações culturais e comidas típicas, entre outras atrações, será realizado no Centro Comunitário da Vila C (Rua Vila Velha, 63), das 16h às 22h.

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner lixamento
Transmorgan
Bassani
Alquimia
Banner pedrão
Rose Bueno Acessórios
Grandinox
Otica PetriU
comercial advogado
Pesqueiro das Irmãs