Banner Agenda

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
A Festa da Tradição e o nosso desejo de vê-la incluída no Calendário Universal do Turismo como a Indústria do Mundo que não polui – mas une, congrega e dinamiza...
  Data/Hora: 23.set.2017 - 9h 57 - Categoria: São Miguel do Iguaçu  
 
 
clique para ampliar

A própria palavra “Tradição”, já diz: “olhar para o passado e com ele fazer uma transição para o futuro”. E quanto maior e melhor isto for feito, é possível num futuro próximo transformar esse evento numa espécie de Cartão Postal do Município que pode ser referenciado não só a nível regional, como também, á nível estadual e nacional. Sem contar que neste espaço de tempo a cultura está sendo valorizada e trabalhada numa outra direção.

 

Confesso que não assisti à sua abertura – mas, mesmo sem precisar sair de casa, ouvi os pronunciamentos e todas as referências ao evento, que por sinal, até prova contrária, vem demonstrando organização e uma boa presença de público. (foto: site da prefeitura)

 

Não fui à abertura por dois motivos pontuais – um deles, inconfessável nesta matéria, tendo em vista que o espírito aqui é valorizar, conclamar, aglutinar forças que possam nos levar ao Progresso e ao Desenvolvimento que essa juventude que aí está deseja e almeja – geração de emprego e renda – qualidade de vida – crescimento econômico e social.

 

O segundo é virtuoso, tendo em vista que estamos vivendo um momento delicadíssimo na Esfera Global. A ganância e a prepotência de várias nações que se dizem civilizadas foi tanta que a própria vida sobre a face da Terra está correndo perigo.

 

Podemos firmar sem sombra de dúvida - que ainda não sucumbimos planetariamente porque as emanações vibracionais mentais/espirituais de poderosas mentes onipresentes e transcendentes que mantem uma ligação direta entre a Criatura e o Criador estão intercedendo por nós diuturnamente.

 

Energias do BEM que precisam do nosso impulso diário através de meditação e oração – EDUCAÇÃO E COMPANHEIRÍSMO.  

 

Alguém poderia dizer: o que é que apenas um SER humano pode fazer diante do caos que hoje se encontra grande parte da humanidade?

 

Sim! Como dizia Emerson:  “é comum ouvirmos falar que somos insignificantes, como é ínfima a parte que desempenhamos neste mundo, como somos infinitesimais no conjunto do universo. Isso é tão comum, que já nem damos atenção ao fato, nem analisamos mais acuradamente ao real significado dessas palavras”.

 

E continua: “Há uma mente comum a todos os homens”. Trata-se de uma referência a essa Força Universal e ao fato de que existe uma gigantesca Inteligência Universal, comum a todos os homens e disponível, também, a todos.

 

Que Força é essa? Aliás, o próprio Mestre dos mestres na sua rápida passagem por este Planeta há mais de 2000 anos já fazia referência a ela: “O meu propósito, tem sido o de mostrar a maneira de viver em harmonia com as Leis da Existência para ajudar a evitar a dor desnecessária, as limitações e privações causadas por sua ignorância das Leis. Esteja disponível para dar e saiba que enquanto dá, você se torna parte do sistema de “dar e receber” do universo inteiro.”.  

 

Faço essa introdução antes de entrar propriamente no espírito da matéria sobre a Festa da Tradição, para demonstrar e reafirmar a nossa importância como um todo - todas as pessoas constitui uma parte muito importante no esquema das coisas e na solução dos nossos problemas. “Embora a estatura física de uma pessoa seja pequena em relação ao espaço que ocupa no universo, ela é uma parte extremamente importante da vida”.

 

FESTA DA TRADIÇÃO...

 

Segundo os números divulgado pela Organização, cerca de 10 mil pessoas passaram pelos estandes, praça de alimentação, parque de diversão e prestigiaram o show de abertura com a dupla sertaneja Gilberto e Gilmar. (foto: site Prefeitura Municipal)

 

Entre os presentes na solenidade de abertura o Prefeito Municipal, Claudio Dutra, vice-prefeito, Albino Bissolotti, Deputado Estadual, Elio Rusch, Presidente da ACISMI, Danielli Viola, secretários, vereadores, diretoria da associação, além de todos os representantes dos patrocinadores oficiais da festa. Itaipu Binacional, Lar Cooperativa Agroindustrial, Sicredi, Sanepar, Sicoob, Uniguaçu, Trena Materiais para Construção, Unimed, O Casarão Bebidas, Hospital Madre de Dio, Supermercado Itaipu, Plano Saff, Martelli Materiais para Construção, CHD’S Brasil Ltda, Fazenda Cacic, Rápida do Iguaçu e Planeta Parque.

 

Ontem (23), estivemos visitando-a e foi gratificante ver a alegria e o entusiasmo de visitantes e expositores. Muito embora, é claro, tendo em vista que o nome remete para Festa das Tradições, essa é uma parte que precisa ser trabalhada e melhorada para as próximas edições. (foto: site da prefeitura Municipal)

 

A própria palavra “Tradição”, já diz: “olhar para o passado e com ele fazer uma transição para o futuro”. E quanto maior e melhor isto for feito, é possível num futuro próximo transformar esse evento numa espécie de Cartão Postal do Município que pode ser referenciado não só a nível regional, como também, á nível estadual e nacional. Sem contar que neste espaço de tempo a cultura estará sendo valorizada e trabalhada numa outra direção.

 

Outro fator que deve ser levado em conta pela Organização é a questão data. “O ideal seria no início do mês, entre o dia cinco e o dia dez. Esse é um período que as pessoas ainda dispõem de mais recursos, estão mais capitalizadas”, me dizia uma senhora, ressaltando que mesmo assim, estava contente com a divulgação da sua empresa.  

 

A edição de uma Revista, por exemplo, mostrando o que se fez e o que se pretende fazer para o futuro, com circulação nos principais stands de Turismo do país, poderá não só mostrar a nossa cidade, como contribuir de maneira significativa para a grandeza da próxima edição em todos os sentidos.

 

Com uma redação que expresse de forma especial o real significado das celebrações propostas, influencia o leitor a dialogar com a tradição, refletir sobre a sua riqueza e se preparar para a próxima edição.

 

Vale ressaltar que estamos localizados numa região privilegiadíssima - há 40 Km de Foz do Iguaçu, onde temos aeroporto Internacional, as Cataratas do Iguaçu, um dos principais cartões postais do mundo e a Hidrelétrica de Itaipu que além de gerar energia já se incorporou ao Turismo Universal.

 

Outro fato importante é que estamos ao lado de uma região de tríplice fronteira onde vivem mais de Um milhão de pessoas de diversas etnias. Lembro-me que nas primeiras Edições desta Festa da Tradição, nós tínhamos aqui se apresentando, interagindo e dando um colorido especial Grupos de Danças de Foz do Iguaçu, Paraguai e Argentina, entre eles Turcos e Árabes.

 

Mesmo tratando-se de um evento cujo objetivo é ressaltar a amizade e o companheirismo, dinamizar e valorizar o comércio local, na nossa profissão como jornalista, tem certas trombadas que você não tem como não mencionar, principalmente quando isso vem de quem você menos espera.

 

A esse respeito, aliás, uma senhora muito linda por sinal, educada, ética e respeitosa, me dizia esse semana. “O pessoal lá querendo tirar onda de mim por que somos amigos. Eu não misturo as coisas e disse a eles que admiro o teu trabalho e que nessa profissão você é único – tem um estilo todo próprio que eu admiro”.

 

A trombada que eu estava me referindo foi com um repórter que se diz “radialista”, que pelo tempo que exerce essa profissão, deveria se considerar também um jornalista. Estava conversando animadamente com um velho amigo meu de infância, ele chegou do lado e com aquele ar de infiltrado, foi disparando: “E daí já achou algo de ruim na festa para poder falar mal...”

 

Em seguida, vendo que eu não gostei da sua observação, todo sorridente foi nos cumprimentando dizendo: “Como está, tudo bem...” Tive que disparar: “Tirando essa consideração que você tem pela nossa redação, está tudo bem sim”.

 

Esse faz parte da legítima imprensa “chapa branca” que vive bajulando quem o financia e não sabe o que é ter voz própria. Aliás, a esse respeito, devo fazer em breve uma extensa matéria, mostrando a relação promíscua e altamente danosa para o coletivo social que esse tipo de jornalismo tem feito em benefício de uma pequena minoria, em detrimento da maioria.

 

Para ele, o que interessa é o que estão lhe pagando para falar. Pesquisar, olhar o diário oficial e ver, por exemplo, quantos banheiros químicos foram licitados e instalados no evento; enfim, o quanto está se gastando com dinheiro público para a organização do evento, não é trabalho da imprensa.

 

A imprensa no ponto de vista dele, tem que acertar, ganhar e falar aquilo que os patrões que estão lhe pagando mandam e se calar. Esquece o papagaio de pirata que é justamente neste terreno que abundam a corrupção deslavada que hoje está afundando todos os setores; esquece ele que a corrupção é um dos vermes que mais mata pessoas que esperam por um exame na área de saúde, que esperam por uma internação ou uma cirurgia...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Darcy Costa Pinto
Darcy Costa Pinto Tradição também tem uma queda por continuismo. Vez por outra trás o estigma, a prepotência, a dominação e a perpetuação dos vícios sociais que separam, discriminam e estereotipam aos menos favorecidos. A Corte adora a tradição para se perpetrar no poder. Faca de dois " lumes"
"
 
CurtirMostrar mais reações
 · Responder ·   · 16 h
Gerenciar
João da Silva
João da Silva Bem lembrado, mesmo assim, devemos construir rampas e escadas para incluir todos os lados... todos, independentemente de qual etnia pertence, tem suas tradições...
 
CurtirMostrar mais reações
 · Responder · 5 h
Gerenciar
Vilmar Soares
Vilmar Soares um pais só sera soberano quando as classes sociais cumprirem seus papeis na sociedade sem se sentir melhor umas das outras e entendermos o direito de cada cidadão que não e obrigado a concordar com tudo para não ser tachado de descriminador bom dia parabéns pela matéria farol
 
CurtirMostrar mais reações
 · Responder · 5 h
Gerenciar
Onédia Gomes Rodrigues
Onédia Gomes Rodrigues Fui não gostei parabéns pr quem gosta.
 
CurtirMostrar mais reações
 · Responder ·   · 2 h
Gerenciar
Sheila Cardoso Mattiuzzi
Sheila Cardoso Mattiuzzi Também não gostei
 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner pedrão
Pesqueiro das Irmãs
Transmorgan
Laticinios
Auditoria da Dívida Publica
Grandinox
Bassani
Cerâmica Zanoni
Alquimia
Banner Abraços