Lindas Reflexões

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
UNILA participa de movimento nacional em defesa do sistema público de universidades federais
  Data/Hora: 30.nov.2017 - 18h 34 - Categoria: Educação  
 
 
clique para ampliar

As dificuldades financeiras enfrentadas pelas universidades federais, em decorrência dos recentes cortes orçamentários no ensino superior, têm suscitado debates em diversas instâncias - desde o âmbito acadêmico até os altos escalões políticos. Para discutir o assunto, com enfoque especial na proposta orçamentária para 2018 encaminhada pelo governo ao Congresso, os reitores e vice-reitores das 63 universidades federais brasileiras reuniram-se em uma Comissão Geral, com a presença de parlamentares, no dia 21, na Câmara dos Deputados, em Brasília.


 

A vice-reitora da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), Cecília Maria de Morais Machado Angileli, participou da reunião e destacou que a intenção foi de as universidades, unidas, chamarem a atenção para o quanto os cortes orçamentários interferem na autonomia dessas instituições e impactam diretamente não apenas no custeio, mas nas atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão.


 

De acordo com Cecília, a preocupação é geral porque, se de um lado afeta as universidades mais antigas e consolidadas, paralisando uma série de pesquisas e trabalhos já em andamento, fechando espaços e sucateando as estruturas; por outro, para as novas e novíssimas - como é o caso da UNILA -, impede a devida implantação, consolidação e expansão.


 

Para evitar que as universidades federais sofram ainda mais a partir de 2018, os dirigentes estão lutando, então - com o suporte da Andifes -, para reverter a Emenda Constitucional nº 95 (que estabelece um teto para os gastos públicos), e pedir que o orçamento previsto para as instituições federais de ensino superior seja equiparado ao de 2014.


 

 

Conforme a vice-reitora, todas as 63 universidades federais estão unidas neste movimento. “Estamos lutando não apenas pelas universidades individualmente, mas pela defesa do ensino superior público, gratuito e de qualidade”, frisou.


 

Após a reunião na Câmara, elaborou-se, então, um caderno, publicado pela Andifes, intitulado “Universidades Federais - Patrimônio da Sociedade Brasileira”. O material ressalta as contribuições das 63 universidades federais, e seus 328 campi, ao desenvolvimento econômico e social do País, assim como o reconhecimento social da qualidade e da importância do sistema, o histórico do financiamento e os compromissos derivados da política de estado prevista no Plano Nacional de Educação (PNE). O documento pode ser acessado em http://bit.ly/UniversidadesFederais.


 

Foto - Em reunião na Câmara dos Deputados, reitores discutiram o impacto da redução orçamentária nas atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão 

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Alquimia
Banner Abraços
Rose Bueno Acessórios
Banner esporte é vida
Laticinios
comercial advogado
Auditoria da Dívida Publica
Grandinox
Otica PetriU
Bassani