Banner Agenda

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Consulta com o oncologista: saiba como agir
  Data/Hora: 3.jan.2018 - 16h 48 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Entenda porque é importante ser honesto durante consulta com o oncologista

 

Da assessoria - Diante de qualquer suspeita de câncer, o caminho para que um paciente chegue até o tratamento específico é longo. A trajetória engloba idas e vindas às unidades de saúde, suspeitas, consultas, exames, receios, ansiedade e até a dúvida. Afinal, o câncer pode ser difícil de ser identificado e, por este motivo, às vezes só é diagnosticado tardiamente. Por conta disso, quando já se está diante do médico oncologista, existe um processo que deixa de ser um acessório da consulta para se tornar o protagonista: anamnese.

 

Apesar do nome difícil, a anamnese é uma entrevista feita pelo médico a fim de entender todos os pormenores que levaram o paciente a estar ali naquele consultório, naquele momento específico. “A anamnese é essencial para descobrirmos os sintomas que o paciente apresenta, o início e a evolução desses sintomas, o histórico de doenças do paciente e de sua família e descobrir vícios como tabagismo, etilismo ou drogadição, que o paciente apresente atualmente ou já apresentou. Assim, a anamnese é o primeiro passo para poder definir um diagnóstico ou uma suspeita diagnóstica e, a partir disso, delimitar o tratamento”, explica a médica oncologista do Hospital Uopeccan, dra. Mariana Moreira.

 

Na oncologia, a anamnese não é muito diferente daquela que é feita e aplicada em outras especialidades médicas. Porém, é muito importante que o paciente conte tudo o que sente, já que o câncer pode se manifestar por meio de alguns sinais considerados “pequenos” para os pacientes, mas extremamente significativos para os médicos. “Alguns sintomas são sinais de alerta para o médico generalista que o levam a pensar em câncer como uma perda de peso rápida e sem explicação clara; febre persistente há mais de 3 semanas sem doença infecciosa causando; presença de sangue no vômito, nas fezes, na urina ou no escarro; dificuldade para deglutir alimentos; icterícia ("amarelão") persistente; sangramento vaginal em mulher já na menopausa; alterações físicas na mama e aumento do tamanho da barriga rapidamente”, enumera a médica.

 

Estes sinais de alerta, no entanto, podem estar associados a várias outras doenças. Por isso, surge um questionamento importante: ao perceber qualquer sinal como esses que foram citados, quando o paciente deve realmente procurar um médico oncologista? Segundo a doutora Mariana Moreira, este encaminhamento deve vir de outro médico. “Nosso sistema de saúde é dividido em níveis de atendimento. O objetivo é evitar que os hospitais fiquem superlotados de pacientes que não precisariam estar em acompanhamento e pra agilizar o atendimento daqueles que precisam pelo risco de vida inerente. Por isso, a Unidade Básica de Saúde seria o nível primário de atendimento pelo qual o paciente dá entrada ao sistema e será avaliado pelo médico quanto à gravidade do seu quadro e às hipóteses diagnósticas. A partir daí, o médico decide se o tratamento pode ser feito por ele mesmo ou por um especialista, que seria o nível secundário”, esclarece a dra. Mariana.

 

NOME E SOBRENOME

Além de ser uma doença de muitas “caras”, o câncer também tem alguns sinais específicos para ser identificado. Segundo a médica oncologista, não existe fórmula mágica para entender o tumor e seus desdobramentos, mas existe, sim, um fator especial que auxilia os profissionais nesta fase da consulta: a educação em saúde. “O diagnóstico do câncer, assim como de qualquer doença, depende da combinação de queixas do paciente e de sinais achados no exame clínico. A manifestação de cada tipo de câncer depende da biologia molecular do tumor, que produz hormônios para proporcionar seu crescimento e inibir seu ataque pelo sistema de defesa do paciente, do tipo histológico do tumor... Eu brinco que o câncer tem nome e sobrenome assim como as pessoas e essa informação é essencial para o tratamento adequado”, afirma.

 

Nesse sentido, a educação na saúde volta a ser discutida. “Tanto para os profissionais da área quanto para a população em geral, a educação é essencial para saber quais sintomas estão se manifestando e para que haja valorização na suspeita do câncer”, finaliza.

Com profissionais mais atentos desde o nível primário e com pacientes se sentindo mais confortáveis a contarem tudo e não esconderem nada dos seus médicos, o câncer, aos poucos, caminha para deixar de ser uma doença cercada pelo medo e tabu para ser complementada pela informação e conhecimento.

 

 

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Cerâmica Zanoni
Transmorgan
Alquimia
Rose Bueno Acessórios
BANNER APARTAMENTO
Auditoria da Dívida Publica
Bassani
Otica PetriU
Banner pedrão