Banner Cema

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Justiça intima União a cumprir prazo para elaboração e execução de plano de segurança para região de Foz do Iguaçu/PR
  Data/Hora: 3.mai.2018 - 18h 2 - Categoria: Brasil  
 
 
clique para ampliar
Prazo começa a ser contado tão logo a União seja intimada 
       
                
A partir de pedido do Ministério Público Federal (MPF) em Foz do Iguaçu/PR, a Justiça Federal no município deu início a contagem do prazo para que a União, tão logo seja novamente intimada, comece a cumprir a sentença que determina a elaboração e execução de planos que ampliam a efetiva fiscalização do Lago de Itaipu e do Rio Paraná. O prazo para o cumprimento da decisão havia iniciado em 15 de dezembro último. A União recorreu ao Tribunal Regional Federal da 4º Região (TRF-4), mas mesmo não logrando êxito no pedido não cumpriu a decisão.
 
 
A sentença de dezembro passado estipulou prazo de 12 meses para elaboração e de 18 meses para total execução de um plano específico, com metas e cronograma, que amplie efetivamente a segurança na região de fronteira por meio de fiscalização do Lago de Itaipu (nos municípios que compõem a subseção judiciária). Na mesma decisão, o Judiciário também determinou a elaboração de um plano que amplie a fiscalização na região do Rio Paraná (no trecho compreendido entre a barragem de Itaipu e o Marco das Três Fronteiras, na foz do Rio Iguaçu), determinando prazo de seis meses para elaboração e de 18 meses para total execução.
 
 
De acordo com a decisão, os planos de fiscalização dessas regiões devem prever um incremento do efetivo de pessoal, seja por lotação ou formação de forças-tarefas com outros órgãos federais, da Receita Federal, Força Nacional de Segurança, Delegacia da Polícia Federal de Foz do Iguaçu e Delegacia Especial de Polícia Marítima (Depom).
 
 
A recusa da União em atender a decisão Judicial, já causou atraso de quatro meses na elaboração dos respectivos planos, levando o MPF a manifestar-se e o Judiciário a determinar o imediato cumprimento da sentença.
 
 
ACP - A ação civil pública foi ajuizada pelo MPF/PR em 2014 a partir de um inquérito civil que apurou fragilidade no controle de crimes transnacionais, como tráfico de drogas e de armas na fronteira. Na ação, o MPF apresentou dados sobre a violência na região de fronteira, reportagens jornalísticas; relatórios de visitas técnicas, em vários pontos de interesse turístico, realizadas pelo Conselho Municipal de Turismo de Foz do Iguaçu; estatísticas sobre o aumento do número de inquéritos policiais em Foz. Embasam também a ação informações sobre carência de pessoal nos quadros da Receita Federal e fragilidade do controle aduaneiro; estimativa da Polícia Federal de entrada de US$ 18 bilhões de dólares por ano oriundos do narcotráfico, contrabando de armas e outros crimes em Foz do Iguaçu; apreensão de dois mil cartuchos de munição para fuzil no Rio de Janeiro em ônibus vindo de Foz do Iguaçu; relatório das CPIs do Narcotráfico, do Tráfico de Armas e da Pirataria; tentativa de homicídio contra policial federal alvejado por disparos de fuzil quando em patrulha pelo Rio Paraná; entre outras, além de depoimento de testemunhas.
 
 
“A elaboração dos planos de segurança, como determina a sentença, pode representar a conquista de um novo patamar na contenção ao crime transnacional na região, com reflexos importantes no combate à criminalidade nos grandes centros urbanos do país. O tamanho da fronteira brasileira desafia a capacidade de fiscalização estatal, porém com planejamento e persistência é possível reduzir significativamente a entrada de drogas e armas”, disse o procurador da República Alexandre Collares Barbosa.
 
 
 
Notícia relacionada
 
Assessoria de Comunicação
Procuradoria da República no Paraná
Atendimento à imprensa
Fones: 41. 3219-8843/ 3219-8870/ 8858/ 3219-8934/ 98852-7555
E-mail:
Site: www.mpf.mp.br/pr
Twitter: www.twitter.com/MPF_PRPR
Atendimento ao cidadão
 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Carl Hart
banner vende apartamento II
Cerâmica Zanoni
Rose Bueno Acessórios
Transmorgan
Alquimia
Auditoria da Dívida Publica
Otica PetriU
Bassani
Banner pedrão