Banner Apartamento

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Caso Damião: não entendi a reação tempestiva, chula e ofensiva do assessor Vilmar com respeito a nossa matéria... A Câmara é, ou não é, a Casa do Povo?
  Data/Hora: 24.mai.2018 - 9h 32 - Colunista: João Maria  
 
 
clique para ampliar

Confesso que nunca imaginei que se dedicar de corpo e alma a uma profissão pudesse ser tão gratificante, emocionante e, ao mesmo tempo um exercício árduo de coragem, determinação e até mesmo de renúncia total ou parcial do que a maioria esmagadora que detém cargo de poder considera o suprassumo convencional dos podres poderes – “TER sempre mais não importando os meios e sim, os fins”.

 

O bom de tudo isso, é que no decorrer do caminho na busca pela evolução, você vai trombando aqui e ali – e mesmo assim – aprendendo e compreendendo que não podemos parar – temos que continuar lutando e buscando compreender plenamente a Verdade Universal e a verdadeira natureza da condição “espiritual-humana” que o Mestre quando esteve por aqui nos visitando A chamou de o “Reino de Deus”.   

 

Como se faz isso?

Se ignorarmos os fatos e não estivermos com a mente aberta e receptiva para a Verdade da Existência, vamos continuar cometendo os mesmos erros até o fim dos tempos e assim criando a nossa própria enfermidade e miséria, como estamos vendo hoje.

 

Como admitir que num país como o nosso onde temos um solo fértil, clima tropical – onde não temos catástrofes naturais, ou seja, fomos abençoado pela própria natureza e, no entanto,  se mata com armas de fogo mais de 70 mil pessoas por ano?

 

Se abrirmos a janela de nossas mentes, ou melhor, se analisarmos com mais profundidade o que vemos hoje nos meios de comunicação, em especial pela televisão que invade diariamente os nossos lares, vamos ver com toda a nitidez que mesmo diante de todos os avanços tecnológicos, a impressão que se tem é que a humanidade está no limiar da sua existência em termos de raciocínio humano. Com a diferença de que, não se mata mais com flechas, bordunas e sim, com armas automáticas que disparam dezenas de tiros por segundo.

 

O que precisamos compreender com urgência urgentíssima é que: “não se pode separar os efeitos da causa e nem pode apagar a causa e continuar tendo os efeitos”, como nos ensina o Mestre dos mestres, também conhecido por Jesus e hoje Consciência Divina Universal que nos coloca em sintonia com o Pai.

 

Especialmente os Professores, Padres e Pastores devem compreender que a “Lei de Causa e Efeito é imponderável e é uma característica natural, inerte e intrínseca da existência”. Esse é um conhecimento que precisa ser exercitado e levado com urgência e urgentíssima para os nossos jovens. Ou seja, esse é um pilar existencial que a Educação Materialista deixou de lado na construção dessa aldeia global comercial e imperialista.

 

Por que digo isto?

Confesso que não entendi a reação do funcionário do Legislativo Municipal de nossa cidade ontem (Vilmar), onde ele colocou nas redes sociais (face book) em resposta a matéria que fizemos cobrando uma atuação firme e determinada da Mesa Diretora daquela Casa de Leis com respeito ao envolvimento do carro da “Câmara”, num possível crime de assassinato na cidade de Medianeira.

 

Vejam que entrevista dada aos meios de comunicação, o delegado Denis Merino, da Polícia Civil de Medianeira, deixou claro que esse veículo do Legislativo Municipal foi flagrado por câmeras na ida e na volta até o local (Agro Cafeeira), onde foi encontrado o carro queimado que teria sido usado pelo executor do bárbaro crime ocorrido no dia 27 de março deste ano.

 

Naquele dia o advogado Ricardo Ferreira Damião Júnior, foi morto a tiros na saída da faculdade onde dava aulas em Medianeira. O filho que o acompanhava também foi ferido no rosto e no pescoço, ficou vários dias internados e conseguiu se recuperar.

 

Através da numeração do chassi do carro encontrado queimado, se chegou à casa do proprietário do mesmo e, segundo o Dr. Denis, nessa entrevista, câmeras de monitoramento dessa residência também registra a presença desse mesmo veículo da Câmara naquele dia. Ou seja, o crime está praticamente elucidado, só faltando mesmo colocar as mãos no executor, que segundo o próprio delegado já se encontra com mandato de prisão decretado e possivelmente deve ter se evadido para o Paraguai.

 

 

Ou seja, ao invés do assessor parlamentar sentar com o vereador que o colocou lá como cargo de confiança da sociedade, tendo em vista que a Câmara é a Casa do Povo e não uma empresa particular, e incentivá-lo a entrar com um pedido de uma Sindicância Interna para apurar em que circunstância esse veículo foi liberado para essa “atividade criminosa” e assim dar uma explicação à população, não, ele achou por bem atacar o nosso Jornal que visa justamente buscar o esclarecimento total de um crime brutal, que pelo visto, foi tramado e financiado  com dinheiro público.

 

 

Aliás, falando em dinheiro público, ainda ontem, uma fonte me dizia de como esse pessoal se acha “blindado e protegido por algum tipo de forças ocultas”. Ele me dizia: “Pelo amor de Deus, não diga para ninguém que fui eu que lhe dei essa informação – mas o que se ouvia nos corredores é que foram gastos R$ 20.000,00 para o financiamento desse crime”. Valor esse para ser dividido em mais de uma pessoa, ou seja, mandar executar hoje em dia, não é tão caro como a nossa vã filosofia imaginava.

 

Por que é importantíssimo elucidar esse crime?

 

Através das nossas matérias que temos feito nesses anos todos, com toda isenção, destemor e amor a profissão, temos angariados uma certa confiança dos nossos leitores, os quais nos cobram e praticamente exigem uma resposta praticamente pra tudo.

 

 

Com relação a todos os tipos de crimes, temos que convir que a nossa cidade tenha uma “penca” que estão sem solução. E, por outro lado, temos outros que são verdadeiras aberrações onde fica visível a participação de terceiros interessados de que a realidade dos fatos seja sepultada e enterrada, deixando livre o caminho para as suas atividades nada republicanas. (Continua...)

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Patrick Sonorização
Bassani
Cerâmica Zanoni
Otica PetriU
Banner Juvenal
Transmorgan
BANNER APARTAMENTO
Banner Marlene
Auditoria da Dívida Publica
Banner Carl Hart