Agua timol

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
A Anasps revela que o INSS, em 2016, tinha na folha mais de 4, 2 milhões de beneficiários com mais de 70, 2,1 milhões com mais de 80 anos e 677,7 mil com mais de 90
  Data/Hora: 29.ago.2018 - 16h 54 - Categoria: Brasil  
 
 
clique para ampliar

Com base em dados do DATANASPS - centro de estudos e pesquisas previdenciárias da Anasps, o vice-presidente da entidade dos servidores do INSS, com 50 mil associados e 25 anos de lutas em defesa da Previdência Social pública, Paulo César Régis de Souza, revelou   que no âmbito do RGPS, em 2016, havia 27 milhões de aposentados e pensionistas, 92,7% recebendo um salário mínimo; 7,3 % recebiam dois salários e apenas 0,1% recebiam três ou mais. As mulheres compunham 54,4 % dos beneficiários.

 

A proteção social da Previdência e da Assistência Social, no Brasil, já é expressiva, afirmou. Os dados demográficos do IBGE, apontando para o aumento da expectativa de vida e a incorporação de mais brasileiros no RGPS daqui para a frente, nos sinalizam que precisamos de uma reforma da Previdência Social que contemple o seu financiamento. Temos o dever moral de reconhecer que os benefícios não são expressivos em valores, permitindo uma sobrevivência difícil e temos que assegurar benefícios àqueles que contribuíram.

 

Pelos valores pagos, acentuou, – na faixa de um salário mínimo para 27 milhões de beneficiários - não se vislumbra que haja espaço para mudanças nos benefícios. Neste grupo não há privilégios, não há caixa preta. Podem existir fraudes e certamente existem, mas são pontuais. As baixas remunerações acentuam o desencanto e o pesadelo daqueles que passaram uma vida, 35 anos, contribuindo para ter um futuro tranquilo. Claro está que não será tranquilo, com o salário mínimo!

 

Por outro lado, lembrou, causa indignação aos aposentados contribuintes urbanos pois recebem o mesmo que recebem os milhões de aposentados e pensionistas rurais, que não contribuíram, e ainda recebem o mesmo que os 4 milhões de agraciados com os benefícios assistenciais, Benefício de Prestação Continuada. Esta situação é um agravo para os que ingressaram no INSS com a expectativa de garantir seu futuro.

 

Paulo César adiantou que, para melhorar o rendimento dos aposentados a reforma da previdência deveria, no seu financiamento, considerar a revisão da matriz atuarial, aumentando o salário de contribuição para que, no futuro se tenha um salário de benefício que corresponda pelo menos a 70% da renda do trabalhador! Fora disso, será frustrante para qualquer contribuinte, que terá que recorrer a previdência complementar se quiser segurança no seu futuro. O vice-presidente da Anasps lembrou a proposta da ANASPS, de 2015, de criação da Previdência Direta do INSS com base em plano complementar.  

 

As mulheres estão sobrevivendo muito mais do que os homens: Ainda em 2016, dos 3,1 milhões de beneficiários com mais de 70 anos, 1,3 milhão era homens e 1,8 milhão era mulheres (500 mil a mais); dos 1, 1 milhão com mais de 80 anos, 424,7 mil eram homens e 760 mil eram mulheres; e   dos 677,7 mil beneficiários com 90 anos, 215,7 mil eram homens e 445,9 mil eram mulheres. 

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Auditoria da Dívida Publica
Cerâmica Zanoni
Banner Juvenal
banner vende capeletti
Otica PetriU
Bassani
Rose Bueno Acessórios
banner vende apartamento II
Banner Marlene
Transmorgan