Banner Cema

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Divergir já é passível de punição
  Data/Hora: 6.nov.2018 - 9h 37 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Veja as matérias que levaram à demissão de Rogério Galindo, da Gazeta do Povo de Curitiba

 

por I -  Demitido nesta segunda, 05/11, o jornalista Rogério Galindo trabalhava há 18 anos no jornal curitibano Gazeta do Povo. Suas opiniões, críticas aos tristes desenvolvimentos recentes no país, podem explicar a decisão da direção do jornal. Há 8 dias da eleição, divergir já é passível de punição.

 

Abaixo trechos de dois artigos de Galindo.

 

A imprensa elegeu Bolsonaro ao ser conivente com o ódio

28/10/2018

“O ódio venceu. O ódio ao diferente, a intransigência com a pluralidade. Venceram a tortura, a misoginia, a homofobia, o racismo. Venceu o autoritarismo, o retrocesso de quem quer levar o país de volta ao ponto em que estava ‘40 ou 50 anos atrás’.

 

(…)

Em qualquer lugar civilizado, o discurso em que o candidato, há uma semana da eleição, promete mandar para a Ponta da Praia, um centro de tortura e extermínio, os seus inimigos políticos, teria levado às mais ásperas manchetes, aos editoriais mais incisivos.

 

Aqui, falou-se que o candidato moderou o discurso.

Os editoriais dos jornais deram vergonha. Os mesmos jornais que foram tigrões diante de Dilma Rousseff se mostraram tchutchucas deparados com um capitão torturador.

 

Fizeram-se ataques violentos ao petismo, e deixou-se parecer que do outro lado havia um santo. O santo, senhores, é um bárbaro que defende que se coloquem ratos nas vaginas de presidiárias, que se chamem filhos para ver a tortura dos pais nus.

 

O homem que prometeu fechar o Congresso no primeiro dia de poder chegou à Presidência.

 

Só a união das forças democráticas nos salvará. Mas, para isso, não contem com os jornais. Eles já mostraram de que lado estão.”

 

Moro deslegitima Lava Jato e dá credibilidade à narrativa de perseguição ao PT

01/11/2018

“ (…)

É fato que, sem Moro, sem a Lava Jato, não haveria governo Bolsonaro. Antes da saída de cena, por determinação jurídica, Luiz Inácio tinha cerca de 40% das intenções de voto, o dobro do distante segundo colocado, hoje presidente eleito.

 

Lula só não pôde ser candidato porque Moro o condenou num processo em que pelo menos metade dos juristas considera a sentença insustentável. Mas há mais: não fosse Moro, também não haveria a prisão depois da segunda instância, sem que o caso tenha tramitado em julgado.

 

Sem a comoção causada pela Lava Jato, o TRF-4, numa turma liderada por um amigo de Moro, também não teria passado o caso na frente de tantos outros, julgando tudo estranhamente a tempo de Lula não poder concorrer.

 

E, se concorresse, haveria ainda o fato de o juiz ter liberado gravação ilegal do ex-presidente falando com Dilma Rousseff que contaminou completamente o processo. Assim como contaminou também a desnecessária condução coercitiva, logo depois determinada ilegal, de Lula para um depoimento a que ele sequer tinha faltado.

(…)

O final da história podia não ser evidente lá atrás. Mas, vendo em retrospecto, faz todo o sentido.”

 

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Bassani
banner vende capeletti
banner vende apartamento II
Rose Bueno Acessórios
Otica PetriU
Banner pedrão
Transmorgan
Auditoria da Dívida Publica
Cerâmica Zanoni