Banner são camilo

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
AS ABELHAS, KOLECZA E OS VENENOS
  Data/Hora: 6.jan.2019 - 9h 12 - Categoria: Brasil  
 
 
clique para ampliar

Por Moisés Mendes

 

Fotos ilustrativas - internet - As abelhas estão sumindo há muito tempo. Só agora começam a aparecer estudos que denunciam com ciência o que todo mundo suspeitava. Os agrotóxicos estão matando as abelhas.

 

Os jornais trazem todos os dias alguma informação sobre o comportamento estranho das abelhas que sobrevivem, como a formação de colmeias gigantescas, numa tentativa desesperada de proteção coletiva contra um agressor cada vez mais violento.

 

As abelhas morrem porque ninguém reage ao novo avanço dos agrotóxicos. E os agrotóxicos avançam com o apoio dos políticos. Nem a imprensa reage mais. A imprensa cedeu ao poder das empresas.

 

Pois esse senhor aí da foto se chama Carlos Alberto Kolecza. Muitos, e eu estou entre esses, o consideram o maior repórter gaúcho de todos os tempos. Foi um dos grandes jornalistas brasileiros no século 20.

 

Nos anos 80, Kolecza fez para Zero Hora uma série de reportagens sobre os danos ambientais, econômicos e sociais dos venenos usados nas lavouras gaúchas.

 

Foi o mais completo inventário do jornalismo sobre a destruição de rios, plantas, solo, bichos e gente. As reportagens venceram grandes prêmios de jornalismo, num tempo de reconhecimento de esforços nessa área.

 

Kolecza contribuiu para que o Rio Grande do Sul liderasse a guerra contra os agrotóxicos, quando começava a se associar o uso dos produtos não só ao câncer, mas também à depressão e ao agravamento de algumas doenças mentais. Mais de 30 anos depois, regredimos. E agora aceleramos a regressão.

 

As abelhas apenas nos avisam que os envenenadores de alimentos e destruidores de vidas voltaram a agir impunemente.

 

É triste saber que agricultores preocupados com a sua sobrevivência em lugares preservados, que ambientalistas, sindicatos, ONGs, cooperativas (poucas) e Ministério Público perderam a capacidade de oferecer alguma reação consequente ao poder econômico que impõe leis e normas.

 

Para um jornalista, é desolador constatar que são reduzidas as chances de alguém fazer hoje, com a mesma profundidade, o que nosso colega Kolecza fez lá nos anos 80.

 

O jornalismo da grande imprensa se acovardou diante dos temas fundamentais que o consagraram como relevante a partir dos anos 60, mesmo em meio a uma ditadura.

 

Hoje, noticia-se pontualmente a morte de abelhas e isso é bom. Mas ninguém aprofunda informação e reflexão sobre o envenenamento geral. O Brasil que foi de Lutzenberger é agora o país da musa do veneno transformada em ministra da Agricultura.

 

O poder político da direita do vale-tudo e a força econômica dos grandes grupos envenenaram consciências. A imprensa é, pela omissão do silêncio, parte do conluio com os que matam abelhas e estão nos matando todos os dias.

 

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner as cidades tem alma
Banner Reforma da Previdência
Banner Notre Dame
Banner Jorge amado
Banner Bolsonaro
Banner Teori
Banner pedrão 2018
banner idiota útil
Banner Bertold Brecher
Otica PetriU