Banner Itaipulândia fevereiro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
“Este Papa está suportando a resistência do clericalismo fanático, que não suporta a transparência”. Artigo de José María Castillo
  Data/Hora: 16.jan.2019 - 10h 22 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por José Maria Castilho

 

Fonte: REVISTA IHU ON-LINE - “O que teria que preocupar a todos nós são, sobretudo, os silêncios da Igreja. Os silêncios do clero. E os silêncios daqueles que dizem que somos crentes em Cristo”. A reflexão é de José María Castillo, teólogo espanhol, em artigo publicado por Religión Digital, 14-01-2019. A tradução é de André Langer.

 

Eis o artigo.

No relato da paixão e morte de Jesus, o Evangelho de João recorda um episódio tão humilhante quanto eloquente: a primeira bofetada que um guarda deu em Jesus, na frente do sumo sacerdote Anás (Jo 18, 22). Por que semelhante desprezo ali e naquele momento?



Simplesmente porque Jesus disse àquele personagem sagrado que ele tinha “falado ao mundo com liberdade” e que não havia “dito nada às escondidas” (Jo 18, 20). Aqui é importante notar que o texto grego do Evangelho não usa a palavra “liberdade”, mas o termo “parrhesia”, que significa exatamente “liberdade para dizer tudo” e sem se calar (“pán”, “résis”).



Está claro: Jesus não suportava os segredos e as ocultações. Na mesma medida em que o tribunal sagrado não suportava a liberdade daqueles que dizem toda a verdade, sem se calar, mesmo que isso lhes custe o cargo e a própria dignidade. E (se for necessário) até a própria vida.



Se a Igreja fosse fiel a essa conduta de Jesus, sem dúvida alguma, teria que suportar, não uma, mas muitas bofetadas. Muito mais do que já suportou.


Foi o que disse o próprio Jesus (Mt 10, 16, 32 par). Além disso, Jesus chegou a dizer: “Chegará um tempo quando quem vos matar pensará oferecer culto a Deus” (Jo 16, 2). Sem dúvida, “a experiência religiosa de todos nós não é mais confiável, porque nos remete à falsa religião” (REUTER, T. El Dios falsificado. Madrid: Trotta, 2011, p. 228).



O que quero dizer com isto? Muito simples: acredita em Deus quem não se cala diante do sofrimento daqueles que são pior tratados pela vida e pelos poderes públicos, independente da cor que forem, estejam à direita, no centro ou à esquerda.



Posto isso, o que teria que preocupar a todos nós são, sobretudo, os silêncios da Igreja. Os silêncios do clero. E os silêncios daqueles que dizem que somos crentes em Cristo. Silêncios em tantas coisas que clamam ao céu. Mas agora mesmo – e acima de tudo – em dois assuntos de enorme gravidade e urgência.



A começar pelo silêncio diante de tantos e tantos escândalos clericais de “homens da Igreja” que abusaram de crianças e adolescentes. Abusos criminosos que as autoridades eclesiásticas ocultaram. Porque era uma determinação que vinha do Vaticano, para que o prestígio da Igreja não fosse prejudicado.



Teve que vir o Papa Francisco, que “tirou o manto”, para que se saiba tudo e se faça justiça. O mais sofrido e preocupante é o que este Papa precisa suportar, pela resistência do clericalismo fanático, que não suporta a transparência que desvelou a falta de vergonha de não poucos setores do mundo clerical.



E para terminar, o outro silêncio preocupante que estamos vivendo na Espanha e em outros países da Europa e da América. Refiro-me ao silêncio de bispos e do clero em geral, que inexplicavelmente se calam diante dos políticos e governantes que, com suas decisões, são responsáveis pelo sofrimento de milhares e milhares de criaturas inocentes, ao mesmo tempo que permitem e incentivam a concentração do capital mundial, cada vez mais, nas mãos de menos pessoas.



No Evangelho ficou claro que Jesus não suportava o sofrimento dos pobres, doentes, marginalizados e estrangeiros. Como também não suportava o desprezo ou a desigualdade das mulheres. As preocupações da nossa Igreja e dos nossos bispos coincidem com as de Jesus? Mais uma vez fica claro que falar com liberdade é muito perigoso.

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner brasil
Rose Bueno Acessórios
Banner Bertold Brecher
Bassani
Otica PetriU
Banner Jorge amado
Banner fotógrafo premiado
Banner Bolsonaro
Banner a dieta perfeita
Banner guilherme almeida