Vende-se apartamento no centro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Brasil e Paraguai avançam nas negociações da energia de Itaipu
  Data/Hora: 12.abr.2019 - 11h 35 - Categoria: Itaipu Binacional  
 
 
clique para ampliar

Da Assessoria - Foto: As discussões ocorrem porque a Eletrobras e a Ande (estatal paraguaia) não chegaram a um acordo sobre a contratação de potência de Itaipu para 2019. Sem esse entendimento, alguns compromissos da Itaipu poderão ser prejudicados, como o pagamento dos royalties aos dois países, a dívida da construção e, até mesmo, a remuneração pela energia cedida pelo Paraguai ao Brasil.

 

A definição de um cronograma de contratação de longo prazo garantiria o recebimento das receitas necessárias para o pagamento das obrigações financeiras de Itaipu até a renegociação do Anexo C do Tratado de Itaipu, em 2023, quando a dívida estará totalmente quitada.

 

Comitiva brasileira responsável pela negociação com os paraguaios e o diretor-geral brasileiro da Itaipu (da esquerda para a direita): secretária Maria Eduarda de Oliveira, embaixadora Eugênia Barthelmess, general Joaquim Silva e Luna, embaixador Pedro Miguel da Costa e Silva e secretário Mario Augusto de Almeida.

 

Para o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, a Itaipu tem papel estratégico e econômico para os dois países. Por este motivo, são grandes as chances de os governos chegarem a bom entendimento.

Segundo ele, mesmo diante desse impasse, a produção de energia elétrica da usina não está sendo afetada. Ao contrário. De acordo com o diretor-geral brasileiro, “o aproveitamento da nossa matéria-prima, que é a água, está em quase 100% para a geração de energia”. E complementa: “Isso significa dizer que a missão de Itaipu está sendo cumprida plenamente no que se refere à sua atividade fim”.

Silva e Luna diz que o encontro é um marco no início da construção de um resultado positivo para os dois lados. “A presença das duas chancelarias demonstra que esse assunto é um problema de interesse binacional.”

Programação

Participaram da reunião pela delegação brasileira o embaixador Pedro Miguel da Costa e Silva; a embaixadora Eugênia Barthelmess; o secretário Mario Augusto Morato Pinto de Almeida; e a secretária Maria Eduarda Paiva Meira de Oliveira.

Pela delegação paraguaia estiveram presentes o vice-ministro de Relações Exteriores, o embaixador B. Hugo Saquier Caballero; o chefe de gabinete da Chancelaria Nacional, embaixador Ricardo Scavone; a diretora da Unidade Geral de Recursos Energéticos, a ministra Martha Moreno; o assessor do Ministério de Relações Exteriores, Alcides Jiménez; e o segundo secretário, Luis Jeronimo Sann, chefe de gabinete do vice-ministro de Relações Exteriores.

 

Comitiva brasileira responsável pela negociação com os paraguaios e o diretor-geral brasileiro da Itaipu (da esquerda para a direita): secretária Maria Eduarda de Oliveira, embaixadora Eugênia Barthelmess, general Joaquim Silva e Luna, embaixador Pedro Miguel da Costa e Silva e secretário Mario Augusto de Almeida.

 

 
 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Jorge amado
Banner as cidades tem alma
Bassani
Banner o fascismo
Banner Teori
banner vende apartamento II
Banner militares
Banner Psicologia
Banner a dieta perfeita
Banner Reforma da Previdência