Banner jessica de jesus

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Diretor da Itaipu abre canal de diálogo com a Unila
  Data/Hora: 12.abr.2019 - 19h 40 - Categoria: Itaipu Binacional  
 
 
clique para ampliar

Encontro com o reitor da universidade ocorreu na tarde desta sexta-feira (12), no centro Executivo da usina, em Foz do Iguaçu.

 

Da Assessoria - fotos: Nilton Rolin/Itaipu Binacional - O diretor-geral brasileiro da Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, teve em seu gabinete o primeiro contato com o reitor da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), Gustavo Vieira, na tarde desta sexta-feira (12). Com essa reunião, Silva e Luna reforça o canal de diálogo e interlocução com autoridades e entidades representativas da região.

 

Parte da estrutura da universidade está instalada no Parque Tecnológico Itaipu (PTI), assim como a Universidade Aberta do Brasil (UAB) e alguns dos cursos da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste).

 

Uma das principais tratativas discutidas pelo diretor-geral brasileiro com o reitor da Unila foi a busca de uma solução para a obra inacabada próxima à entrada da usina, área de segurança nacional, e a conclusão do desvio de acesso às instalações da universidade dentro do Parque Tecnológico Itaipu (PTI).

 

A Unila, criada no governo Lula, foi concebida para ter sua sede própria dentro da área da usina, mas a obra, um projeto do arquiteto Oscar Niemeyer, não foi finalizada. A Itaipu, na ocasião, havia oferecido uma sede provisória, no PTI, e ainda um terreno dentro da usina. Na época, o Ministério de Educação acatou a sugestão.

 

Sem Itaipu, que pagou também o projeto de Niemeyer, Foz ficaria sem a universidade, que, pelos planos originais, deveria ter dez mil alunos (hoje, a universidade possui atualmente 5.817 alunos (5.231 de graduação e 586 de pós-graduação) 

 

Durante as obras da sede da Unila, ocorreram conflitos jurídicos entre o consórcio construtor e a direção da instituição. O projeto parou e a obra, então, apenas recebeu intervenções para conter o deterioramento.

 

“A ideia é construir uma solução e sugerir ao MEC um caminho”, prontificou-se o diretor-geral brasileiro. Para o reitor da Unila, o que importa é encontrar uma saída. Segundo ele, não cabe proselitismo político num ambiente acadêmico, reforçando que a Unila tem viés muito mais pragmático do que o ideológico, que marcou a sua criação.

 

Para o general Silva e Luna, não há dúvidas de que dos bancos da Unila, especialmente dos cursos que têm aderência à missão da usina, e das outras instituições, poderão sair muitos profissionais talentosos e preparados. Além de engenharias, dentro da grade da Unila estão diversos cursos – entre eles, o de Medicina.

 

(da esquerda para a direita) o reitor da Unila, Gustavo Vieira; o diretor-geral brasileiro da Itaipu, general Joaquim Silva e Luna; e o diretor de Coordenação, Newton Kaminski.

 

Mantida por recursos federais, a Unila oferece ensino superior público e gratuito em Foz do Iguaçu, Paraná. Criada pela Lei nº 12.189, de 12 de janeiro de 2010, a universidade ofereceu, em 2019, além de cursos de graduação, cinco de especialização, um Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família e 11 cursos de mestrado, já aprovados pela CAPES/MEC, em diversas áreas do conhecimento. Em programas de pós-graduação stricto sensu, a Unila é responsável por 80% das vagas na região de Foz do Iguaçu.

 

A Itaipu

Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, mais de 2,6 bilhões de MWh. Em 2016, a usina brasileira e paraguaia retomou o recorde mundial anual de geração de energia, com a marca de 103.098.366 MWh. Em 2018, a hidrelétrica foi responsável pelo abastecimento de 15% de toda a energia consumida pelo Brasil e de 90% do Paraguai.

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner a dieta perfeita
Banner Teia da operação
Banner fotógrafo premiado
Banner militares
Banner conar
Banner guilherme almeida
Banner Jorge amado
Banner Psicologia
Banner Reforma da Previdência
Banner brasil