Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
ENTREVISTA – Catiúscia Milioli Presa, Secretária Municipal de Cultura, Esporte e Lazer e coordenadora do 4º FESMIG
  Data/Hora: 9.ago.2019 - 9h 52 - Colunista: João Maria  
 
 
clique para ampliar

Para encerrar essa sequência de matérias que fizemos a respeito do 4º FESMIG, a nossa entrevistada é a Secretária Municipal de Cultura, Esporte e Lazer, Catiúscia Milioli Presa, aliás, essa sua entrevista já era para ter saído. A entrevistamos na semana passada – e a demora se deu por que havíamos programado antes uma outra entrevista com Jones de Souza, Diretor da Rádio Jornal e apresentador deste 4º FESMIG. Devido a sua intensa agenda, a mesma ficou para outra oportunidade.  

 

Por que esse nosso trabalho um pouco mais profundo e até mesmo com bem mais conteúdo com relação ao Festival?

 

- Em primeiro lugar queremos deixar claro que o nosso interesse não é político e muito menos financeiro, e sim, valorizar os trabalhos “localizados” quem vem sendo feito por essa ou aquela secretaria, em especial nas áreas de Cultura e Educação que mereçam essa distinção...

 

A nossa redação foi e continua sendo muito crítica com respeito ao projeto político da atual Administração no contexto geral – que no conjunto da obra, poderíamos definir como uma espécie de “vazio existencial” no que tange ao crescimento de geração de emprego e renda – qualidade de vida para essa geração que aí está – e principalmente, a malversação dos recursos públicos em setores pontuais.

 

Estou dizendo isso nessa matéria, por que uma pessoa me cobrou na Rua na semana passada, ao lado de outras inclusive, o quanto estávamos levando para fazer todas essas matérias com respeito ao Festival. “Se não cobraste nada, por que todo esse trabalho, então?” – me perguntou à simpática e assídua leitora do nosso Jornal.

 

O que estou colocando aqui foi o que respondi a ela – “cerca de 90% do fazemos no nosso trabalho diário não visa recompensa financeira pelo simples fato de que esse deve ser o trabalho da imprensa” – executar o que tiver que ser feito com liberdade, com isenção, sem medo de dizer o que deve ser dito, seja contra ou a favor de quem quer que seja..., mesmo que isso possa ter um preço bastante alto, tipo: receber um “watts” num momento impróprio “te ensinando de como se deve fazer para matar uma formiga dentro de casa”, recheado de gargalhadas ao fundo.

 

Quando o assunto é desta natureza, cujo objetivo é a elevação, a valorização da arte - “expressão suprema da alma humana” que os grandes mestres sejam na dança, na pintura, escultura ou na música sintetizaram muitas vezes de forma límpida e cristalina a ideia dominante de uma época”, todo e qualquer sacrifício é válido. Aliás, não é nenhum sacrifício e sim, um grande prazer...

 

E o Festival está inserido neste contexto e podemos dizer que a música é sim, a porta voz de todas essas expressões, - aliás, em sua monumental obra “A Grande Síntese”, Pietro Ubaldi, já dizia: “por vezes é graça e suavidade, doutra vezes, simplicidade e potência – ainda, profundidade de espírito puro, ou então, ouropel vazio de forma. Exprime sempre o pensamento humano que ascende ou decai, aproximando se mais ou menos da grande ordem divina”.

 

Voltando a entrevista, a Secretária se diz uma sonhadora e que acredita muito na Lei da Semeadura – “o que você planta você colhe. Desde que entrei na Secretaria a sete anos, eu comecei a plantar muita honestidade, transparência, plantar sonhos que tinha a ansiedade do município. Como o Festival era um sonho, como o Teatro, o Balé e outras atividades Esportivas e Culturais. Eu tenho sonhos maiores e quero realizar – sonhos de que a cidade tenha mais eventos culturais no Teatro, na Dança, mais eventos esportivos a nível regional. Eu sonho e tento fazer o melhor para a população”. Confira a entrevista:  

 

Jornal - O 4º FESMIG está sendo considerado um sucesso. Como é organizar um evento desta Natureza e qual o balanço que a Secretária faz desse evento?

 

Catiuscia – A minha avaliação é muito positivo. Pelo ótima aceitação que foi o 1º, o 2º e o 3º, nós já sabíamos do sucesso desta quarta edição – as pessoas gostam desse evento e quem não vai para cantar, vai para se divertir, torcer, vibrar e assistir. Eu digo que essa edição foi especial por que conseguimos organizar tudo com muita antecipação – houve muito comprometimento de diversos setores. A administração queria a realização deste evento e tivemos o amparo bem antecipado. Eu diria que foram conquista que nós da organização que é o Departamento de Cultura conseguimos pela seriedade, pela transparência com que realizamos os três anos de festivais, então o quarto foi muito mais fácil. Uma das nossas preocupações deste o início foi com os nossos cantores. Fico feliz em ver que todos saíram de lá contentes, felizes, se sentindo valorizados. Como eu disse no final, três palavras definem esse Festival – Gratidão, Emoção e Alegria.

 

Jornal - Como é ser Secretária de Cultura, Esporte e Lazer num país como o nosso onde a Cultura e a Educação, quase sempre ficam relegadas a segundo plano quando o assunto e orçamento?

 

Catiuscia – Como já antecipamos, os anteriores foram sucesso e esse evento passou a ser uma conquista da própria população, então, ficou muito mais fácil à organização, tanto é que, o governo municipal já quer fazer o próximo. O que nós queremos é ter orçamento para fazer o municipal e quem sabe aumentar em um dia a mais para incluirmos um regional a nível do FELIMU. Eu lembro que o FELIMU lotava o CTG e vinha muitos talentos de fora. É possível se fazer uma premiação municipal e outra regional, onde os nossos talentos daqui, também poderão concorrer com os de fora.  Nós temos essa meta, esse projeto de ampliação.

 

Jornal - Como poderíamos fazer para ajudar a impulsionar o sonho desses jovens talentos que se destacaram no FESMIG - existe algum tipo de projeto nesse sentido?

 

Catiúscia – Uma das coisas que vamos fazer para continuar incentivando é incluir a participação desses finalistas em todos os eventos culturais que tivermos. Vamos ter agora a FEANIMAIS e os 25 finalistas já estão convidados para participar e mostrar o seu talento na Tenda Cultural que terá lá, onde vamos ter a total liberdade para apresenta-los. Em agosto, dia 23, vamos ter a Primeira eliminatória do FERMOP em Matelândia, onde levaremos os 1 colocados de cada categoria para representar o nosso município e, se passarem na regional irão para a grande final. Outro incentivo é a busca de querer fazer esse regional em São Miguel...

 

Jornal - Como a Catiuscia Milioli Presa se define - uma pessoa conformada com o status quo ou uma sonhadora que acredita que a Educação, a Cultura e o Esporte ainda pode mudar esse país?

 

Catiuscia – Eu posso me definir como uma sonhadora que sonha e consegue realizar os seus sonhos. Acredito muito na Lei da Semeadura – o que você planta você colhe. Desde que entrei na Secretaria a sete anos, eu comecei a plantar muita honestidade, transparência, plantar sonhos que tinha a ansiedade do município. Como o Festival era um sonho, como o Teatro, o Balé e outras atividades Esportivas e Culturais. Eu tenho sonhos maiores e quero realizar – sonhos de que a cidade tenha mais eventos culturais no Teatro, na Dança, mais eventos esportivos a nível regional. Eu sonho e tento fazer o melhor para a população. 

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner a dieta perfeita
banner vende apartamento II
Banner militares
Otica PetriU
Banner Graciliano Ramos
Banner Teori
Banner Einstein
Banner o fascismo
Banner Bolsonaro
Banner Psicologia