Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Avós não deseducam
  Data/Hora: 26.ago.2019 - 18h 30 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar
                             João Baptista Herkenhoff
                              Juiz de Direito aposentado (ES), escritor e avô
                              Email – jbpherkenhoff@gmail.com
                            Site: www.palestrantededireito.com.br
 
         Dizem que avós deseducam, mas não concordo com esta tese.
         Por que uma criança não tem o direito de dar mel ao gatinho,
         jogar pela janela os selos que o avô ciosamente colecionava,
         tirar do armário a grinalda que lembra à avó o dia do casamento para desfilar garbosamente pela casa com aquela coroa na cabeça?
         Os adultos comuns, adultos ordinários, estabelecem regras autoritárias
        que os avós, adultos especiais, adultos extraordinários, com muita sabedoria, revogam.
        O título de Avô é sumamente democrático.
        Podem ser avô o ministro, o embaixador, o industrial, o funcionário público, o comerciário, o gari.
         Quando o netinho ou a netinha sorri, o avô,
         seja rei ou súdito, rico ou pobre, brasileiro ou portador de outra nacionalidade, desmancha-se de alegria.
         Quando o pequenino faz uma arte criativa, o avô e a avó batem palmas incondicionais.
         Os avós não são importantes apenas no círculo da família.
        Exercem também um papel relevante na sociedade. Transmitem às gerações seguintes a experiência que a vida proporcionou.
         A experiência não é para ser guardada como bem individual.
         É patrimônio coletivo, como muito bem colocou o filósofo inglês Alfred Whitehead
         A aposentadoria é um direito assegurado por anos de trabalho,
        mas não tem de implicar, necessariamente, em encerramento de atividades.
        Pode apenas sinalizar redução de compromissos exigentes. São múltiplas as novas experiências possíveis.
       Que cada um encontre seu caminho. Que a sociedade não cometa o desatino de desprezar a sabedoria dos mais velhos.
 
 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Psicologia
Rose Bueno Acessórios
Banner as cidades tem alma
Banner Jorge amado
Otica PetriU
Banner Notre Dame
Banner Mirante
Banner Reforma da Previdência
Banner pedrão 2018
Banner Teori