banner coronavírus março

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Sensacional! UMA RESPOSTA POSSÍVEL
  Data/Hora: 27.ago.2019 - 19h 47 - Categoria: Mundo  
 
 
clique para ampliar

Por Moisés Mendes, via redes sociais...



Senhor Bolsonaro

Foto: Internet - Em junho deste ano, numa decisão surpreendente para as esquerdas e para a direita sempre impune do Brasil, o senhor foi condenado a pagar uma indenização de R$ 10 mil à deputada Maria do Rosário por ofensas graves e covardes.

Era a forma de reparação por danos morais, em última instância. Um valor insignificante, mas que pelo menos representava uma punição a um grupo sempre protegido pela Justiça, do qual o senhor faz parte.

A condenação previa também a publicação de uma nota de reparação com pedido de desculpas. Esse pedido deveria ser divulgado em jornais e redes sociais por ordem da Justiça.

Para relembrar, o senhor havia dito, em 2014, que a deputada Maria do Rosário não merecia ser estuprada porque a considerava "muito feia" e não fazia seu tipo. Algo que para mim é assombroso, porque nunca uma autoridade cometeria esse tipo de agressão aqui à França, mesmo os líderes da extrema direita. 

Fui informado agora, ao refletir sobre seu apelo para que eu pedisse desculpa por tê-lo chamado de mentiroso, que no dia 13 de junho o senhor publicou o que seria a nota de reparação. Mas, ao invés de pedir desculpas à deputada, o senhor repetiu tudo o que havia dito cinco anos atrás e ainda tentou justificar de novo os horrores da sua fala.

O senhor repetiu as ofensas, quando deveria admitir que havia errado. O senhor voltou a desafiar a Justiça que protege a direita brasileira e a atacar uma mulher forte, uma líder política, como atacou a minha esposa, sempre com o argumento de que são feias.

O que o senhor teme são as mulheres que podem representar alguma afronta às suas fragilidades de macho inseguro. Por isso atacou a deputada e agora riu da minha mulher, só porque ela tem mais idade do que eu.


Eu disse esses dias que o Brasil merece um presidente à altura do cargo. Seu país merece mais do que isso, o Brasil exige um homem de verdade em seu posto maior.
Li a nota em que o senhor agride a deputada e tive uma ideia. Vou usar sua tática e, ao invés de pedir as desculpas que o senhor deseja, vou reafirmar o que disse. Eu não devo explicações ao senhor e nunca fui condenado pela Justiça por ofensas tão repulsivas.

Por isso reafirmo. O senhor é mentiroso porque assumiu o compromisso, em conversa comigo, de cumprir os acordos de defesa do ambiente, e não tomou nenhuma providência quando os incendiários iniciaram a destruição da Amazônia, incentivados por seu discurso e suas ideias.


O senhor também é um mentiroso porque se elegeu mentindo. E porque descumpriu a decisão da Justiça e, quando deveria pedir desculpas à deputada Maria do Rosário, voltou a atacá-la covardemente.


O senhor gosta de atacar mulheres porque, para gente com o seu perfil e o seu caráter, incluindo seus filhos, elas são uma ameaça sempre presente, maior do que as representadas pelos homens.


Aproveito e peço desculpas aos que entenderam que, ao chamá-lo de mentiroso, eu fui brando demais diante das agressões, das violências, dos ódios e das discriminações que o senhor e sua família propagam.


Sem falsos abraços


Seu algoz francês


Paris, 27 de agosto de 2019.


(Sei que essa é a carta que muitos gostariam de ler, se Emmanuel Macron decidisse responder por escrito ao apelo de Bolsonaro para que peça desculpas.)

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner emprego
Banner Mirante
Rose Bueno Acessórios
Bassani
Banner Einstein
Banner violência se limite
Banner pedrão 2018