Vende-se apartamento no centro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Novos equipamentos da Divisão de Estudos fazem mapeamento a laser dentro e fora da Itaipu
  Data/Hora: 3.set.2019 - 16h 57 - Categoria: Itaipu Binacional  
 
 
clique para ampliar

Pegasus 2 Ultimate (P2U) permite medições dentro e fora da Itaipu e é o primeiro adquirido na América Latina. Ele foi comprado juntamente com a ScanStation P50, também usado para o mapeamento de alta precisão.

 

Da Assessoria - Fotos: Sara Cheida - A picape da Divisão de Estudos da Itaipu Binacional passa a 40 km/h sobre aquela estrada em construção. Acoplada a um suporte especial instalado na caçamba, uma máquina de mapeamento a laser faz uma leitura em 360° de todo o caminho percorrido. O material é levado para o escritório e gera um mapa tridimensional com várias informações necessárias para a equipe acompanhar a evolução daquela obra.

 

O equipamento, um Pegasus 2 Ultimate (P2U), é uma das duas novas aquisições da área para fazer medições dentro e fora da Itaipu. É o primeiro adquirido na América Latina. Ele foi comprado no início do ano junto com a ScanStation P50, um equipamento mais leve, que é afixado a um tripé e também é usado para o mapeamento de alta precisão, com alcance de até 1.000 metros.

 

Ambos os equipamentos utilizam a tecnologia de laser scanner para obter a distância entre o equipamento e os objetos de interesse. A partir de uma densificação de pontos medidos com o laser é possível obter dados que permitem a sua modelagem espacial. A frequência do laser é de classe 1 (de acordo com o padrão internacional), que garante segurança para os olhos de observadores.

 

De acordo com o gerente da Divisão de Estudos, João Paulo do Prado, os dois equipamentos serão usados nos trabalhos da área, como o acompanhamento das obras da ciclovia na Vila A e da Tancredo Neves, a construção da nova estrada de acesso ao Parque Tecnológico Itaipu (PTI), além de apoiar atividades de outras divisões da Coordenação e demais diretorias.

“A aquisição dos equipamentos coincide com a implantação do BIM na Itaipu”, explica João Paulo. A plataforma BIM (Building Information Modeling) permite criar modelos virtuais 3D em alta precisão e vai complementar a base atual, que utiliza a tecnologia CAD (Computer Aided Design), ou desenho assistido por computador, uma forma de representação em 2D feito no computador, e que domina o mercado desde a década de 80.

 

O projeto de substituição da nova tecnologia reúne 20 pessoas das três diretorias (Coordenação, Administrativa e Técnica) e fará uma transição histórica no modelo de elaboração de projetos de engenharia e arquitetura na Itaipu.

 

Um milhão de pontos por segundo

 

Para fazer uma leitura utilizando, por exemplo, com a ScanStation P50, o profissional arma o tripé e posiciona o equipamento no local de interesse. Então, ele faz algumas predefinições como a densidade dos pontos e a área de varredura.

 

O acionamento pode ser feito por um celular, a distância, para que a pessoa não fique em frente à câmera. Em funcionamento, a máquina consegue registrar um milhão de pontos por segundo, fornecendo uma leitura completa da área.

 

A título de comparação, atualmente em uma saída de campo, uma equipe de três pessoas registra, ao final do dia, cerca de 1.400 pontos utilizando a estação total – uma espécie de câmera que focaliza um prisma, a certa distância, para marcar o ponto. “Com mais pontos, teremos uma maior precisão das medições, com grande ganho de produtividade”, afirma João Paulo.

 

Integração entre diretorias

 

Tanto o P2U quanto a P50 serão utilizados em trabalhos com diferentes diretorias. Um exemplo é o mapeamento periódico da ciclovia da Vila A, obra executada por uma empresa terceirizada. Os dados gerados pela Divisão de Estudos permitem fazer o cálculo do volume de terra movimentado a cada intervalo de tempo. Esses dados são utilizados pela área gestora, a Divisão de Infraestrutura e Manutenção, para as medições.

 

De acordo com o gerente do Departamento de Interação Regional da Itaipu, Robinson Matte, “esses equipamentos serão utilizados para obtenção de dados de diversas obras em realização pela Diretoria de Coordenação, entre elas a segunda ponte entre o Brasil e Paraguai”.

 

O mapeamento para a elaboração da base de dados BIM das edificações, projeto coordenado pela Diretoria Administrativa, será realizado utilizando a ScanStation P50. Como projeto-piloto, o Escritório Central está sendo mapeado por uma empresa terceirizada utilizando um equipamento similar ao da Itaipu. O trabalho é coordenado pela Divisão de Infraestrutura da Itaipu.

 

“Iremos aproveitar este trabalho para aperfeiçoar nossos processos internos de captura, manipulação e disponibilização dos dados em conformidade com as necessidades dos nossos clientes”, conclui João Paulo.

 

A Itaipu

Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, mais de 2,6 bilhões de MWh. Em 2016, a usina brasileira e paraguaia retomou o recorde mundial anual de geração de energia, com a marca de 103.098.366 MWh. Em 2018, a hidrelétrica foi responsável pelo abastecimento de 15% de toda a energia consumida pelo Brasil e de 90% do Paraguai.

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Teia da operação
Otica PetriU
Banner Bertold Brecher
banner vende apartamento II
Banner as cidades tem alma
Banner Lei Lucas
Banner Notre Dame
banner idiota útil
Banner brasil
Banner violência se limite