Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Na Audiência Pública sobre à Casa de Custódia de um lado, muita argumentação – mas..., do outro a população faz barulho e diz não...
  Data/Hora: 2.out.2019 - 4h 37 - Colunista: João Maria  
 
 
clique para ampliar

Nesta audiência pública que tivemos ontem de manhã (01), junto ao Fórum da nossa Comarca, convocada pelo Ministério Público – tivemos duas realidades distintas.

 

No interior do Fórum com o tribunal do júri lotado, sobre o comando do Dr. Pedro Gabriel H. Almeida Machado, Promotor de Justiça, tendo ao lado o Dr. Ferdinando Scremin Neto, Juiz Titular da Vara Criminal e o Dr. Márcio de Lima, Juiz da Vara Civil, o que se via era explicação, ponderação, discussão calorosa é bem da verdade, - mas, em busca de uma solução, levando em consideração a superlotação da cadeia local e a dura realidade envolvendo a dignidade humana dos presos e a segurança da população.

 

Enquanto que, do lado de fora um número muito maior de pessoas que não puderam entrar devido à limitação de espaço, fazia barulho e gritava palavras de ordem em alto e bom som tipo: “não queremos cadeião”.

 

Ao ouvir as vozes que ecoavam do lado de fora contrastando com o que se discutia dentro do tribunal, composto por autoridades, lideranças, profissionais liberais e convidados selecionados já na entrada, fiquei me perguntando e tentando entender: o sentimento que move essa massa que não conseguiu entrar e pelo visto já tomou uma decisão, é de construir ou destruir?

 

Vendo as imagens no telão, onde o Dr. Ferdinando demonstrava a real situação da nossa cadeia construída na década de 70 e a realidade da superlotação carcerária trancafiada naquele espaço como lixo humano – meu pensamento voava e me lembrei das lições do Mestre onde Ele nos diz: “Sabemos tão pouco sobre nós mesmos, como se arvorar em senhores da verdade e do destino alheio”?

 

O Promotor de Justiça, Dr. Pedro, explicou que inicialmente essa data do dia 01 de outubro, estava previamente agendada para uma reunião relacionada à segurança pública com todos os órgãos envolvidos neste setor. Ocorre que um dos assuntos mais em voga relacionado à segurança pública no momento é a discussão a respeito da construção de uma casa de custódia no município de São Miguel do Iguaçu/PR, sendo que muitos cidadãos têm mencionado que essa situação merece uma discussão maior”, explicou.

 

“Em conversa com Dr. Ferdinando, surgiu à ideia de converter a reunião em uma audiência pública, justamente para se atender aos pedidos da população sobre uma melhor discussão a respeito da construção desta casa de custódia em São Miguel do Iguaçu”, explicou.

 

Em seguida, o Dr. Ferdinando lembrou que devido as constantes transferências de presos de São Miguel para Foz, o DEPEN lhe procurou dizendo que uma das soluções para acabar com a superlotação da cadeia de São Miguel, seria a construção de uma Casa de Custódia com recursos do governo federal que já se encontram disponível.

 

“Vejam vocês que isso não é uma invenção nossa e sim, algo que nos foi proposto para solucionar esse problema local que é urgente e necessita de uma solução. Vejam que a cadeia de São Miguel foi construída há várias décadas para abrigar 16 presos e hoje se encontra em condições precárias sem as mínimas condições”, ressaltou, demonstrando na sequência num telão as condições em que a mesma se encontra. E, no mesmo telão repassou imagens de como funciona a recente Casa de Custódia de Foz com amplo espaço e as condições de ressocialização dos presos e a sua consequente reinserção na sociedade.

 

Segundo Marcos, Diretor do DEPEN da Unidade de Foz, a casa de custódia que ele comanda abriga 1024 presos – sendo que, 50% desses que lá estão trabalham e produzem dentro do presídio. “Nossa preocupação é que esses presos consigam cumprir a sua pena com dignidade e que consigam se reintegrar a sociedade – reintegração essa que não será possível com o preso ficando nas condições em que se encontra na cadeia de São Miguel, que mais parece um canil”, asseverou.

 

Vários oradores fizeram uso da palavra, entre eles o prefeito Claudiomiro da Costa Dutra (que pelas manifestações que se ouviu do lado de fora e o aumento dos decibéis enquanto discursava) – não está gozando no momento de muita afinidade com a população – e nas próximas reuniões como esta, seria importantíssimo que antes de pedir para falar fizesse um profundo exame de reflexão, tipo: “minha virtude no momento está em falar ou calar”.

 

Segundo ele, ninguém está querendo colocar goela abaixo à construção desta casa de custódia – só não explicou como é que ele já publicou no diário oficial do município um Decreto de Desapropriação de uma área de 40.000m2 para a sua construção, antes mesmo de enviar o Projeto para o Legislativo e uma ampla discussão com a sociedade’.

 

“Essa é a solução que o governo federal e o governo do Estado estão nos proporcionando para solucionarmos o problema de segurança em nossa cidade”, disse ele, ressaltando – “com que cara os futuros administradores poderão voltar a solicitar apoio do Governo do Estado com relação a Segurança Pública em nossa cidade se estamos dizendo não a esse apoio que estão nos dando nesse momento? Quem for contra, que aponte solução”, desabafou.

 

Depois de ouvir vários setores, entre os quais o Comando do Batalhão de Fronteira; Polícia Civil e a Pastoral carcerária local entre outros, o Dr. Pedro abriu espaço para o outro lado, para os representantes da população.

 

O primeiro a falar e contrariando todos os argumentos apresentados até então, foi o advogado Dr. Ijair Vamerlati que iniciou enaltecendo e valorizando o trabalho do Dr. Ferdinando que, no seu ponto de vista, tem ido muito além do dever de ofício como Juiz da Comarca, trazendo para o debate questões como essa que diz respeito à vida de todos nós. “Que fique bem claro que não estamos duvidando da sua boa intenção e da sua boa vontade Dr. Ferdinando. São poucas pessoas que passam por aí e tem a sua iniciativa, que tem a sua coragem de trazer esses assuntos para o debate público”, pontuou, para em seguida dizer o que pensa a respeito dessa construção.

 

Lembrou que antes de toda e qualquer decisão, esse é um debate que tem que passar por uma ampla discussão junto à sociedade. “Quando se fala em cadeia pública, em casa de custódia, no Brasil inteiro todo mundo se arrepia – ninguém quer. Por que ninguém quer? Ninguém quer devido aos efeitos nefastos que a construção de uma cadeia pública traz para qualquer município. Isso é sem exceção”, afirma.

 

Segundo ele, recentemente teve o cuidado de analisar a situação de todas as casas de custódia construídas no Estado do Paraná e todas, sem exceção estão superlotadas e com sérios problemas de administração. “Todas com sérios problemas internos, sem tratamentos médicos, com falta de funcionários a disposição do sistema e com constantes fugas”, sugerindo que se faça um profundo estudo do impacto que a construção dessa casa de custódia vai causar, ante da sua aprovação.

 

Lembrou que todos os municípios vizinhos não querem uma cadeia pública. A questão, segundo ele, não é ser contra a instalação de uma Casa de Custódia em São Miguel do Iguaçu. A questão é ser contra sem que haja um breve estudo de impacto econômico e o que isso vai causar na nossa região.

 

“As referências que se tem de uma cadeia pública são todas iguais – superlotação, abandono do Estado, ineficiência, falta de segurança e problemas de toda e qualquer ordem como fugas, rebeliões, sempre colocando em risco a sociedade”, reiterou.

 

Na mesma linha de raciocínio se posicionou a advogada Evelyne Paludo, lembrando que a execução da pena não é responsabilidade do município e sim, responsabilidade do Estado. Questionou a formação da mesa com integrantes só de um lado. “Em audiências públicas temos que ouvir os dois lados e não é difícil fazer isso – basta fazer dois minutos de silêncio para que a gente escute o que a população de São Miguel quer”, ressaltando que buscar verba para uma casa de custódia é diferente é diferente de buscar verbas para segurança pública, contestando o prefeito municipal, lembrando que São Miguel do Iguaçu é responsável por apenas 60 presos.

 

No seu ponto de vista, não se justifica aumentar essa responsabilidade do município para mais 650 presos. Sobre o aeroporto que o prefeito havia mencionado antes que estava trazendo o Grupo Águia para um dos hangares, lembrou que desde o dia 05 de agosto de 2018 existe uma decisão na Justiça que determina a devolução do mesmo que nunca foi usado par o bem do município e que a família Maggi deve devolver R$ 4.000.000,00 aos cofres públicos. “Talvez esteja aí o dinheiro que o município precise para reformar a cadeia pública do município para 60 presos. E daí prefeito se o senhor me pergunta com que cara vai pedir recursos ao Governador do Estado – com a cara de um gestor público que cobra do Governador uma responsabilidade que é dele constitucionalmente falando”, ponderou.

 

O advogado Sandro Marcon, membro do Conselho da Comunidade reforçou os argumentos do Dr. Ijair e da Dra. Evelyne, lembrando que projetos como esses vêm prontos, mas não prevê o número de pessoas que vão trabalhar nele. “Isso que foi mostrado aqui no telão é responsabilidade do Estado e não há garantia nenhuma que o Estado fará isso”, ressaltando que se fosse fazer, ele já teria feito em todas as delegacias e cadeias públicas que existem por aí – “a população de São Miguel tem que ser ouvida, se ela quer ou não essa construção”.

 

O Pastor Marcos, por sua vez, ressaltou que para não cair no seu achismo, foi buscar informações cientificas junto a teses de doutorados e mestrados que se encontram a disposição nas redes sobre o impacto da construção de uma cadeia pública, ou casa de custódia em cidades pequenas. “Os impactos que se iniciam com a implantação do canteiro de obras, bem como o aumento da população flutuante/visitantes, geralmente resultam nos seguintes impactos negativos: invasão de áreas para fixação de residências precárias; geração de conflitos entre a população local e a flutuante; crescimento da criminalidade; acúmulo de lixo nas áreas urbanas; crescimento das redes de prostituição, especialmente, de adolescentes; aumento da demanda por serviços de saúde, transporte urbano, educação e assistência social; aumento da gravidez de adolescentes e surgimento de “filhos da obra”, ou da população flutuante; aumento do consumo e do tráfico de drogas; aumento do custo de vida”, descreveu.

 

Na sua visão, é muito preocupante a construção de uma casa de custódia. “Nós temos uma bomba relógio hoje em São Miguel com 70 presos, num espaço que era para 16. Essa bomba é um dinamite grudada a um relógio. No momento que essa bomba for com mil, dois mil presos num espaço para 700, essa bomba relógio se transforma numa bomba atômica”, pontifica.

 

O advogado Edson da Costa, falando em nome da ACISMI – Associação Comercial, Industrial e Agrícola de São Miguel do Iguaçu e da maioria dos empresários da cidade, bem como da sua família, lembrou que: “os empresários se sentem ameaçados por esse projeto. Não queremos que futuramente tenhamos que ir embora de São Miguel por uma escolha errada no presente. Somos contra esse projeto e gostaríamos que a nossa vontade fosse respeitada”.  

 

O vereador Wando da Garagem, o último a fazer uso da palavra, pelo visto, não gostou nada do que aconteceu nesta audiência pública. Nos seu ponto de vista o que viu “foi desacato à autoridade”, referindo-se ao barulho que a população fez do lado de fora quando os que defendiam a construção dessa Casa de Custódia fazia uso da palavra. “O que vi aqui foi discurso político de vários pré-candidatos...”, disse ele.

 

Se o seu prognóstico estiver certo, tudo indica que a oposição vai fazer barba e cabelo na próxima eleição, tendo em vista que a maioria esmagadora vem se manifestando publicamente contra essa construção. 

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner pedrão 2018
Banner a dieta perfeita
Banner militares
Otica PetriU
banner idiota útil
Banner Bertold Brecher
Banner outubro rosa
Rose Bueno Acessórios
Banner Mães Fortes
Banner fotógrafo premiado