Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Nassif mostra como Carlos Bolsonaro entra no foco central do caso Marielle
  Data/Hora: 17.nov.2019 - 7h 37 - Categoria: Brasil  
 
 
clique para ampliar

"A troco de quê Carlos insistiu no álibi da sua presença na Câmara de Vereadores, e não em sua casa? Provavelmente porque, àquela hora, dois assassinos de Marielle estavam em reunião na casa e Ronnie Lessa, no mesmo condomínio", Luis Nassif, do Jornal GGN.

 

Via 247 - O jornalista Luis Nassif, do Jornal GGN, escreveu neste sábado (16) artigo apontando elementos que colocam o vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ) no centro das investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco e do seu motorista Anderson Gomes no dia 14 de março de 2018. 

 

Nassif lembra que no dia seguinte à reportagem do Jornal Nacional que trouxe a revelação do porteiro do condomínio de que o ex-PM Elcio Queiroz tinha ido para a casa de Jair Bolsonaro, Carlos Bolsonaro mostra os vídeos com as chamadas da portaria do seu condomínio. 

 

No segundo deles, Carluxo mostra uma chamada para a sua casa, no condomínio. Mostra o horário, de 17:58 e o diálogo com o porteiro. “Seu Carlos, é o Uber”, avisa o porteiro. “Opa. Valeu. Obrigado”, responde o filho do presidente”.

 

"Ali, ele, sem perceber, detona seu primeiro álibi: o de que, na tarde da morte de Marielle, ele estava em sessão na Câmara de Vereadores. No vídeo da sessão daquele dia, é possível conferir sua presença às 3 horas e 8 minutos de gravação. Era 17:30. Da Câmara de Vereadores ao condomínio dos Bolsonaro, não se vai por menos de 50 minutos. Uma consulta ao sistema do Uber poderá mostrar para onde Carlos Bolsonaro foi conduzido", escreve Nassif. 

 

"A troco de quê Carlos insistiu no álibi da sua presença na Câmara de Vereadores, e não em sua casa? Provavelmente porque, àquela hora, dois assassinos de Marielle estavam em reunião na casa e Ronnie Lessa, no mesmo condomínio", acrescenta o jornalista. 

Leia o texto na íntegra no Jornal GGN

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner itaipulândia julho
Bassani
Banner Mirante
Banner laranja
Banner pedrão 2018
Banner Einstein
Rose Bueno Acessórios
banner vende apartamento II
Banner Lei Lucas
Banner violência se limite