Banner educação

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Médica relata que foi agredida e ameaçada verbalmente pelo Vereador Vanderlei dos Santos
  Data/Hora: 23.jan.2020 - 15h 3 - Colunista: João Maria  
 
 
clique para ampliar

O fato teria ocorrido no dia 19 de dezembro no Posto de Atendimento Gaúcha. Segundo a Dra. Sarah Maria Gomes Rocha, médica pelo programa Mais Médico para o Brasil, ela foi agredida e ameaçada verbalmente pelo cidadão Vanderlei dos Santos. “Ele se apresentou na recepção como vereador Vando da Garagem, dizendo que estava naquele estabelecimento para cumprir seu papel de “fiscal da população” devido a uma queixa de omissão de socorro da minha parte”, relata Sarah.

 

Segundo ela, sem ao menos ouvi-la sobre a suposta situação de omissão de socorro, o vereador visivelmente descontrolado adentrou perguntando quem era a médica. “Eu me apresentei como a médica da Unidade e ele imediatamente iniciou um discurso em tom elevado no meio da recepção alegando que eu havia cometido o crime de omissão de socorro”, salientando que em momento algum ele solicitou que conversássemos em privado para que ela pudesse dar a sua versão sobre os fatos.

 

Segundo a Doutora, o mesmo continuou dizendo que iria lhe denunciar junto ao CRM e que iria abrir uma auditoria. “Simultaneamente começou a gritar que os demais médicos da cidade também realizavam um serviço incompetente e que isso iria acabar”, descreve.

 

“Em tom conciliatório perguntei a ele se poderia relatar o ocorrido, se poderia dar a minha versão. Ele me respondeu que a vez de falar era dele e que eu deveria ouvir calada”, ressaltando que aguardou sentada enquanto ele repetia inúmeras vezes “que eu era incompetente e irresponsável e que a falta de vergonha dos médicos em São Miguel estava prestes a acabar”.

 

“Após o mesmo acabar de falar, relatei os fatos ocorridos e ao invés dele se acalmar e pedir desculpa por se tratar de um engano, o mesmo ficou mais agressivo e começou a andar na minha direção gritando que não interessava com quem eu estava falando no telefone, ou se o paciente não era grave, se tinha algum paciente no posto, eu poderia estar falando com o Papa”, pontifica.

Ao ver a agressividade do vereador, as funcionarias do posto o rodearam e tentaram acalmá-lo e impedindo-o que ele se aproximasse mais da minha mesa. “Pedi calma dizendo-lhe que estava se excedendo”, relata a funcionária Clair.

 

Na tentativa de apaziguar o vereador a funcionária Raquel da Silva Rauber, disse que sua filha havia passado pela UBS naquele mesmo dia mais cedo, passando mal e com febre, e mesmo assim, foi à sexta a ser atendida, tentando explicar ao vereador sobre o fluxo da unidade. “Com ar de deboche perguntou o que eu fazia ali. Disse a ele que trabalhava na área de limpeza e de forma pejorativa e preconceituosa ele me humilhou mandando eu me ater às minhas funções”.

 

Após essa ação preconceituosa que deixou todos no local sem ação, a funcionária Roselia Vieira, tomou a dianteira para se pronunciar em defesa da médica e das funcionárias – Vando apontou o dedo na face da funcionária mandando-a que a mesma se calasse dizendo: “o que é seu já estava guardado, virando-se para Raquel repetindo a ameaça e disse para à médica que ela não perdia por esperar”.

 

Em contato com o Diretor de Saúde, Claudecir Damião, para saber quais as providências que a Secretaria de Saúde está tomando a respeito desse caso e ele me informou que o Secretário de Saúde já tem conhecimento disso e que providências estão sendo tomadas. “Ele não está aqui no momento – mas vou comunicá-lo que você ligou e que está fazendo uma matéria a respeito e em seguida ele deve te retornar”, afirmou Damião. Até o fechamento desta edição, não recebemos retorno.

 

Pelo o que pudemos apurar, pelo visto a Secretaria já tomou uma decisão, tendo em vista que hoje a médica não atende mais no Unidade Básica da Gaúcha - 15 dias depois do ocorrido ela foi transferida para o Posto de Aurora do Iguaçu. “Tudo indica que o vereador passou por bom moço junto a Secretaria de Saúde e a médica que corretamente estava fazendo o seu trabalho foi transferida para uma Unidade do interior como uma forma de punição” me disse uma funcionária que por motivos óbvios pediu para não se identificar.

 

Hoje pela manhã, pelo aplicativo WatsApp, solicitei ao Vereador que nos desse a sua versão com relação a esse caso. As 10:34 ele retornou dizendo que em seguida nos mandaria uma resposta – mas, até o fechamento desta matéria a resposta não veio.

 

Sobre essa ocorrência foi registrado um BO na Delegacia de Polícia e já foi marcada uma audiência de conciliação para o próximo dia 27 de fevereiro.

 

Segundo a Doutora, através de comunicado enviado a Secretaria de Saúde, do qual tivemos acesso – “no mesmo dia dei entrada pelo UnaSus ao meu pedido de remanejamento de município, por não me sentir mais segura neste, e porque pretendo levar até o final todo o processo em todas as instâncias cabíveis”.

 

Logo após essa matéria circular, o Vereador Vando nos mandou por aplicativo a sua versão que segue:

 

 

Primeiramente, gostaria de esclarecer a respeito dos fatos veiculados na notícia, que no dia 19 de dezembro, recebi o comunicado de um pai desesperado com sua filha passando muito mal na Unidade Básica de Saúde - Gaúcha, onde me foi relatado que a médica responsável pela unidade - Dra. Sarah Maria Gomes rocha, em tese, havia se omitido ao atendimento, sendo que, a paciente teria sido instruída a procurar o Pronto atendimento Municipal.

 

Após este comunicado, me dirigi até a unidade de saúde, cumprindo o meu papel de fiscalizar e cobrar qualquer conduta que venha a prejudicar a população a qual me confiou o mandato de vereador em exercício.

 

Ocorre que, para minha surpresa, ao adentrar na unidade básica de saúde (Gaúcha) e solicitar informações a respeito da suposta omissão de atendimento médico, me deparei com algumas servidoras que, ao invés de me prestarem as informações devidas, iniciaram uma série de agressões verbais com tom de voz elevado, proferindo palavras de baixo calão, as quais prefiro não relatar nesse momento.

 

 Sobre as mentiras propagadas em meu desfavor, digo que tenho consciência que agi dentro da legalidade e em prol de uma cidadã são Miguelense, reiterando que adotarei a mesma conduta caso ocorra qualquer lesão a direitos de nossos cidadãos.

 

 Ressalto que responderei a qualquer processo de cabeça erguida e na certeza de que cumpri o meu papel como Legislador e fiscal da lei, destacando que estarei sempre em defesa da população.

 

Reafirmo que nunca proferi ameaças ou qualquer tipo de hostilidade a qualquer servidor público. Digo ainda que todos conhecem minha conduta e meu empenho em buscar sempre uma Saúde de qualidade a cada cidadão.

 

 

  • Volmer Tschinkel
    Volmer Tschinkel Engraçada que esse nobre vereador pode adentrar nos postos de saúde e outros locais públicos par dizer que está fazendo seu papel em fiscalizar os atos do Executivo. Já o atual presidente e Vice da Câmara , os dois, foram impedidos para adentrar ao pátio de máquinas para fiscalizar. Por incrível que pareça. Nesse caso,ao que parece, fez uso do abuso de poder e sem urbanidade alguma ao falar com as servidoras públicas.
    •  
    •  
    •  
    •  
  • Volmer Tschinkel
    Volmer Tschinkel Como sugestão ao nobre vereador, que tem sua função primária em fiscalizar o Executivo, ele poderia cobrar explicações do Executivo por que ainda não instalaram o tomografo doado ao município no ano de 2017.
     
    •  
    •  
     
  • Mario Cesar Costa
    Mario Cesar Costa Mandou bem Tshinkel
     

     

     
    •  
    •  
     
  • Poliana Justo Schemmer
    Poliana Justo Schemmer Obviamente que o vereador em questão agiu com total falta de respeito e ética ao abordar a médica dessa forma, contudo, sem defendê-lo de forma alguma, e também sem rechaçar a médica a qual sequer conheço, mas eu já tive uma PÉSSIMA experiência quando uma única vez precisei do atendimento público de saúde aqui em smi. Minha filha estava desmaiada e convulsionando e fui atendida por um médico totalmente despreparado e com total falta de humanização tanto do médico quanto da equipe de enfermagem, que agia como se estivesse me fazendo um
    Favor. Não gosto nem de lembrar desse dia! E lamento profundamente que em um município onde há arrecadação como o nosso, onde poderiam ter excelentes profissionais atuando na área da saúde, submeter a população a esse tipo de atendimento desumano e despreparado.
    •  
    •  ·
    •  · 
    •  · 
     
  • Cleo Cléia
    Cleo Cléia Eu tbm precisei levar um bebê ao pronto atendimento ,o médico sequer levantou da cadeira p examinar a criança e me passou uma receita médica q daria p a vida inteira ,simplesmente baseado em suposições
    •  
    •  · 
    •  · 
     
  • Cleusa Maria Teixeira
    Cleusa Maria Teixeira Lembrando q esse ano é ano de eleição neh. Aí começa a aparecer os caça votos Kkkk kkk. Cuidado.
    •  
    •  · 
     
  • Vanderleia Moretto Claudinei
    Vanderleia Moretto Claudinei Ele pode não ter feito o certo mas relembrado que não é a primeira vez que essa doutora causa problemas nesse posto de saúde, acho que ele tem que vim aqui na Santa Rita pra ver como o Dr daqui trata os pacientes feito cachorrro
    •  
    •  · 
    •  
 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Rose Bueno Acessórios
Banner Einstein
Banner laranja
Banner Notre Dame
Banner itaipulândia julho
Banner violência se limite
Banner conar
Bassani
Banner Mirante
Banner Lei Lucas