Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Quem não suspeitar da “troca de tiros” que matou Adriano da Nobrega ou é muito ingênuo ou muito safado
  Data/Hora: 10.fev.2020 - 8h 4 - Categoria: Policiais  
 
 
clique para ampliar

Fonte: Blog do Rovai - A pergunta que se deve fazer quando alguém procurado e investigado e é morto é a quem interessa o cadáver?

 

O capitão miliciano Adriano Magalhães da Nobrega foi assassinado na madrugada deste domingo. A notícia é que o fato se deu numa “troca de tiros”.

 

Ele é um dos envolvidos e investigados na morte de Marielle Franco e, segundo investigações do Ministério Público, suas contas bancárias foram usadas para abastecer Fabricio Queiroz, o operador financeiro de Flávio Bolsonaro no famoso caso das rachadinhas.

 

Mas o currículo de Adriano vai além disso, foragido desde janeiro do ano passado, ele é apontado como chefe do grupo de matadores de aluguel, “Escritório do Crime.

 

A despeito de tudo isso não foi incluído por Sérgio Moro entre os foragidos perigosos que deveriam ser procurados com prioridade pela Polícia Federal.

 

O que deixa claro que não interessava ao governo Bolsonaro prender Adriano.

 

A morte de Adriano aconteceu numa troca de tiros. Ele não foi preso. Ele foi morto.

 

A pergunta que se deve fazer quando alguém procurado e investigado e é morto é a quem interessa o cadáver? Quem se beneficia com a sua morte? Por que uma pessoa com tantas informações seria eliminada?

Quem matou Adriano foi o PM ou o policial civil que atirou? Essa é a pergunta que deve ser feita.

 

Porque troca de tiros desde sempre foi o subterfúgio utilizado por operações militares para matar “terroristas” ou pessoas que o sistema achava perigosas para o seu interesse.

 

Na ditadura militar, não foram poucos os que caíram em trocas de tiros. Marighella foi um deles, diga-se. E não cabe qualquer comparação com Adriano da Nobrega.

 

Também não cabe aqui fazer afirmações peremptórias, mas quem não suspeitar da forma como se deu a morte de Adriano da Nobrega ou é ingênuo ou é pilantra.

 

Os policias que participaram desta operação têm que ser investigados a fundo. É preciso varrer a vida de cada um deles, é preciso saber quem estava no comando, é preciso checar a conta bancária deles e seus familiares. E isso cabe aos governadores do Rio de Janeiro e da Bahia, já que se tratou de uma operação conjunta das policias desses estados.

 

O advogado de Adriano da Nobrega já fala em queima de arquivo. Ou seja, deixa claro que foi assassinato. Como eram assassinados aqueles que tombaram em troca de tiros na ditadura.

 

A PF não vai se meter nisso, como já não tinha se metido por ordem direta de Sérgio Moro.

 

 

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Lei Lucas
Calendário eleitoral
Otica PetriU
Banner Mirante
banner março 2020
Banner pedrão 2018
Banner Notre Dame
Banner conar
Bassani
Banner emprego