Vende-se apartamento no centro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
ERRO DE MARX
  Data/Hora: 25.fev.2020 - 14h 18 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Juarez Alvarenga

 

                Desde as eras primitivas o homem vive em sociedade. Porém até hoje conserva o seu egoísmo econômico. Do qual se deduz que o socialismo é uma camuflagem teórica longe do homem concreto. As arestas do qual se olha o socialismo percebem uma distorção evidente do gênero humano. Defeitos vitalícios humanos impedem que teorias solidarias tenham sobrevida no contexto social.

 

        Este sistema é proveniente de momentos históricos oportunos e de mitos políticos personalizados e também do inconformismo momentâneo de inquietação do capitalismo, gerando este regime extremamente impositivo.

 

        É um sistema arrogante, imperativo, utópico de uma falsa leveza humanística e de pouca funcionalidade. Nascido da genialidade de Marx criando filigranas e acrobacias teóricas sem respaldo no pragmatismo social.

 

        Marx nos seus compêndios dividiu o mundo em duas classes. A classe dominante proveniente de dádivas naturais e os oprimidos nascidos no vácuo. Este extremismo é a premissa de seu argumento. A ditadura do proletariado iria unificar as classes. Neutralizaria potencialidades individuais e monopolizaria os meios de produção. O que vemos no mundo contemporâneo são as exacerbações dos talentos individuais. Sobrepondo as antigas elites, alternando o poder e descaracterizando rótulos, substituindo os poderes hereditários pelo poder derivado da conquista e do sacrifício. O novo individualismo cria uma nova casta de vencedores. Sucumbe as elites anacrônicas alternando substancialmente as posições e gerando um cosmo social diferente dos antigos dogmas.

 

        Se o gênio Marx vivesse hoje ficaria estarrecido com o novo formato da sociedade. Hoje temos três classes provenientes de uma nova dinâmica social. A primeira os vencedores do passado que perderem espaço e poder. Agonizando no tempo presente esta classe perdeu as dádivas patrimoniais herdadas e niveladas intelectualmente ao restante da sociedade ficando sem antigo diferencial que gerava poder absoluto e incontestável em tempos pretérito.

 

        Os segundos são os novos vencedores vindos principalmente do comercio. Começaram do nada ampliando substancialmente seus patrimônios e agora estão prestes a tomar o poder político.

 

        E finalmente os que solidificaram no tempo permanecendo no piso social. Sem dádivas patrimoniais de seus ancestrais e sem talentos não conseguiram ascender socialmente. Para estes só restam acreditar na evolução simétrica do capitalismo. Submergindo esta classe só poderá elevar para superfície com uma esquerda de resultados. O capitalismo sem resistência cai no desumanizo. Para muitos estudiosos o negocio não e parar o capitalismo, mas conter sua velocidade. Mas para nós isto iria emperrar a produção, restando então colocar o capitalismo ladeira abaixo para que possa adquirir velocidade de formula 1, beneficiando os retartadarios  com a dinâmica da economia. Para isto deverá existir uma esquerda reivindicatória e não ideológica.

 

        O capitalismo do século XIX época de Marx é totalmente diferente do capitalismo contemporâneo. Fazendo uma analogia o capitalismo da época de Marx era da escada natural, ou seja, com degraus estáticos com barreiras impedindo a mobilidade social chegando a ser um anestésico e a vida econômica era um fato consumado.

 

        O capitalismo moderno é da escada rolante onde o degrau de baixo ascende aos degraus de cima em alta rotatividade e mobilidade social ampla e acelerada e a vida moderna não tem donos como antigamente, mas conquistadores.

 

        O capitalismo contemporâneo o dinheiro está mudando de mãos. A riqueza deixou de ser uma dádiva sobrenatural para ser uma conquista diária vinda do sacrifício e da luta.

 

        No capitalismo moderno o trabalhador tem horizontes na época de Marx o proletariado era anestesiado pelo capital e a vida econômica um fato consumado. Por isto a reação radical do gênio Marx com suas teorias acrobáticas cientifica, porém distante da natureza humana.

 

        A razão do homem é antagônica com a razão do socialismo. O individuo é parte que vive dentro da sociedade, mas não vive para sociedade.

 

        Plantar sementes boas em campos inférteis é o destino do socialismo. São semente estéticas, porém estéreis. Devemos então aproveitar os talentos individuais fazendo refletir no todo.

 

JUAREZ  ALVARENGA

ADVOGADO E ESCRITOR

R: ANTÔNIO  B.  FIGUEIREDO, 29

COQUEIRAL      MG

CEP: 37235 000

FONE: 35 91769329

E MAIL: juarezalvarengacru@gmail.com

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Otica PetriU
Banner conar
Banner Einstein
Bassani
Banner laranja
Banner Mirante
Banner Lei Lucas
Calendário eleitoral
Rose Bueno Acessórios
banner março 2020