Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Empresa, comunidade humana
  Data/Hora: 19.mar.2020 - 13h 23 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

João Baptista Herkenhoff, Juiz de Direito aposentado (ES) e escritor - Email – jbpherkenhoff@gmail.com

 

Comunidade é o agrupamento que se caracteriza por uma forte coesão, baseada no consenso espontâneo dos indivíduos.

 

A empresa é uma comunidade humana, vale dizer, a empresa é uma instituição em que as pessoas devem dar-se as mãos.

Por dois caminhos poderemos transformar as empresas em comunidades humanas – pelas reformas estruturais e pelas relações humanas no trabalho.

 

         Da reforma estrutural da empresa, disse João XXIII:

“Deve-se tender para que a empresa se torne uma comunidade de pessoas, nas   relações, nas funções e na situação de todo o seu pessoal.”

 

O comunitarismo cristão fundamenta-se numa concepção solidária do mundo, na ideia básica de que os homens não foram postos na Terra para se devorarem uns aos outros, como lobos vorazes, mas para mutuamente se ajudarem.

 

          No setor da empresa, a doutrina comunitarista  pretende     fazer de cada unidade industrial, comercial ou agrícola, aquela comunidade de pessoas “nas relações, nas funções e na situação de todo o pessoal”, como disse João XXIII.

 

           O advento do solidarismo implicará na integração dos trabalhadores à empresa, pela participação na propriedade, na gestão e nos lucros dos estabelecimentos.

 

   Ao lado das reformas de estrutura, um caminho bem menos cheio de dificuldades práticas pode também fazer com que a  empresa se aproxime do ideal de se construir numa “comunidade humana”.

 

Refiro-me às relações humanas no trabalho, programa de ação que consiste em impregnar de fraternidade o ambiente dos bancos, das fábricas, do comércio.

 

As relações humanas não têm origem e finalidade  utilitárias. mas se baseiam na dignidade da pessoa humana.

 

As relações humanas devem tender para uma etapa associativa, através do respeito e do diálogo, dando responsabilidade ao operário, na marcha da empresa, e tratando-o  como ser humano, e não como coisa. 

         Certamente, a reforma de estrutura das empresas  e um programa de relações humanas competem aos líderes da  indústria e do comércio. Mas não apenas os que comandam têm sua parcela na consecução dos objetivos apontados.

 

Todos devemos atuar no mundo em que vivemos.

Meditando sobre este  fato, Michel Quoist  escreveu uma das mais belas páginas dos “Poemas para rezar”: 

        “O pedreiro deitava o tijolo na camada de cimento.

         Manejando a pá com segurança, lança-lhe por cima  outra camada.

          E, sem pedir-lhe opinião, punha por cima outro tijolo. As paredes cresciam a olhos vistos, a casa ia   elevando-se alta e sólida para abrigar os homens.

          Tenho pensado, Senhor, nesse pobre tijolo,    enterrado ao pé da grande casa.

           Ninguém o vê, mas ele desempenha bem seu papel e os outros precisam dele.

           Senhor, não importa que eu esteja na cumieira     da casa ou em seus alicerces, contanto que eu seja fiel à  Tua construção.”

 

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner itaipulândia julho
Calendário eleitoral
Banner Lei Lucas
Banner Notre Dame
banner vende apartamento II
Banner pedrão 2018
Banner Mirante
Banner Einstein
Banner emprego
Bassani