Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Acidente que vitimou o nosso Grande Amigo Paulo Prestes – Vitor Hugo finalmente foi pronunciado...
  Data/Hora: 20.mai.2020 - 4h 12 - Colunista: João Maria  
 
 
clique para ampliar

A decisão é do dia 15 de maio. Depois de 3 anos, 2 meses e 20 dias, finalmente Vitor Hugo foi pronunciado e será submetido ao Tribunal do Júri para que os jurados decidam se ele é culpado ou inocente sobre o acidente que vitimou o nosso GRANDE amigo Paulo Prestes na madrugada do dia 25 de fevereiro de 2017, às 4h30, na BR-277 em cima do viaduto em frente ao Queens, em Medianeira.

 

Lembra a advogada Daniella Sereni que ao lado de Evelin Pavelski, são as assistentes de acusação de que “o Vitor Hugo ainda pode recorrer ao Tribunal de Justiça sobre essa decisão. Mas ter a pronúncia já é um bom passo processual”, salientando que a CNH do Vitor Hugo continua suspensa: “Pedimos a colaboração de todos para que se alguém ver ele dirigindo chame a polícia, filme ou tire fotos com a data e repasse ao MP ou a mim e a Evelin Pavelski, que somos assistente de acusação. Pode ser encaminhado no e-mail dssereni@gmail.com. É um descumprimento de ordem judicial e não pode passar impune”.

 

Ainda sobre esse acidente, coincidência ou não, em cima de um viaduto cercado de muro pelos dois lados – onde, ele certamente viu o carro que vinha na contra mão em sua direção – mas não teve como jogar a sua Potente Moto para fora da pista para escapar de um veículo paranoico e silenciador...

 

Faço questão de lembra-lo como um Grande Amigo por que por muitos anos fomos vizinhos de trabalho e praticamente todos os dias nos encontravamos pelos corredores do prédio da Rua Farroupilha, onde ainda possuo um apartamento – a sala do Jornal já me desfiz...

 

A exemplo de muitos e muitos leitores do nosso Jornal, ele tinha um apreço muito grande pela nossa Redação e certo dia, com o seu costumeiro sorriso, me visitou e disparou: “como é que eu faço para adquirir esse teu hábito de escrever diariamente artigos e comentários tão producentes como você faz?”.

 

Eu disse a ele: Dedicação, amor pela leitura que é a semeadura da onde colhemos o que escrevemos e muito preparo físico... Como você já gosta de ler por que também já escreve bem como advogado, deveria iniciar uma atividade física que pode ser fazer exercícios numa academia, jogar bola, andar, correr ou pedalar de bicicleta...

 

Dois dias depois, lá estava o Paulo andando de bicicleta e nos mandando boletins quase que diário do percurso que estava fazendo, sempre aumentando a duração do percurso... E os textos, nascendo quase que diariamente nas redes sociais... Escreveu tanto que foi expulso da Comunidade São Miguel que havia ajudado a construir e iniciou o seu próprio espaço nas redes sociais...

 

Coincidência ou não, me lembro como se fosse hoje, o que aconteceu, cerca de 20 dias antes do “trágico acidente” que ceifou a sua vida.

 

Eu estava saindo do prédio, por volta das 09h30, e na portaria, ele com o seu habitual sorriso, me cumprimentou. E ao se virar para a Rua, simplesmente se transformou como se estivesse vendo uma espécie de demônio a sua frente. “O que houve Paulo?”, lhe perguntei.

 

“Esse “FP” que passou com essa camioneta aí na frente tentou me atropelar ontem numa estrada rural na região da Guanabara”, me relatou.

 

Você já foi à Delegacia fazer o “BO”? Retruquei. “Não, não fui”. “Como assim?” - continuei. “Não fui por que eles estavam em três dentro da camioneta. Como eu me joguei no barranco e não me machuquei, será a palavra deles contra a minha. E no final, ele ainda poderá me processar por calúnia e difamação”, me relatou.

 

Dias depois, na mesma semana do trágico acidente, ele entra devagarinho na Redação do Jornal, volta até a porta e dá uma espiada no corredor para ver se não tinha ninguém por perto e me diz: “Você não acredita no que consegui registrar. Não dou 90 dias para esses bandidos todos irem parar atrás das grades. A coisa é tão forte e estarrecedora que nós vamos precisar montar uma Comissão com várias pessoas para apresentar essa denúncia, com no mínimo uns quatro advogados e quero você junto nessa Comissão”, citando inclusive, o nome de dois advogados que ele já tinha contatado, entre eles um amigo seu de Medianeira que ele disse que era Professor. “Estou indo viajar no final de semana e na volta, vamos montar essa Comissão e dar início aos trabalhos”.

Naquela mesma semana, com uma dor imensa no coração, recebi a triste notícia de que, coincidência ou não, ele já não estava mais entre nós para dizer o que tinha fotografado e filmado naquela semana...

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner laranja
Banner Einstein
Banner violência se limite
Banner Lei Lucas
Banner conar
Banner pedrão 2018
Banner Mirante
Banner Notre Dame
Otica PetriU
Calendário eleitoral