Vende-se apartamento no centro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Uma análise sobre a Covid-19
  Data/Hora: 22.jun.2020 - 13h 7 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar
Por Mario Eugenio Saturno,
 
A boa notícia é que já aconteceu uma inflexão na curva de mortes diárias do Brasil, venceríamos com uma quarentena mais dura, mas a abertura do comércio mostra-se precoce e sem base científica e os países em situação semelhante que tentaram isso fracassaram. Os casos já subiram e as mortes devem seguir.
 
 
A curva do contágio e mortes das epidemias ou pandemias, e a Covid-19 não poderia ser diferente, no eixo X colocamos o dia (ou semana) e no Y, a quantidade de mortes registrada naquele dia, conforme passam os dias, a quantidade segue uma curva exponencial na subida -cresce segundo uma razão-, até acontecer a inflexão da curva, que muitos chamam de platô ou teto, então cai também em uma exponencial com uma razão de queda. Outro gráfico útil é o da quantidade total de mortes até o dia. Algo que chama a atenção na Covid-19 é o grande desvio padrão dos dados coletados, é preciso melhorar isso.
 
 
Observando essas curvas da pandemia nos diversos países pelo mundo e estudando um pouco sobre como funciona a epidemia ou a pandemia, observa-se que muitas autoridades políticas e jornalistas não entendem como funciona o contágio quando calculam as mortes por milhão de habitantes. Isso deriva de incompreensão e gera uma distorção e erro de interpretação. Por exemplo, se três cidades, uma de cem mil habitantes, outra de um milhão e uma terceira com nove milhões, tiverem uma contaminação semelhante em que cada paciente contamina outros dois a cada três dias (1 que contamina 2, que contaminam 4,8,16,etc.), então teremos, cada três dias, até o final de um mês: 1, 3, 7, 15, 31, 63, 127, 255, 511, 1023, 2047 doentes.
 
 
Para que não restem dúvidas, no décimo período são contaminados 1024 que somados ao total do nono, 1023, produz 2047 adoecidos pela doença. Veja-se que as três cidades terão o mesmo número de infectado, 2047, mas se ponderar pela população, a cidade pequena parecerá estar em uma catástrofe e a grande muito bem, mas, na verdade, as três estão exatamente iguais.
 
 
Não exatamente, se considerar outros parâmetros, como o número de leitos de UTI, cidade grande tem infraestrutura melhor. E se a cidade grande fizer quarentena obrigatória e a pequena não, os casos da pequena atingirão o máximo possível enquanto a grande não.
 
 
Ao se calcular as mortes por milhão de habitantes (ou por cem mil) e buscar nações piores (menor população) atende o desejo de camuflar, mas ninguém utiliza a China como parâmetro porque mostraria a vergonha dos países, como o nosso que tem 10 vezes mais mortos, sendo que a população chinesa é 6,8 vezes maior que a nossa, o que resulta ser nossa situação 68 vezes pior que a da China.
 
 
No cálculo por milhão, China e a Índia tem valores baixíssimos, mas agiram como se enfrentassem um invasor poderoso, já os EUA e Brasil nem parecem viver um desastre. Por outro lado, o Equador que teve corpos abandonados na rua, no número absoluto de mortos aparece em 19o. e, no cálculo por milhão, em 12o. Vê-se que precisamos de outros parâmetros para medir o tamanho do desastre.
 
 
Muito se pode fazer, por exemplo, os católicos, os seus padres daqui poderiam fazer como em Los Angeles: missa na internet, em seguida, comunhão drive-thru na Igreja.
 
 
Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot.com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano
 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Mirante
Calendário eleitoral
Banner conar
Banner Einstein
banner vende apartamento II
Banner laranja
Banner pedrão 2018
Banner violência se limite
Banner Notre Dame
Bassani