Uniguaçu 2020

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Judiciário é anfitrião em reunião que trata a saúde pública dos indígenas de Tekoha Ocoy
  Data/Hora: 24.jun.2020 - 16h 58 - Categoria: São Miguel do Iguaçu  
 
 
clique para ampliar

Fonte: AMB – Associação dos Magistrados Brasileiros - Após a confirmação de 24 casos de infectados pela Covid-19, na aldeia indígena Tekoha Ocoy, localizada em São Miguel do Iguaçu, no Oeste do Paraná, o Judiciário promoveu uma reunião virtual, no último dia 19 de junho, com diversos órgãos públicos, privados e de controle social a fim de discutir e debater soluções para a crescente contaminação na comunidade.

 

Durante mais de três horas, foram tratadas as medidas trabalhistas, de promoção social e sanitárias, além de informado que o primeiro caso confirmado foi de um indígena que trabalhava em um dos frigoríficos da região. Preocupado com a situação, o cacique da Ocoy, Celso Jopoty Alves, pediu apoio às autoridades e contou que um dos infectados é um bebê de 1 mês e 10 dias. “A aldeia tem bastante crianças e idosos. Peço às autoridades que os trabalhadores sejam afastados do trabalho e com remuneração. Infelizmente, temos muitos casos ainda com sintomas e a tendência é aumentar”, disse.

 

“O encontro foi pioneiro na matéria de saúde pública dos indígenas, tendo a Justiça do Paraná como anfitriã, reunindo em menos de 24 horas autoridades de todos os âmbitos e setores que cuidam da questão indigenista. Além de determinante, para que medidas de contingenciamento do vírus fossem adotadas imediatamente”, disse o integrante da diretoria de comunicação da AMB e juiz criminal da comarca de São Miguel do Iguaçu, Ferdinando Scremin.

 

Na ocasião, as autoridades destacaram a necessidade de compromisso por parte do estado, município e também da União, representada pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) local, para elaboração de um plano de contingência específico para as aldeias indígenas, afastamento remunerado, condições de trabalho adequadas a todos os trabalhadores, repasse de cestas básicas, merenda escolar e demais produtos essenciais aos membros da comunidade, entre outros. Atualmente, vivem no local cerca de 200 famílias e 900 indígenas.

 

Sobre as medidas sanitárias, foram sugeridas o isolamento individual dos casos suspeitos; testagem em massa; proibição de visitas não essenciais (estudantes e antropólogos com objetivos acadêmicos, parentes etc); revisão temporária de costumes tradicionais, culturais, religiosos e sociais da comunidade indígenas, que impliquem em aglomerações indevidas; desinfecção local; aumento de leitos; e reforço à equipe médica da Sesai, atualmente contando com apenas uma enfermeira.

 

A reunião contou com presença de representantes do Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público do Estado do Paraná (MMPR), Ministério Público do Trabalho (MPT), Defensoria Pública da União (DPU-PR), prefeito e secretários do município de São Miguel do Iguaçu, Regional de Saúde de Foz do Iguaçu, Secretaria Especial de Saúde, Funai Brasília e Guarapuava, Itaipu, entre outros.

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
banner vende apartamento II
Banner violência se limite
Banner laranja
Calendário eleitoral
Rose Bueno Acessórios
Banner Lei Lucas
Banner pedrão 2018
Bassani
Banner Mirante
Banner Einstein