outubro rosa

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Reforma tributária, o que esperar?
  Data/Hora: 7.ago.2020 - 21h 48 - Categoria: Geral  
 
 
clique para ampliar

Por Ezequiel Megiato, economia - @ezequielmegiato (instagram)

 

É certo que a pandemia e suas consequências em todas as áreas, inclusive econômica, tirou do centro do debate temas caros com relação ao futuro do país, como as reformas econômicas. Como se sabe, uma reforma, em qualquer área, só é demandada devido ao fato de que algo não está bem. Tivemos, recentemente reforma previdenciária e, também, a reforma trabalhista, áreas que, havemos de concordar, estávamos (e ainda estamos?) mal.  Bem, é fato que no Brasil costuma-se esticar a corda até onde dá. Isso também vale para os aspectos macroeconômicos e sim, deriva da tremenda falta de planejamento ou de coragem que os governos (todos eles), historicamente demonstraram em enfrentar temas espinhosos aos olhos da opinião pública, mas que eram/foram verdadeiros remédios amargos para evitar um mal pior.

 

A despeito da paralisação recente, novamente veio à tona uma proposição do governo federal para a elaboração de uma reforma tributária no país. E sim, esse é um tema bem complexo, tão complexo que, em minhas aulas de pós graduação, costumo ministrar uma primeira disciplina que trata de cenários econômicos e, quando abordo a questão tributária, sempre tranquilizo os alunos para o fato de que, ao final do curso (um curso de pós geralmente dura 18 meses) eles terão um reforço sobre a disciplina de tributos pois muito provavelmente as coisas terão mudado até lá.

 

A discussão da reforma trabalhista, ao meu ver, deve partir de um ponto primordial, que não é o seu tamanho, cerca de 38% do PIB, que é alto, mas nem tanto quando comparado com outros países. Penso que o ponto inicial deve ser a nossa pretensa federação, composta pela União, estados e municípios.

 

De cada R$ 100 arrecadados em impostos, R$ 72 ficam com a União, R$ 20 com os estado e míseros R$ 8 com os municípios, local onde efetivamente moramos, onde tem a UBS, escola pública e buracos. A reforma precisa partir desse ponto, inverter a lógica e dar fôlego aos municípios.

 

Outro ponto é a quantidade de impostos, IPVA, ICMS, ISS, PIS, IR, IPI, ITR, IPTU, IOF, Cide, CSLL, II, ITBI, FGTS (sim é uma imposição), etc, etc, etc. É um convite à sonegação, exige um esforço e custo tremendo de controle, além de servir como um entrave para quem quer empreender, uma vez que não mencionei as taxas infindáveis para abertura e regulamentação de uma empresa, além do tempo que demora.

 

Mas voltando à reforma trabalhista, a carga tributária atual, ainda por cima, é injusta, uma vez sua maior parte, 55% é indireta, ou seja, incide em produtos e mercadorias (consumo), que é destino majoritário da renda de quem menos ganha.

 

Qual a saída? Alguém dirá que é tributar grandes fortunas, ou mesmo o lucro. Discordo, uma vez que não há nada mais volátil do que o capital. Se taxado em algum lugar, ele migra para outro mais receptivo.

 

As bases de uma reforma tributária, para além da discussão se taxa isso ou aquilo, deve passar por uma ampla discussão de qual papel queremos para o Estado brasileiro e o custo que uma ou outra decisão incorrerá para todos. De igual forma, é preciso discutir a forma e a qualidade dos gastos públicos, isto é, o retorno dos impostos. E claro, é preciso ter visão de longo prazo, do contrário, estaremos fadados a aumentos de impostos disfarçados de reformas.

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Mirante
Banner emprego
Bassani
Banner Einstein
Banner violência se limite
Banner pedrão 2018
Rose Bueno Acessórios