Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Erro de base
  Data/Hora: 1.set.2020 - 19h 0 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Rosita Fonteles,

 

Em 14/04/2016 o Ministério da saúde declara o Zika vírus como a causa do surto de microcefalia no Brasil em 2015, veja em:  https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/23254-cdc-reconhece-relacao-do-virus-zika-e-microcefalia. De acordo com essa publicação além de estudos "diversas outras evidências foram encontradas, como vermelhidão na pele durante o primeiro trimestre da gravidez – que é um dos sintomas da Zika - em grande parte das mulheres que tiveram bebês com microcefalia".   

 

Como essas evidencias se identificam com os efeitos colaterais da vacina dTpa (febre, vermelhidão na pele, etc) que sendo aplicada durante o primeiro trimestre de gravidez pode causar microcefalia, pergunto: Algum estudo verificou a possibilidade da causa da microcefalia ter sido essa vacina, que foi incluída no calendário das gestantes em 2014?  

 

Algum estudo considerou a evidencia de que em nenhum outro país que teve o Zika vírus houve esse problema de microcefalia? Que outras evidencias não foram consideradas nesses estudos? Talvez essa seja a origem de uma sequência de erros, portanto o "erro de base". O que pode gerar outros erros como: a falta de conhecimento da verdadeira causa do problema, podemos ter uma infinidade de artigos científicos comprometidos por estarem pautados em uma falsa informação e consequentemente a "ciência" pode perder credibilidade com esses erros.   

 

A OMS chegou a mudar os parâmetros do perímetro cefálio dos bebês, o que talvez possa gerar ainda mais problemas. Assim como recentemente ela também mudou o conceito de pandemia por causa do corona vírus, segundo os "Medicos por la Verdad". A impressão que tenho é que devido a precipitações entramos numa sequência global de erros que parece não ter fim e que foi além da saúde. Aqui, depois da microcefalia entramos na pandemia.      

 

E o Brasil se colocar como protagonista científico no caso da microcefalia. Em publicação de 2019 o ministério da saúde declara "O Brasil liderou a descoberta, há quatro anos, da relação do vírus zika e o aumento de casos de microcefalia e outras alterações em bebês. Tal protagonismo científico foi reconhecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que, na época, ressaltou a rapidez nas investigações conduzidas pelo Brasil. " veja em : https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/46118-brasil-apresenta-balanco-apos-4-anos-de-epidemia-do-zika 

 

Acho que tá na hora do Brasil parar, pensar, corrigir os erros e recomeçar ou vamos ter mais problema, prejuízo e sofrimento. Por informações erradas talvez tenhamos dado um poder ao Zika vírus que ele nunca teve e possivelmente estamos fazendo o mesmo com o corona vírus agora nessa "pandemia". Cuidado!!! São muitas vidas que podem se perder por enganos.   

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner emprego
Banner Lei Lucas
Rose Bueno Acessórios
banner vende apartamento II
Banner Einstein
Banner pedrão 2018
Banner conar
Bassani
Banner Mirante
Banner laranja