covid fevereiro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
A vacina chinesa do Dória
  Data/Hora: 25.jan.2021 - 12h 42 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Mario Eugenio Saturno, 

 

Inculcaram no presidente Bolsonaro (a CIA?) que nosso maior parceiro comercial era mau. E ele assumiu uma postura quixotesca a ponto de referir-se à vacina do Butantan como sendo a “vacina chinesa do Dória” e que não iria comprar, tachando o produto chinês como de baixa qualidade e experimental. Essa atitude néscia e mesquinha contra um parceiro importante não condiz com a realidade e também é ingrata, já que Bolsonaro pediu e teve ajuda dos chineses quando o leilão do pré-sal estava fadado ao fracasso.

 

O presidente tomou a decisão inepta de investir bilhões de dólares do Erário somente na Astrazeneca que não é tão inglesa assim. Desprezou a oferta da Pfizer, a Moderna e outras. Já o Instituto Butantan não fez parcerias mais avançadas tecnologicamente porque não teria tempo e o investimento estava acima da capacidade. Aliás, tudo o que o Butantan fez para ter a Coronavac foi com recursos paulistas. Essas poucas vacinas que seriam para o estado estão sendo fraternalmente divididas com todos os brasileiros.

 

No último 18 de janeiro, o Brasil teve um milésimo (1‰) da população morta pelo coronavírus, 210.299 brasileiros que perderam a vida para uma doença evitável por confinamento total (lockdown) e medidas de distanciamento e higiene. Mas o grande inimigo da Saúde e do Brasil é a logomania do presidente que ataca o confinamento, o distanciamento, o uso de máscara e, agora, a vacinação, pois ele não consegue ver que doentes e mortos não produzem, não consomem e custam caro. Logorreia de quem não ama a Pátria e por isso dizem que ele é o grande responsável pela morte dos 400 mil brasileiros que morrerão.

 

E essas colocações perversas animam seus 17 milhões de seguidores odientos a minar as ações de preservação da vida que prefeitos e governadores fazem com enorme desgaste. Como se vê agora, uma segunda onda foi causada pelas praias cheias e grandes festas de fim de ano, quando uma grande quantidade de jovens foi contaminada, agora esses jovens assintomáticos contaminam os parentes e amigos nas festas e encontros familiares. São os vampiros da vida: para aproveitar a vida antes, ceifam a vida dos seus agora.

 

A logomania do presidente é criminosa ao financiar com o Erário a produção de remédios não aprovados pela ANVISA para receitar aos pobres crédulos, como se pode ver no Código Civil, Decreto-Lei 2.848, de 7 de dezembro de 1940. O mais grave é causar epidemia, mediante a propagação de germes patogênicos, Art. 267, com pena de reclusão de dez a quinze anos. Para o exercício ilegal da medicina, o Art. 282 estabelece pena de detenção de seis meses a dois anos. O crime de charlatanismo, Art. 283, consiste em anunciar cura por meio infalível, com pena de detenção de três meses a um ano, e multa. E, mais, o curandeirismo, Art. 284, (I) prescrevendo qualquer substância, e (III) fazendo diagnósticos, a pena é detenção, de seis meses a dois anos. E ainda há a forma qualificada, Art. 285, se resultar em morte, dobra-se a pena. Militares e políticos que entendem deveriam esclarecer o insciente!

 

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot.com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Rose Bueno Acessórios
Banner conar
Banner emprego
Banner laranja
Banner pedrão 2018
banner vende apartamento II
Banner Einstein
Banner Mirante
Banner violência se limite
Bassani