Vende-se apartamento no centro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
POLÍTICA: As ponderações do Professor Agenor nas redes sociais... “Infelizmente posso dizer que o eleitor brasileiro é que nem mulher de malandro ...”
  Data/Hora: 21.fev.2021 - 17h 33 - Colunista: João Maria  
 
 
clique para ampliar

Vale a pena conferir as ponderações do Professor Agenor Peron Dorigon, – colocadas ontem nas redes sociais debaixo da matéria que fizemos sobre a demissão da Secretária Municipal de Saúde. Um retrato do nosso estado atual. Faço questão de reproduzi-las, aqui nesse espaço, até para lembrar o quanto faz falta na grade curricular a disciplina OSPB – Organização, Social e Política Brasileira.

 

Ao lembrar desta disciplina (OSPB), me lembro do nosso saudoso Dr. Adalgir Carlos Comunello, dando aula na antiga CNEC – Colégio Nadyr Maggi, onde, em todas as aulas ele gastava pelo mínimo uns 15 minutos para falar sobre política atual, tanto a nível local, como estadual e se derretia quando falava a nível nacional. Quando mencionava Leonel de Moura Brizola, então – seus olhos brilhavam e sempre concluía o seu raciocínio tipo Papa Francisco – “Cuidemos do nosso coração, porque é de lá que sai o que é bom e ruim, o que constrói e destrói”.

 

Adalgir, lembrava e contava em detalhes a extinção do Ato Institucional 05, a anistia a presos políticos e a importância de figuras como Leonel de Moura Brizola voltar ao país, o pluripartidarismo, o ressurgimento dos movimentos sindicais, a movimentação pelas Diretas Já e a necessidade de uma Nova Assembleia Nacional Constituinte, que aliás, acabou acontecendo em 1988.  

 

Lembrando Frei Beto, no seu ponto de vista, “tais movimentos não apenas redefiniram a correlação das forças políticas, como também colocaram professores, educadores e escritores diante da questão de como formar cidadãos em um período transitório, instável, cercado de incertezas e expectativas em relação aos destinos do país”.

 

Vejam as ponderações do Professor:

 

“Vocês que estão falando tanto dos Vereadores na próxima eleição se candidatem e vão pedir votos para ver quem é mais corrupto: O candidato ou o eleitor”.

 

“Tá certo que nessa última legislatura teve um ou dois vereadores que realmente desenvolveram seu papel como legislador e justamente esse que fez o seu papel não conseguiu se reeleger”.

 

“Eu depois de dois mandatos como vereador cheguei a seguinte conclusão: a corrupção só vale quando é para os outros, mas quando estou sendo beneficiado deixa de ser. Principalmente de uma grande parte dos empresários que prestam serviço para a prefeitura”.

 

“Aprendi também que o vereador é o que leva todas as bordoadas pois ele está em contato diariamente com os eleitores mesmo aqueles que não votaram no determinado candidato”.

 

“Eu dou os parabéns para as pessoas que colocam seu nome à disposição para disputar uma campanha para vereador pois é a eleição mais disputada que existe”.

 

“Aprendi também que se você se eleger na oposição e não entrar no Jogo você passa quatro anos dizendo favorável ou contrário”.

 

“Se você se eleger na situação muitas vezes você tem que engolir um sapo e mesmo assim ser favorável. Infelizmente esse é o jogo”.

 

“Eu sempre aprendi que nós temos três poderes independentes entre si. Agora eu pergunto por que logo que o prefeito, Governadores e até o Presidente correm para formar maioria no Legislativo”.

 

“Eu nunca vi aqui em SMI um prefeito governar com a minoria no Legislativo. Ai quando o prefeito tem a maioria mesmo que “formada na base de acordos e troca de favores começam os desvios de conduta tanto do executivo, como do Legislativo”.

 

“E infelizmente isso acontece a nível de município, Estado e governo federal”.

 

“Infelizmente posso dizer que o eleitor brasileiro é que nem mulher de malandro. Apanha durante quatro anos e no final acabam achando normal apanhar mais quatro anos. Gostam de tapinha nas costas e nunca acompanham o trabalho dos seus representantes.

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
banner vende apartamento II
Banner laranja
Banner Einstein
Banner emprego
Rose Bueno Acessórios
Banner violência se limite
Banner Mirante
Banner pedrão 2018
Bassani