banner coronavírus março

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Da Sputnik V e à Butanvac
  Data/Hora: 5.mai.2021 - 1h 53 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Mario Eugenio Saturno,

 

Escrevo triste este artigo no mesmo dia que o Brasil teve mais de 400 mil mortos por Covid-19. Um dia inimaginável até para o pior pessimista. E podemos atribuir a alguém essa responsabilidade? Sim, 300 mil ao Bolsonaro e os seguintes 100 mil ao deputado federal Artur Lira que está sentado sobre uma pilha de pedidos de impedimento.

 

É claro que o combate ao "lockdown" e às máscaras tem um papel importante, mas o desprezo às vacinas é fundamental. Segundo o próprio presidente Bolsonaro, juntamente com o ministro Teich, desde 8 de maio de 2020, estão tratando da compra de vacinas. Rejeitou todas, exceto a da Astrazeneca, inclusive pagando dois bilhões de reais antecipadamente.

 

Se dependesse do estulto presidente, começaríamos a vacinação em março, em ritmo bastante lento por causa dos problemas que a Fiocruz enfrentou. Poderíamos vacinar os brasileiros nos primeiros dias de dezembro com as vacinas da Pfizer e com a Coronavac, a vacina chinesa do Dória que o estulto afirmou que não ter qualidade por ser da China e que jamais compraria, pois quem mandava era ele...  Só que não! E não esqueçamos da inumana comemoração da morte de um voluntário e que era "mais uma que Jair Bolsonaro ganha".

 

O governador de São Paulo teve coragem patriótica ao brigar com a Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária e bancar a importação de seis milhões de doses da Coronavac que começaram a chegar em 19 de novembro com atraso de um mês pela enrolação da Anvisa. E imaginem se a vacina falhasse, os inúteis diriam que Dória desperdiçou 60 milhões de dólares.

 

A mesma má vontade da Anvisa se vê para a aprovação dos testes da Butanvac, a vacina desenvolvida pelo Butantan, pois demorou mais que um mês para solicitar documentos que nada tem a ver com os testes, mas com a fabricação. Mais uma vez o governador vai bancar a produção de uma vacina sob risco.

 

Não custa observar que no dia 26 de março, foi anunciado o pedido na Anvisa da Butanvac para iniciar os testes. Horas depois, de improviso, houve uma coletiva do governo federal para divulgar que a Versamune, vacina brasileira apoiada pelo governo federal e desenvolvida por cientistas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) também pedira autorização á Anvisa. No dia 23 de abril, o presidente Bolsonaro dirigiu-se ao ministro astronauta: Marcão, como é que tá a nossa vacina brasileira? Essa é 100% brasileira, não é aquela mandrake' de São Paulo, não né? Pois é, um dia depois, o mesmo estulto cortou duzentos milhões da vacina, inviabilizando o projeto. Grande Jair! Que continua cometendo crimes, deputado Lira!

 

Se esquecer que o Almirante da Anvisa participou de ato contra a saúde e a letargia para com o Butantan, vê-se que Agência trabalha bem, especialmente na análise dos documentos da vacina Sputnik V. Entre os problemas detectados analisando somente a documentação da própria Sputnik, observaram a presença de adenovírus replicante no fármaco o que pode causar efeitos colaterais e comprometer a segurança do imunizante.

 

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot. com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano

 

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Einstein
Banner emprego
Bassani
Banner Mirante
Rose Bueno Acessórios
Banner violência se limite
Banner pedrão 2018