casa dos tecidos

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
As aventuras de um juiz aposentado
  Data/Hora: 27.ago.2021 - 22h 57 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por João Baptista Herkenhoff, 

 

Foto: Internet - Quando depois de aposentado como juiz, também como professor me aposentei, fui tomado por uma crise de identidade.

 

O vazio manifestou-se forte quando tive de preencher a ficha de entrada num hotel.

 

Que profissão vou colocar aqui? Pensei alto.

Se estava aposentado na magistratura e no magistério, nem como juiz, nem como professor poderia me definir. 

 

"Ser ou não ser", eis a questão.  Shakespeare, pela boca de Hamlet, percebeu a tragédia humana, antes de Freud.

 

Ah, sim. Já sei. E escrevi na ficha do hotel, resolutamente: Professor itinerante.

 

Não que já fosse um verdadeiro professor itinerante. Estava mal e mal começando a jornada.

 

Entretanto, essa autodefinição marcou no meu espírito uma mudança radical e fixei ali um itinerário de vida pós-aposentadoria.

 

Fiel a este projeto, tenho andado por aí a semear idéias. Não importa muito o valor real dessas idéias.

 

Relevante é que a semeadura seja feita com alegria, espírito reto e boa vontade.

 

As pessoas idosas não têm o direito de guardar para si a experiência que a vida proporcionou.

 

Segundo o filósofo inglês Alfred Whitehead, a experiência não é para guardar. É preciso que alguma coisa façamos com ela.

 

Quando estava na magistratura ativa, proferi palestras fora do Estado, porém com muita parcimônia porque o ofício de juiz me prendia à comarca.

 

Aposentado como juiz, mas continuando ativo na Universidade Federal do Espírito Santo, ainda aí a liberdade de viajar era restrita em face dos compromissos do magistério regular.

 

Só depois de aposentado na Justiça e na Universidade, é que pude voar amplamente.

 

Falando aqui e ali, em congressos, seminários e cursos, vou sorvendo a aposentadoria. 

 

Convocado por centros acadêmicos, tive participação em congressos regionais e nacionais de estudantes de Direito.

 

Falei para advogados, a convite do Conselho Federal e de Conselhos Seccionais da OAB.

 

Disse a palavra solicitada em Universidades espalhadas pelo território nacional.

 

Como magistrado aposentado, levei meu verbo, em diversas cidades brasileiras, a colegas da magistratura ativa. 

 

Falei para membros do Ministério Público, inclusive na Escola Superior do Ministério Público.

 

Falei também a profissionais alheios ao mundo do Direito:

servidores da Fazenda Pública, jornalistas, engenheiros, arquitetos, enfermeiros, educadores populares, professores de primeiro e segundo grau.

 

De eventos de Igreja participei, por diversas vezes, no Brasil e no Exterior, não apenas daqueles promovidos pela Igreja a que pertenço,

 

mas também de encontros ecumênicos, comungando sonhos de um mundo fraterno com cristãos de diversas denominações, muçulmanos e judeus.

 

Fui a Paris para um evento ecumênico, com passagens dadas pela empresa aérea, em circunstâncias muito interessantes.

 

Marquei o lançamento de um livro meu, em Vitória, na abertura de um encontro nacional de Faculdades de Direito.

 

No dia do evento, autor presente, convidados presentes, coquetel à disposição dos convivas, falta o ator principal: o livro que seria lançado.

 

O pacote de livros, que se destinava a Vitória, foi parar em Belém.

 

Fico envergonhado diante de tanta gente que esperava comprar o livro.

 

Escrevo uma carta ao presidente da empresa aérea, sem nada pedir.

 

Apenas relatando minha decepção.

O presidente sensibiliza-se com o relato e oferta passagens para mim e minha esposa para qualquer cidade do mundo, onde pousassem aviões da empresa.

 

Conto a história a minha mulher e lhe pergunto: qual o destino?

Ela não pestaneja: Paris, capital do mundo.

 

E de Paris, um pulo na Grécia, berço da Antigüidade. 

Até que me aposentasse na Justiça e também na Universidade, eu havia publicado dezesseis livros.

 

Após a dupla aposentadoria, publiquei trinta e quatro novas obras, totalizando cincoenta.

 

A aposentadoria pode não implicar em encerramento de atividades, mas apenas na redução de compromissos exigentes.

 

São múltiplas as novas experiências possíveis. Que cada um encontre seu caminho.

 

Que a sociedade não cometa o desatino de desprezar a sabedoria dos mais velhos.

 

Agora, quando já vislumbro o entardecer, descreio de todas as seguranças supostamente conquistadas.

 

Volto a ser andarilho, peregrino, caminhante.

Aprendo com Guimarães Rosa: "Viver é perigoso. A aventura é obrigatória".

 

 

João Baptista Herkenhoff, é  Juiz de Direito aposentado (ES) - E-mail – jbpherkenhoff@gmail.com 

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner pedrão 2018
Bassani
Rose Bueno Acessórios
Banner Einstein
banner vende apartamento II
Banner Mirante
Banner violência se limite
Banner emprego