banner coronavírus março

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
O Modelo Comunitário de Previsão de Tempo
  Data/Hora: 1.nov.2021 - 16h 57 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Mario Eugenio Saturno, 

 

No início de outubro, o pesquisador Saulo Freitas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, apresentou o novo modelo de previsão do tempo dentro da emergência das mudanças climáticas, com eventos extremos e com o desafio de fazer as previsões com antecedência e precisão.

 

Como exemplo, citou o que aconteceu em 18 de setembro de 2020, registrado em uma foto de satélite, eventos interessantes e simultâneos: fumaça de queimadas produzidas na Califórnia, queimadas na América do Sul, na Amazônia e no Brasil Central e, ao mesmo tempo, a ocorrência de três furacões no Pacífico e Atlântico.

 

Esses desastres causam prejuízos, nos Estados Unidos, em 2019, a Agência de Monitoramento da Atmosfera e Oceanos (NOAA) do Departamento de Comércio listou 14 eventos climáticos cujos desastres causaram perdas que totalizaram 45 milhões de dólares. Na década de 2010 a 2019, eles contabilizaram 119 desastres, totalizando um prejuízo de 800 bilhões de dólares. Somando todo o prejuízo desde 1.980, quando começaram a contabilizar os custos de mitigação e prejuízos, a cifra é maior que 1,75 trilhão de dólares.

 

Os cientistas do INPE propõem um novo paradigma de previsão de tempo, clima e ambiente para o Brasil, ou seja, todos trabalham em um único sistema de modelagem no único código computacional, o INPE e todas as instituições que trabalham com isso no país. E envolvendo todo o sistema terrestre, como os componentes da atmosfera, biosfera, solos continentais, criosfera, oceanos e espaço superior, com alguns componentes de complexidade variável como reatividade química e aerossóis, que seja apropriado para usar o para fazer simulações na escala de 100 m a 1.000 km, em escalas temporais de horas, dias, mês ou estações do ano e mudanças climáticas de 10 a 100 anos.

 

O modelo usa o que de mais atual existe em métodos numérico de solução de sistema de equações diferenciais em supercomputadores, assimilação de dados de satélites e medidas locais (dados convencionais), ainda aproveita de técnicas de inteligência artificial para aperfeiçoar os resultados do modelo. Isso se o governo não cortar a verba do supercomputador.

 

E a novidade é o modelo comunitário, com um código aberto gratuito, gerido por um grupo de especialistas em computação de alto desempenho, com um workshop e treinamentos para comunidade.

 

E outro ponto adicional importante é a governança multi-institucional. Para isso, foi instituído o Comitê Científico em 8 de abril deste ano com 16 cientistas do INPE e 19 instituições nomearam cientistas, como o Instituto de Meteorologia, Laboratório Nacional de Computação Científica, e ainda incluindo diversos Institutos da USP, Aeronáutica, Marinha, Exército, Universidades Federais e do Governo Federal. O INPE ainda negocia a colaboração de instituições internacionais como o Centro de Pesquisa Atmosférica (NCAR), o já citado NOAA, o Centro Godard da NASA, todos dos Estados Unidos e o Centro Europeu do Tempo, ECMWF.

 

O INPE faz sua parte, que os deputados e senadores lembrem-se disso sempre que discutirem a Lei do Orçamento Anual.

 

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot. com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Einstein
Banner pedrão 2018
Banner Mirante
Rose Bueno Acessórios
Banner emprego
Banner violência se limite
Bassani