Banner dengue 2021

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Lindo..., muito lindo! Lá se vão 10 anos (12 de dezembro) sem a presença do meu pai.
  Data/Hora: 12.dez.2021 - 4h 53 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar
Por Cláudia Vieira, via redes sociais...,
 
Lá se vão 10 anos (12 de dezembro) sem a presença do meu pai. Quantas saudades! Não há um dia sequer que eu não lembre dele. Desde pequenina me levava na garupa da bicicleta pra pescar na Urca e ver a mãe no bairro Peixoto.
 
Na época trabalhava meio expediente no Instituto Nacional de Educação de Surdos e ainda sobrava tempo pra me levar e buscar no colégio na Rua Lopes Quintas, no Jardim Botânico. Penso, não tenho a certeza, que toda a sexta-feira quando ele ia me buscar no colégio ele comprava uma galinha viva num abatedouro que havia na Rua Jardim Botânico. De lá subia a Rua Lopes Quintas com a galinha embrulhada num jornal sob o braço. Como o meu pai era surdo ele não ouvia a galinha cacarejando. Pronto! O inspetor anunciava: - Claudia, o seu pai chegou! Morria de vergonha e propus que ele comprasse a galinha na volta. Nada feito. Na sexta quando a galinha cacarejava eu já sabia. Meu Pai veio me buscar!
Meu Deus! Um grande homem!
 
O tempo passou e me formei em fonoaudiogia porque queria me aprofundar no assunto.
 
Fiz estágio no INES e visitava o meu pai, já professor profissionalizante, na sua grande sala de encadernação de livros. Eu feliz e ele muito mais.
Depois de formada e exercendo a profissão me deparei com algo muito difícil de encarar. Atendi diversas crianças surdas e seus pais não queriam, de forma alguma, que falassem em linguagem dos sinais. O choque e o conflito foram tão grandes que desisti de continuar a profissão. Eu não conseguia imaginar meu pai falando, inclusive minha mãe que também é surda.
 
Decisão tomada e tive a compreensão dos dois e não me arrependo.
Sinto muito a falta dele. Era ligado em 440w e não tinha tempo ruim. Era muito querido, bonitão e alegre. Sinto em não ter conhecido mais a sua vida mas não posso chegar a tanto. Saudades!!!
 
 
 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner emprego
Rose Bueno Acessórios
Banner Einstein
Bassani
Banner violência se limite
Banner pedrão 2018
Banner Mirante