Banner dengue 2021

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Vacinas para crianças
  Data/Hora: 12.jan.2022 - 14h 8 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Mario Eugenio Saturno, 

 

O Brasil não é um país sério, teria dito Charles De Gaulle, não com esse sentido, mas a pecha ficou. E quando vemos o mesmo ciclo de Covid que vivemos há 12 meses repetir-se, não tem como não lembrar De Gaulle: autoridades acreditando que é o fim da pandemia, as pessoas promovendo festas, muitos abandonando as máscaras, hospitais lotando e com seus médicos e enfermeiros adoecendo novamente. A Ômicron chegou!

 

Espera-se que as Forças Armadas estejam mais preparadas, mas 32,2 mil soldados do Exército (15% do total) e 4,3 mil (6,6%) da Aeronáutica negaram-se a receber a vacina.

Do total de soldados, foram completamente imunizados contra a Covid, 121,2 (56,3%) do Exército e 36,5 (54,9%), mil da Força Aérea Brasileira (FAB). A Marinha recusou-se a divulgar a informação. Eita!

 

Um estudo feito pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), com dados da Covid-19 de dezembro, em Minas Gerais, mostra que uma pessoa não vacinada corre um risco 11 vezes maior de morrer em decorrência do vírus do que uma pessoa imunizada completamente. A média de taxa de óbitos por 100 mil habitantes no estado foi de 0,06 para vacinados com duas doses ou única, para os que tomaram apenas uma dose, a taxa é de 0,12 e para os que não tomaram a vacina, 0,71.

 

Então, façamos um exercício de raciocínio: quem na sua casa não se vacinou? Quem? Quem? Isso mesmo, suas crianças. E por que nossas crianças estão desprotegidas se já tem vacinas prontas para uso e aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)? Pois é, a Anvisa aprovou no dia 16 de dezembro último a vacina para imunização contra Covid-19 em crianças de 5 a 11 anos de idade. A autorização veio após uma análise técnica criteriosa de dados e estudos clínicos. Segundo a equipe técnica da Anvisa, as informações avaliadas indicam que a vacina é segura e eficaz para o público infantil, conforme solicitado pela Pfizer.

 

A vacina para crianças tem dosagem e composição diferentes daquela utilizada para os maiores de 12 anos, será aplicada em duas doses de 0,2 ml (equivalente a 10 microgramas), com 21 dias de intervalo entre as doses. A tampa do frasco da vacina virá na cor laranja, para facilitar a identificação pelas equipes de vacinação e também pelos pais, mães e cuidadores que levarão as crianças para serem vacinadas. Para os maiores de 12 anos, a vacina, é  aplicada em doses de 0,3 ml, com tampa na cor roxa. A vacina também tem esquema de conservação diferente, já que pode ficar por 10 semanas em temperatura de 2ºC a 8ºC.

 

A Anvisa ainda teve colaboração de especialistas da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI) e Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Fizeram a parte deles, infelizmente o Ministério da Saúde enrola para fazer a parte que lhe cabe e só fazem quando a Justiça manda. Genocidas? Infanticidas? Precisamos criar palavras para aperfeiçoar a capacidade de comunicação do Português!

 

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot. com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Rose Bueno Acessórios
Banner pedrão 2018
Banner Mirante
Banner Einstein
Banner emprego
Banner violência se limite
Bassani