banner dengue dezembro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Cultura
João Maria
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Em 2023, Itaipu resgata missão social e intensifica parceria com municípios
  Data/Hora: 22.dez.2023 - 12h 31 - Categoria: Itaipu Binacional  
 
 
clique para ampliar

Atual gestão ampliou as ações da empresa para o Estado do PR e parte do MS, atingindo um universo de 11 milhões de pessoas. Programa Itaipu Mais que Energia é a principal vitrine desta nova fase

 

Da Assessoria - Fotos: Edino Krug, Sara Cheida, Rafa Kondlatsch, Rubens Fraulini e Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional. No ano em que o Tratado de Itaipu completou 50 anos e a dívida histórica para a construção da usina hidrelétrica foi quitada, a Itaipu Binacional retomou com força os projetos sociais e ambientais na região e intensificou a parceria com a comunidade, ampliando a área de abrangência de suas ações para todos os 399 municípios do Paraná e 35 do Mato Grosso do Sul.

 

         A principal vitrine dessa nova fase, que atende às diretrizes do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, é o programa Itaipu Mais que Energia, a maior iniciativa de apoio a projetos sociais, ambientais e de infraestrutura da história da empresa. Aproximadamente 11 milhões de pessoas serão beneficiadas.

   

       Trata-se de um programa transversal, que envolve todas as seis diretorias da margem brasileira da Itaipu. Somente a parceria com a Caixa Econômica Federal, lançada em agosto, vai beneficiar 430 municípios, com investimentos que ultrapassam R$ 1 bilhão – do total, R$ 931,1 milhões empregados pela Binacional.

  

Prioridades

  

       À frente da Diretoria Geral Brasileira da Itaipu desde março, a convite do presidente Lula, Enio Verri salienta que a nova gestão elegeu as ações sociais e ambientais como prioridades. “Construir pontes e estradas é importante. Cuidar das pessoas e do meio ambiente é mais importante ainda. E é disso que estamos tratando.”

 

 

     Uma das primeiras medidas dessa nova fase foi restabelecer as áreas de Energias Renováveis e Responsabilidade Social, que haviam sido extintas. Políticas afirmativas ganharam força na empresa, favorecendo o debate e as práticas que valorizam a equidade de gênero, raça e inclusão de pessoas com deficiência.

 

  

Moradias populares

         Outra decisão de forte impacto social foi reverter todo o dinheiro arrecadado com o leilão de casas da Vila A para a construção de moradias populares em Foz do Iguaçu. Na primeira fase do projeto, em parceria com a prefeitura de Foz e o FozHabita, serão investidos R$ 76,3 milhões em 254 unidades. Os recursos irão beneficiar famílias em situação de vulnerabilidade social que hoje vivem em uma área de risco na Vila Brás, junto à nascente do Rio Boicy.

 

     

 “O dinheiro da venda dos imóveis poderia simplesmente ajudar a encher o caixa da empresa. Mas temos que lembrar que as casas da Vila A são um patrimônio público e os recursos arrecadados com a sua venda devem atender aos interesses públicos”, afirmou Verri.

 

 Indígenas

      A relação com as comunidades indígenas é outro ponto de inflexão. A partir de 2023, a empresa ampliou o raio de ação para as 24 comunidades indígenas da região Oeste do Paraná, com ações emergenciais (como a doação de peixes e cestas básicas) e estruturantes. Até 2022, a empresa contribuía com apenas três aldeias formalmente reconhecidas: Tekoha Ocoy, em São Miguel do Iguaçu, e Tekoha Añetete e Tekoha Itamarã, em Diamante D’Oeste.

 

     

A Itaipu também vai participar do grupo de trabalho proposto pela ministra dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara, para avaliar eventual reparação histórica aos povos avá-guarani da região Oeste do Estado.

 

Meio ambiente

    Ações que transformaram a empresa de energia em referência mundial no cuidado com o meio ambiente, como a recuperação de nascentes e a implantação de Unidades de Valorização de Recicláveis (URVs), foram fortalecidas e incorporadas ao programa Itaipu Mais que Energia. Parte desses resultados ganhou destaque durante a COP 28, que terminou neste mês de dezembro, em Dubai.

 

     “É importante ressaltar que os programas desenvolvidos pela empresa, incluindo a manutenção de mais de cem mil hectares de florestas, reconhecidas como Reserva da Biosfera pela Unesco, evitam o assoreamento e elevam a expectativa de vida do reservatório, garantindo que a usina vai continuar a produzir energia limpa e renovável por mais tempo”, explicou o diretor-geral brasileiro da usina.

  

Atualização

 

    Paralelamente às ações sociais e ambientais, a Itaipu Binacional implementa o maior plano de atualização tecnológica da central hidrelétrica desde a sua entrada em operação. O plano começou a ser executado em maio de 2022 e prevê 14 anos de serviços, com cerca de US$ 670 milhões em investimentos já contratados.

 

     Enio Verri esclareceu que a nova diretriz da empresa não interrompe iniciativas que foram iniciadas em gestões anteriores – como é o caso da Perimetral Leste e da duplicação da BR-469, a Rodovia das Cataratas, principal corredor turístico da Tríplice Fronteira. “A nossa determinação é concluir todas as obras já iniciadas”, disse Verri.

 

Obras e integração

        A deliberação também vale para as obras do campus da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), último grande projeto do arquiteto Oscar Niemeyer, que morreu em 2012. A retomada das obras – que foram abandonadas na última década – foi anunciada pelo próprio presidente Lula quando esteve em Foz do Iguaçu, no início de julho, e terá investimentos de mais de R$ 600 milhões da própria Itaipu.

 

        “Fortalecer a integração latino-americana é um dos eixos do governo Lula e a Unila tem um papel estratégico nessa política. A construção do campus Niemeyer caminha neste sentido. Em parceria com a Unila, o Ministério da Educação e outras instituições, vamos viabilizar a concretização desse sonho”, salientou o diretor-geral.

 

        Todas as mudanças ocorrem no ano em que a hidrelétrica binacional irá registrar a melhor produção de energia dos últimos cinco anos, impulsionada pela recuperação do reservatório e da atividade econômica, ultrapassando os 82 milhões de MWh – garantindo segurança energética para o Brasil e o Paraguai.

 

Tarifa mais baixa

        Na negociação com o sócio paraguaio para a definição da tarifa de 2023, chamado Custo Unitário dos Serviços de Eletricidade (Cuse), a atual gestão conseguiu derrubar o valor de US$ 20,75 kW para US$ 16,71 kW. Considerando a tarifa praticada de 2009 a 2021, de US$ 22,60 kW, a redução foi de 26%. A tarifa de Itaipu, hoje, é a menor em 20 anos.

 

      E deverá continuar sendo. No último dia 19, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estabeleceu que a tarifa de repasse provisória de Itaipu (aquela que é paga pelas distribuidoras cotistas para aquisição da energia), exercício 2024, terá uma redução de 12,69% em relação ao ano anterior. Portanto, deverá ser a menor tarifa do Brasil, na comparação com a média dos leilões da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

 

      Para o diretor-geral brasileiro, a boa relação com o Paraguai abre ótimas perspectivas para 2024, quando a empresa completa 50 anos e os ministérios de Relações Exteriores dos dois países irão revisar o Anexo C do Tratado de Itaipu, que trata das bases financeiras e de prestação de serviços de eletricidade da usina.

 

     “Vamos seguir trabalhando em harmonia, sempre em atenção à nossa missão institucional, que é produzir energia elétrica de qualidade, a preço justo, com responsabilidade social e ambiental”, conclui Enio Verri.

  

Sobre a Itaipu

     Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, 2,9 bilhões de MWh. Nos últimos 12 meses, foi responsável por 8,6% do suprimento de eletricidade do Brasil e 86,3% do Paraguai.

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Mirante
Banner emprego
Banner pedrão 2018
Banner Einstein
Banner violência se limite
Banner Exposição
Rose Bueno Acessórios
Bassani