Banner novembro azul

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Ministério Público do Paraná propõe ação contra os nove vereadores e 11 funcionários da Câmara Municipal de São Miguel do Iguaçu
  Data/Hora: 9.ago.2012 - 9h 46 - Colunista: João Maria  
 
 
clique para ampliar

João Maria Teixeira da Silva - A ação do Ministério Público do Paraná contra os nove vereadores e 11 funcionários da Câmara Municipal de São Miguel do Iguaçu, foi a principal notícia desta semana veiculada nas redes sociais e nos principais órgãos de comunicação do Estado e da região. Nesta ação civil pública de ressarcimento de dano ao patrimônio público, o promotor pede a indisponibilidade de bens e ato de improbidade administrativa, com pedido de nulidade de atos administrativos, bem como, o afastamento imediato dos onze edis.

 

Ontem, li e reli as 72 páginas desta ação e confesso que todos que estão citados nesta ação devem estar extremamente preocupados. Em defesa da Lei e dos valores morais e éticos que todo o cidadão, em especial os homens públicos devem zelar, o Promotor é implacável. Após pegar o fio da meada envolvendo as ditas “diárias congressuais”, que a tempos atrás nós também denunciamos e pegamos pesado sobre esse e outros assuntos, ele conseguiu nutrir e muito bem servir a sua ação, dando de bandeja um prato saboroso para o Meritíssimo Juiz saborear.  

 

Independentemente do que vir acontecer na seqüência, ou seja, qual será a decisão do Judiciário sobre essa “Ação Cautelar”, onde todos terão ampla oportunidade de defesa, de uma coisa é certa: “O trabalho da Promotoria Pública, foi simplesmente exemplar”. E essa ação serve de reflexão a todos que pretendem dar os primeiros passos na vida pública. Acredito inclusive que os Diretores e professores de todas as escolas, sejam elas, particular, estadual ou municipal deveriam pegar essa ação, e usá-la como tema de redação. Como prêmio a melhor redação, a comunidade deveria se reunir e dar um valor significativo nesta premiação.  

 

Quando falo de um prêmio significativo, é do tipo: “Uma viagem de no mínimo uns 20 dias com direito a acompanhante a uma dessas Ilhas conhecidas como Paraísos Fiscais”. Não estou exagerando não, e, muito menos tripudiando, que é bom que se diga, são todos meus amigos – e apesar da gravidade destas irregularidades levantadas pela promotoria nesta ação, na sua grande maioria são pessoas de bem do nosso convívio social. E isso que aí está, nesta ação, é o que sempre se fez não só aqui, mas neste país, a vida toda.

 

Vejam por exemplo o caso da Delta e do mar de corrupção que desceu pela Cachoeira do Carlinho – ou melhor, pela rampa do Carlinho Cachoeira, envolvendo os financiamentos de campanha. Levar vantagem, traficar influência, ajudar aqui para pegar ali, envolvendo obras públicas e vultosas comissões sempre foi à regra e não a exceção. Não vamos longe. Quem tem nos acompanhado aqui neste espaço, deve se lembrar que em outras gestões envolvendo o nosso Legislativo Municipal, fizemos dezenas de editoriais denunciando tudo isso e muito mais.

 

Um dos ex-presidentes da Casa, por exemplo, chegou a entrar com duas queixa crime contra o nosso Jornal. E ele só recuou e retirou as duas queixas no momento em que eu apresentei um requerimento pedindo a sua prestação de conta. Foi um Deus nos acuda e só faltou ele dizer: “Eu não só vou retirar as “ações”, como também se você quiser, vou lhe transferir o prédio da Câmara e outras coisas a mais..., mas, por favor, não me peça o que eu não posso dar...” Essa é a realidade.

 

Estou citando isso, por que nunca na história política de São Miguel, o Legislativo participou tanto da vida diária da população como essa gestão. Seja devolvendo recursos para o Executivo, que é bom que se diga, foram mais de Um Milhão de reais, ou aprovando e correndo atrás de recursos para o município que se encontrava (a quatro anos atrás) num verdadeiro caos, com suas Ruas e Avenidas esburacadas, com os acessos ao interior sem a mínima condições. O Pátio de Máquinas, por exemplo, mais parecia um depósito de ferro velho retorcidos...

 

E vejam vocês que os mesmos valores que hoje são repassados ao Legislativo, foram feitos em anos anteriores. E porque não houve devoluções? Onde foram gastos? Para quem foram repassados? Se o nosso eminente promotor quiser ir mais fundo nesta questão e resolver solicitar a prestação de conta dos últimos 12 anos, por exemplo, podem ter certeza que tem gente que hoje se apresenta como a solução, terá que devolver aos cofres públicos não só as “cuecas e as sungas”, mas também todo o patrimônio que declarou a Justiça Eleitoral.

 

A farra em outros tempos, não envolvia só diárias congressuais, mas também compra de máquinas e equipamentos, reformas de reforma de motores já reformados e coisas do gênero. Em tempo: No título da matéria divulgada em todos os sites, redes sociais e meios de comunicação, é a de que os danos causados ao patrimônio público, podem chegar a 5 milhões de reais. Na verdade os valores citados pela promotoria nesta ação são de Um milhão de reais. Se condenados, o poder judiciário poderá exigir que sejam devolvidos até cinco vezes esse valor, podendo aí sim, chegar a 6 milhões de reais.

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Einstein
Banner Mirante
Bassani
Banner violência se limite
Banner emprego
Banner pedrão 2018
Rose Bueno Acessórios