banner coronavírus março

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Cooperativas com interação solidária estimulam a produção de alimentos no Paraná
  Data/Hora: 21.set.2012 - 16h 25 - Categoria: Geral  
 
 
clique para ampliar

No Brasil, 70% dos alimentos que vai para a mesa dos brasileiros têm origem no trabalho de agricultores familiares. A grande demanda por alimentos seguros e saudáveis valoriza a importância de os produtores familiares trabalharem com produtos orgânicos.

O Estado do Paraná tem um dos maiores números de pequenos produtores rurais do Brasil: mais de 300 mil, responsáveis pela maior parte da produção estadual de mandioca, feijão preto, leite, café e da criação de aves.

 Presidente da Unicafes PR e Nacional, Luiz Ademir Possamai.

Ações de fortalecimento desenvolvidas por organizações de iniciativas públicas e privadas também é outro fator que favorece o crescimento da produção de alimentos. Segundo o Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA, o apoio à agricultura familiar no Brasil cresceu 37% no último ano, no que diz respeito a liberação de recursos para custeio, investimento, assistência técnica e comercialização dos produtos.

Para o presidente da União de Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária do Estado do Paraná – Unicafes Paraná, Luiz Ademir Possamai, o cooperativismo tem muito a avançar no Paraná e ampliar as parcerias entre as cooperativas é um caminho inteligente para fortalecê-lo. “No Ano Internacional das Cooperativas esperamos que o cooperativismo seja compreendido como uma alternativa de desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida dos brasileiros. É lógico que a viabilidade econômica é fundamental para que uma cooperativa cresça, mas o objetivo sempre é desenvolver as pessoas”, concluiu.

Tal iniciativa estimula o crescimento de empreendimentos cooperativistas, especialmente sob a perspectiva de economia solidária, que surgem como forma de alternativa de geração de trabalho e renda para os produtores mais empobrecidos do campo.

A Unicafes Paraná, que tem em seu quadro social mais de 100 mil associados, registrou este ano um aumento de 20% na filiação de novas cooperativas. De acordo com Possamai, além dos ramos cooperativos produção, comercialização, crédito, ater e serviços, diferentes ramos estão surgindo, como a reciclagem, a habitação urbana e rural e o turismo. 

No entanto, o ramo mais forte, que corresponde a 70% do total dos associados da Unicafes PR, é o crédito, representado pelo Sistema Cresol, que conta hoje com mais de 80 pontos de atendimento no Estado.

Cooperativas de crédito chegam a locais que os bancos não alcançam      

Uma matéria publicada no Jornal Gazeta do Povo, em 13 de setembro de 2012, comprova a importância social das cooperativas de crédito em levar recursos para locais para quem não têm acesso aos serviços de uma agência bancária, por exemplo. 

O jornal cita exemplos da Cooperativa Cresol do município de Cerro Azul. Na localidade de Barra Bonita, mora a família de Alderico Luciano, agricultor de 45 anos. Sócio da Cresol desde 2003, Luciano viu sua vida mudar muito desde que decidiu se associar. Homem do campo, sempre teve seu pedaço de chão, mas precisava trabalhar na propriedade de outras pessoas porque não tinha dinheiro para comprar sementes e adubo para plantar na sua terra.

“Numa reunião em 2000 fiquei sabendo da criação da Cresol daqui de Cerro Azul, mas fiquei com medo de entrar, porque não conhecia. Falaram que com a cooperativa os agricultores iriam andar de caminhonete, e eu também queria. Uma hora nossa vez ia chegar”, recorda. Aos poucos, o agricultor está alcançando esse sonho.

Em 2004, ele pegou o primeiro investimento pela cooperativa. Com o dinheiro comprou duas vacas, um triturador de ração e quatro rolos de arame. Com o leite produzido pelas vacas, a esposa de Luciano, Roseli, fazia queijo e usava o soro que sobrava para alimentar os porcos. A alimentação da família melhorou e quando foi pagar a primeira parcela do empréstimo, em 2006, o agricultor usou o dinheiro da venda de um terneiro que tinha nascido em sua propriedade. Hoje são sete cabeças de gado, mas o rebanho já chegou a 12. “A gente fez mais dinheiro do que esperava. A gente não tinha renda nenhuma e agora olha a moradia que nós temos. Nem banheiro a gente tinha e hoje a água é encanada. De um tempo para cá, as coisas só estão melhorando”, diz Luciano.

Foto: Legenda:Foto: Legenda: O agricultor Alderico Luciano e sua esposa Roseli (ao lado do filho) são cooperados há nove anos: eles não tinham nem conta no banco; hoje a casa da família é de material.

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Einstein
Bassani
Banner violência se limite
Banner emprego
Banner Mirante
Banner pedrão 2018
Rose Bueno Acessórios