Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
O QUE DIZEM AS FOTOS
  Data/Hora: 15.jan.2013 - 7h 13 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Almandrade -   “O acusado é proprietário de uma sentença, sem ser interrogado e sem as provas."


Eis a pena: 300 metros de distância entre pai e filho, impedidos de
qualquer forma de comunicação.


Nada demais nestas fotos, não são de um fotógrafo profissional,
tiradas por um amador, sem qualquer preocupação estética, apenas para
registrar um momento, um encontro de fim de tarde de pai e filho
depois do término das atividades escolares. Um acontecimento quase
cotidiano que alegrava a criança. Essa estação de passagem entre a
escola e a casa, é um lugar de trabalho, uma repartição pública, nada
de especial. Mas, estas fotos registram algo extraordinário, uma
despedida, impossível para uma criança de três anos, ter consciência.
Mas as crianças têm pressentimentos: O que transmite o semblante da
criança? O que diz o seu olhar?  Um olhar triste, desconfiado,
perdido, enigmático. Não são “os olhos que viram o imperador” nem é o
olhar do rapaz que “aguarda o enforcamento”. Depois de Roland Barthes
em a “Câmara Clara”, a fotografia é mais que uma reprodução da
realidade. Ela explicita uma leitura e faz despertar sentimentos
adormecidos dentro de nós.

A criança pensa com o olhar, com três anos o futuro é muito maior que
o passado. Ela olha o futuro. Da Vinci, no quadro “A Santana”, uma,
das mais belas e instigantes, composição plástica da história da arte:
O menino Jesus de aproximadamente três anos, sai entre as pernas de
Maria simbolizando o nascimento em direção a terra e abraça um
cordeiro, como se estivesse olhando para o seu futuro, ele o cordeiro
de Deus que veio ao mundo para salvar a humanidade. Depois de Da Vinci
aprendemos a querer ver mais nas imagens. Um pormenor chama a atenção
na foto, os lábios com um fragmento de biscoito, por um momento o
garoto faz uma pausa, para de mastigar, com as mãos ocupadas cada uma
com um biscoito, contempla o vazio, a câmara fotográfica ou o
espectador. Para que essa pausa? Em que pensa? Eu vejo a solidão e a
saudade. Pensei em Velásquez  e “As Meninas”, quando ele para de
pintar e olha para fora do quadro.

Na outra foto o sorriso desconcertado do pai, não consola a criança
que olha para o chão, com as mãos no queixo e uma cara de choro e de
desamparo. Será que ela imagina que vai separar-se do pai  e tão cedo
ou talvez nunca mais retorne a esse lugar de trabalho, um lugar sem
nenhum atrativo para despertar a atenção infantil. Nessa sociedade da
propriedade privada, nem as crianças escapam, deixam de ser filhos
para ser coisas, animais de estimação de um dono e o outro é
transformado em provedor econômico, garantido por lei que desconhece
afetos e desejos. Questões aparte da imaginação do garoto. Esses
mesmos olhos que da janela do apartamento um dia avistou o mar e
gritou: “Papai, achei o mar”, o que viu desta vez para ficar assim tão
aborrecido? Será o entardecer sombrio?  Os poetas, as crianças e os
loucos têm visões.

Na pintura de Pieter Brueghel, o maior observador em toda história da
arte das brincadeiras infantis, mostra uma cidade como um grande
playground, onde tudo nem sempre é fantasia e diversão. Num canto da
tela, um lugar bem discreto, aparece a mascara da tragédia. No meio de
tanta diversão, a triste realidade, a de que a humanidade segue o pior
dos instintos. Não sabemos direito a mensagem de Brueghel como também
não temos certeza do que diz o olhar desse garoto. Nos paraísos
infantis nem tudo é tão inocente e maravilhoso, é preciso ser
perspicaz e prestar atenção nos detalhes.

A foto é um registro histórico que fixa para sempre uma subjetividade,
e sua interpretação reflete o ponto de vista e o desejo de quem olha.
Ela tem muitas referências, cutuca o que está guardado no fundo da
memória.


Almandrade

(artista plástico, poeta e arquiteto)

 

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Mirante
Banner Bertold Brecher
banner idiota útil
Banner Graciliano Ramos
Banner militares
Banner Mães Fortes
Banner a dieta perfeita
Banner Bolsonaro
Otica PetriU
Banner Lei Lucas