banner coronavírus março

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Cotriguaçu vai inaugurar um dos maiores complexos frigorificados do Brasil
  Data/Hora: 8.mar.2013 - 14h 43 - Categoria: Geral  
 
 
clique para ampliar

 

Cerimônia está agendada para as 10h30 do dia 14 de março com a presença do governador Beto Richa

 

O movimento cooperativista, que a partir das décadas de 1960 e 1970 começou a transformar a realidade social e econômica do Oeste, dá mais uma prova do quanto confia no processo de expansão de uma das regiões que mais crescem no País.

 

No próximo dia 14 de março, às 10h30, o Conselho de Administração da Cotriguaçu Cooperativa Central inaugura em Cascavel (PR) a primeira etapa de um dos maiores projetos brasileiros de recepção, de armazenamento e de transporte de cargas frigorificadas e contêineres.

 

A estrutura comporá um dos maiores terminais intermodais do País, com nível de tecnologia, para uma obra do gênero, jamais visto no mercado nacional. O ato do dia 14 contará com a presença de vários líderes políticos e do agronegócio, entre eles o governador Beto Richa.

 

O complexo que a Cotriguaçu constrói em área em anexo à Ferroeste, na BR-277, saída para Curitiba: uma das maiores estruturas do gênero do País.

Primeira etapa do investimento: R$ 40 milhões - Valor global do empreendimento: R$ 200 milhões - Número de empregos gerados nesta primeira fase: - Diretos – 90; Indiretos – 280 - Área construída: 15,8 mil metros quadrados - Área de pavimentação: 21,8 mil metros quadrado

 

O Terminal Ferroviário da Cotriguaçu, projeto que tem suporte de quatro das principais cooperativas nacionais – Coopavel, C. Vale, Copacol e Lar –, vai se transformar em um marco histórico no contínuo processo de expansão do agronegócio regional.

 

De acordo com o diretor-presidente da Cotriguaçu, Irineo da Costa Rodrigues, o complexo reduzirá custos com armazenamento e transporte elevando, consequentemente, a competitividade dos produtos do Oeste no concorrido mercado mundial. O empreendimento está em construção em uma área de 45 mil metros quadrado junto à Ferroeste, na BR-277, km 574, saída para Curitiba.

 

Conforme Irineo, a obra fará frente a uma carência de armazenagem que faz com que as cooperativas do Oeste enviem seus produtos a outras regiões ou os entregue a terceiros, o que eleva custos logísticos.

 

Entre as vantagens que o terminal trará, o presidente da Cotriguaçu destaca: redução do custo do transporte em comparação com o modal rodoviário, maior capacidade nas negociações do grupo, possibilidades de realização de contrato a preço fixo para o período anual, disponibilização de área pulmão para armazenagem de contêineres vazios e cheios, bem como câmara frigorífica para armazenagem do produto acabado.

 

 

Ferroeste

 

Irineo, que também é presidente da Lar de Medianeira, ressalta que a decisão pela implantação do complexo em Cascavel é uma aposta do setor cooperativista no futuro da Ferroeste. Com a concretização da nova linha ferroviária ligando Guarapuava a Paranaguá e logo após com a chegada da Ferrovia Norte Sul, que vai interligar a Ferroeste com Paranaguá e os demais estados da federação, a estrutura contribuirá para um enorme avanço socioeconômico ao Oeste e às regiões circunvizinhas.

 

A previsão, segundo os investimentos anunciados pelo governo estadual e federal, é fazer de Cascavel o maior entroncamento rodoferroviário do Brasil, com movimentação anual de cerca de 60 milhões de toneladas dos mais diversos produtos.

 

Além de atender as suas cooperativas integradas, o Terminal da Cotriguaçu estará à disposição de empresas e frigoríficos de todo o País, atuando na recepção de produtos congelados (frango, suíno, bovino e outros), na armazenagem, monitoramento de contêineres frigorificados e embarque aos mercados interno e externo, em modais ferroviário e rodoviário.

 

O complexo fará ainda o monitoramento com tomadas para caminhões no pátio de estacionamento e recebimento e embarque de contêineres de carga geral. A câmara frigorificada movimentará o equivalente a 22 mil toneladas de congelados por mês, aliviando um antigo gargalo de armazenamento das cooperativas filiadas, parceiros (Copagril e Frimesa) e outros frigoríficos.

 

 

R$ 200 milhões

 

A inauguração da primeira etapa do terminal, que vai gerar 90 empregos diretos e 280 indiretos, marcará também o lançamento da pedra fundamental para o início de obras de três armazéns graneleiros com capacidade para 360 mil toneladas de grãos (soja, milho e farelo de soja) e da sede administrativa do complexo.

 

A área construída da estrutura que será entregue no dia 14 tem 15,8 mil metros quadrados e 21,8 mil metros quadrados de pavimentações. Até agora, a Cotriguaçu investiu R$ 40 milhões no projeto, que até o fim de suas etapas de estruturação exigirá soma global aproximada de R$ 200 milhões.

 

A estrutura que será entregue nesta primeira etapa do empreendimento da Cotriguaçu é formada por uma câmara frigorífica com capacidade para a armazenagem de dez mil toneladas de produtos congelados. Ela terá prateleiras móveis sob trilhos e será toda automatizada.

 

O projeto inclui uma antecâmara composta por oito docas rodoviárias e três ferroviárias. O pátio terá condições de receber até 500 contêineres de uma única vez. Haverá 120 tomadas para contêineres frigorificados e os demais para contêineres vazios frigorificados ou de carga total.

 

O complexo contará com empilhadeiras, caminhão com 5ª roda e carretas próprias para a movimentação de contêineres em pátio com tomadas frigorificadas, e pátio de caminhões com tomadas para 32 caminhões simultaneamente e balança rodoviária com 30 metros de comprimento.

Para bem atender aos seus clientes, o Terminal da Cotriguaçu contará com um desvio ferroviário de 540 metros para o embarque de contêineres em plataformas e balança ferroviária.  Para o bem-estar dos condutores, a estrutura reservará também uma sala de descanso para motoristas, além de acesso marginal ao pátio do terminal.

 

Outra das preocupações das cooperativas integradas ao investimento no terminal é com a preservação do meio ambiente. Além de mais barato e de reduzir riscos de acidentes em estradas, já que caminhões passarão a circular em trajetos mais curtos, haverá ganhos com a redução da emissão de gás carbônico.

 

Considerando que um trem traciona em média 50 vagões plataformas para contêiner com capacidade média de 26 toneladas cada um, o que equivale a 50 caminhões trafegando e emitindo gás carbônico e outros poluentes, o empreendimento trará enormes benefícios ecológicos.

 

 

(Imagens anexas – Perspectivas arquitetônicas do Complexo Logístico quando estiver pronto)

 

Legenda

O complexo que a Cotriguaçu constrói em área em anexo à Ferroeste, na BR-277, saída para Curitiba: uma das maiores estruturas do gênero do País.

 

Crédito: Assessoria

 

 

(retranca)

 

Complexo terá armazéns com

capacidade para 360 mil ton

 

Em função do tamanho da estrutura, o Terminal Ferroviário da Cotriguaçu será construído em etapas e ainda precisará de alguns anos para que opere com sua capacidade total. A próxima fase de obras prevê a implantação de mais uma câmara frigorífica com capacidade para dez mil toneladas.

O complexo de armazéns, um dos maiores do Brasil, terá capacidade para 360 mil toneladas, construído em área de 133,3 mil metros quadrados. Serão três estruturas, cada uma para 120 mil toneladas, para armazenagem e expedição de soja, milho e farelo de soja.

O projeto das quatro cooperativas integradas à Cotriguaçu (Coopavel, C.Vale, Copacol e Lar), ainda contemplará um conjunto de quatro moegas rodoviárias com condições para receber 400 toneladas cada, dois silos metálicos com capacidade de recepção de cinco mil toneladas de trigo cada, moega ferroviária, sala de classificação, balanças rodoviárias e ferroviárias, desvios ferroviários e correias e tulhas de expedição, com fluxo de 500 toneladas cada.

 

 

--------

 

Dados para infográfico

 

Primeira etapa do investimento: R$ 40 milhões

 

Valor global do empreendimento: R$ 200 milhões

 

Número de empregos gerados nesta primeira fase:

 

- Diretos – 90

- Indiretos – 280

 

Área construída: 15,8 mil metros quadrados

 

Área de pavimentação: 21,8 mil metros quadrado

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Mirante
Rose Bueno Acessórios
Banner Einstein
Banner violência se limite
Bassani
Banner emprego
Banner pedrão 2018