banner coronavírus março

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
ESTADO ISLÂMICO FOI CRIADO PELO GOVERNO IMPERIALISTA DOS ESTADOS UNIDOS
  Data/Hora: 21.set.2015 - 16h 16 - Categoria: Mundo  
 
 
clique para ampliar

21.9.15    

Fonte: Tribuna da Imprensa - ILUSKA LOPES -
 
O imperialismo estadunidense já produziu e, depois passou a combater várias aberrações e organizações depois taxadas de terroristas, tudo para manter a dominação global sem medir as consequências. Para diversos historiadores idôneos, os EUA praticam uma política antiterrorismo apenas para nos enganar, jogo no qual fazem a muito tempo e levam até hoje.
 
 
Concordo plenamente com eles.
 
 
Segundo essa linha de pensamento a criação do Estado Islâmico por parte dos Estados Unidos, passou por três etapas: A destruição de regimes seculares e estabilizadores do Iraque e Síria e o apoio aos fundamentalistas sunitas contra Assad, segundo o historiador Robert Freeman.
 
 
“A coisa mais importante a entender sobre o Estado Islâmico é que ele foi criado pelos Estados Unidos”, afirmou o historiador Robert Freeman no Portal de notícias “Common Dreams“.
 
 
Para ele a criação passou por apenas três etapas importantes.
 
 
A primeira fase de criação do grupo Estado Islâmico surgiu durante a guerra do Iraque e a derrubada do governo secular de Saddam Hussein.
 
 
Segundo o autor, o regime de Hussein era “corrupto, mas estabilizador”, durante seu governo não havia Al Qaeda no Iraque e o Estado Islâmico está enraizado precisamente na Al Qaeda.
 
 
Além disso, o governo EUA deixou o poder no Iraque com metade da população que é sunita nas mãos de um governo xiita. O fato de que o Exército iraquiano e Curdo (peshmerga) terem sido derrotados pelo Estado Islâmico é porque eles preferem se aliar com seus correligionários jihadistas sunitas que se juntaram com seus “adversários religiosos” xiitas , diz o historiador.
 
 
A segunda etapa foi na campanha contra o governo de Bashar al Assad na Síria. O presidente sírio contava com uma força que por muitos anos manteve “uma paz relativa” a um conjunto de seitas religiosas existentes no país, afirma Freeman. Em suas tentativas de desestabilizar o governo da Síria, os EUA ajudaram o “precursor” do Estado Islâmico no país, entre os quais, segundo o autor, é o Front-Nusra.
 
 
“A terceira etapa da formação do Estado Islâmico veio quando o governo dos Estados Unidos juntamente com a Arábia Saudita e Turquia se organizaram para financiar e apoiar os rebeldes na Síria”, que, de acordo com Freeman, já era um “pré-Estado Islâmico”.
 
 
A Arábia Saudita, professa em sua fé principalmente, o Wahhabism, uma das versões mais “virulentas e agressivamente anti-ocidental” do Islã. Isso explica por que 15 dos 19 sequestradores terroristas de 11 de setembro de 2001, eram sauditas e do próprio líder da Al Qaeda, Osama Bin Laden.
 
 
Por sua vez a Turquia persegue seus próprios interesses na região, algo demonstrado pelo fato de que este país financiou e promoveu o Estado Islâmico, e não se juntou aos ataques aéreos atuais promovidos pelos EUA e seus aliados contra posições do grupo jihadista na Síria.
 
 
A Turquia não está interessada em fortalecer os combatentes Curdos contra o Estado islâmico, pois dessa forma poderia estar fortalecendo a formação de um Estado Curdo, lembrando que “uma parte dele seria hoje o território turco”, diz Freeman.
 
 
Apesar de ter criado o Estado Islâmico, os EUA mostram uma fragilidade na hora de combatê-lo devido a uma ausência de “estratégia coerente”. Neste sentido, os “rebeldes moderados” que os EUA treinaram na Síria contra Assad agora se recusam a lutar contra o Estado islâmico, fato que segundo o autor, não é surpreendente, uma vez que estes rebeldes jihadistas os deram armas fornecidos pelos EUA, lembra o autor.
 
 
“As forças mais capazes de derrotar o Estado Islâmico” no curto prazo, conclui ele, são a Rússia, a Síria e o Irã. Para ele, o anuncio feito pelo presidente Barack Obama de combater o terrorismo é apenas um jogo para enganar.
 
 
Mas o governo dos EUA prefere ver uma situação se agravar ainda mais com os terroristas do que ver eles serem vencidos por seus inimigos, conclui o historiador Robert Freeman.
 
 
*Com informações do Common Dreams.
 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Einstein
Banner Mirante
Banner violência se limite
Banner emprego
Bassani
Rose Bueno Acessórios
Banner pedrão 2018