Vende-se apartamento no centro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
AS URNAS ELEITORAIS ENTRE DUAS SOMBRAS...
  Data/Hora: 6.out.2018 - 6h 14 - Categoria: Brasil  
 
 
clique para ampliar

JOSÉ CARLOS DE ASSIS -

 

Fonte: Tribuna da Imprensa - As candidaturas de Haddad e de Bolsonaro parecem ter surgido no país como sombras oriundas das ondas impessoais da política. Os candidatos não são pessoas, são conceitos. Bolsonaro apareceu como uma espécie de aviso longínquo de que alguma coisa de natureza extremamente radical poderia acontecer no país, embora não no tempo imediato. Haddad era uma sombra viva de Lula, lançado na disputa eleitoral não para ganhar, mas para garantir espaço de regeneração do combalido Partido dos Trabalhadores.

 

 

Por surpreendente que tenha sido isso, as duas sombras cresceram e se tornaram a imagem concreta de si mesmas. Ambas se desenvolveram pela ameaça explícita da outra. Bolsonaro se revelou o risco maior por causa de seus excessos retóricos. A parte da sociedade que acumulara, por razões diferentes, grande ressentimento contra o PT passou a aceitar com mais naturalidade a hipótese do lulismo em face dos exageros de seu principal opositor. Essa talvez seja a principal razão para a provável derrota do capitão no segundo turno.

 

 

Entretanto, o jogo ainda está sendo jogado. Tendo em vista os precedentes históricos brasileiros, ninguém garante como terminará até o último minuto. Quem poderia prever, por exemplo, a facada desfechada contra Bolsonaro? Acaso isso não mudou o rumo das eleições? Estou convencido de que a situação do paciente é pior do que dizem os médicos. A evidência de que estão escondendo algo é a recomendação médica para sua ausência no último debate. Disseram que era por covardia. Tolice. Bolsonaro é tão arrogante que não tem medo de nada.

 

 

Um padecimento prolongado de Bolsonaro poderá ter forte efeito eleitoral. As pessoas poderão padecer de sua condição de saúde. O adversário principal, Haddad, terá de moderar seus ataques para não parecer que está tirando vantagem da situação dele. Enfim, vários poderão ser os motivos para a afirmação eleitoral de Bolsonaro, os quais nada tem a ver diretamente com a disputa eleitoral em si, por méritos e deméritos dos candidatos, mas que poderão ter influência decisiva nos resultados das urnas.

 

 

Se me fosse dado dar um conselho a Haddad neste momento, eu sugeriria que manejasse seu discurso neste segundo turno, sobretudo no rumo de uma grande humildade de proposições. Nada de revanchismo. Nada de arrogância. Nada de grandes desafios. O enfermo deve ser respeitado na sua condição física, não moral. A tradição do povo brasileiro, ao contrário do que acontece com sua elite, é de condescendência, piedade e comiseração. Como já escrevi dias atrás, a sociedade brasileira definitivamente não gosta de chutar gato morto.

 

 

Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar com o Pinterest

 

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Bassani
Banner Banda Show
Banner guilherme almeida
Rose Bueno Acessórios
Banner pedrão
banner vende capeletti
banner vende apartamento II
Otica PetriU