banner coronavírus março

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Política: Este ano será diferente ou teremos à temporada de Caça? Todo o cuidado é pouco!
  Data/Hora: 12.jul.2012 - 12h 30 - Colunista: João Maria  
 
 
clique para ampliar

João Maria Teixeira da Silva - Enquanto em diversas partes do mundo a temporada de caça é feita anualmente, em nossa cidade tradicionalmente, pelo menos no tapetão, ela acontece de quatro em quatro anos. Teve gente inclusive (e isto é de conhecimento de todos), que em outros tempos apregoava em alto e bom som: “Se desta vez eu não caçá-lo, eu rasgo o meu diploma”.

Essa semana, por diversas vezes ouvi de pessoas letradas, com canudo na parede e uma ótima conta bancária, insinuações a respeito de cassações e impugnações. E o mais espetacular nisso tudo, é que eles próprios confessam que se não for por essa via, fica difícil vencer. Uma possível impugnação no ponto de vista deles é a única saída.

E fazem com a maior naturalidade, só faltando citar Maquiavel: “é natural que se arruíne entre tantos que não são bons - quem manda ser honesto e sair por aí professando o bem e fazendo boas administrações”.

Como entender a política? Para uns, poderíamos dizer que é a “arte de administrar conflitos”, “para outros a fórmula mágica de criar atritos”. Os estadistas, por exemplo, estão mais afinados com os objetivos do filósofo grego Aristóteles, para o qual a política é a ciência que tem por objeto a felicidade humana, capaz de assegurar uma vida feliz ao cidadão.

Para outros, pelo visto, ao lerem a principal obra de Nicolau Maquiavel, “O Príncipe”, passaram a interpretar uma das suas principais citações: “os fins justificam os meios”, de acordo com a sua própria formação, de acordo com o seu próprio caráter. E nessa interpretação houve uma inversão de valores. A política deixou de ser “a nobre arte de governar os povos e administrar o bem comum” para ser a arte do “Vale tudo”.

O objetivo é conquistar o poder a qualquer custo e assegurar uma vida feliz para os seus. E para chegar lá vale mentir, enganar, se aproveitar da bondade, da honestidade e até da ingenuidade das pessoas... Vale jogar charme, usar fendas abertas estrategicamente no campo jurídico com muita antecedência, por exemplo, com o objetivo de desestabilizar aqui para pegar ali...

Traduzindo: para esses, “Vale Tudo”. Vale inclusive, perambular pelo mundo cão, onde o que menos interessa é o cidadão..., onde o que menos interessa é a qualidade de vida das pessoas. É hora de refletir... Todo cuidado é pouco!

A cidade onde moramos, onde escolhemos para viver e educar os nossos filhos é a extensão da nossa própria CASA – é o centro do Universo. E segundo o filósofo, “toda a cidade é uma espécie de comunidade, e toda comunidade se forma com vistas a algum bem...”.

E quem administra essa comunidade? Continua o filósofo: “se todas as comunidades visam a algum bem, é evidente que a mais importante de todas, visa ao mais importante de todos os bens; ela se chama cidade e é administrada pela comunidade política”. Volto a repetir: Todo cuidado é pouco!

Para onde vamos? O que queremos? O que será o amanhã? Ao fazermos um comparativo no campo das relações humanas, não é difícil notarmos que não só no campo político, mas no contexto geral, a sociedade de hoje, está muito diferente.

Salvo raras exceções, como descreve Taciana Valença, se não me falha a memória: “aprecia-se num rapaz, a irreverência e o descumprimento da lei moral. Na criança, festeja-se o erotismo precoce e os modos tirânicos com que afirma a igualdade de direitos em relação aos seus pais”. O que será isto. Conflito de gerações?

E continua: “Por toda a parte as instituições são demolidas por seus próprios dirigentes. As elites em geral não exercem sua relevante função social e se voltam para o gozo da vida”. Muitos, movidos pela ganância e pela ambição, esquecem até mesmo a sua própria formação – e terminam por perder o foco naquilo que deveria ser uma missão de vida.

Voltando a obra “O Príncipe”, de Maquiavel, é importante que os nossos jovens saibam que uma das suas principais citação: “os fins justificam os meios”, está sendo mal interpretada e muitas vezes usada de maneira pejorativa, quando na verdade essa frase é apenas um resumo da maneira como ele pensava.

No seu ponto de vista, “os fins determinam os meios e que, de acordo com seus objetivos, poderão ser traçados os planos de como atingi-los”. Para ele, governar era uma arte e para isso era preciso ser coerente e prático. Sua obra é uma grande contribuição para a humanidade e o seu principal objetivo, é separar o joio do trigo.

O jornalista Carlos Chagas, âncora da Tribuna da Imprensa, um dos únicos redutos que se pratica a liberdade de imprensa com toda a sua coerência hoje no país, em seu discurso de despedida do cargo de professor da UNB, ao dirigir-se os jovens formandos, exortou-os a rebelarem-se contra o preconceito dos que pretendem resumir a vida a um sistema, qualquer que seja ele.

“Creiam, acima de tudo, no poder da razão, porque da razão nasce a liberdade, da liberdade a justiça, da justiça o bem comum, e do bem comum o amor. O amor, a derradeira oferta do indivíduo à sociedade”, sábias palavras. Como colocar tudo isto em prática? É o que devemos discutir aqui neste espaço nos próximos meses...

Transcrito do Boletim impresso do site: (www.jornalofarol.com.br) nº 250

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner emprego
Banner Mirante
Rose Bueno Acessórios
Banner Einstein
Banner pedrão 2018
Banner violência se limite
Bassani